Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 05 Agosto |
Santos Vardan e companheiros
home iconAtualidade
line break icon

Como se constrói a paz?

© Benedetta Polignone

Corrado Paolucci - publicado em 15/07/14

Reconciliação entre judeus e muçulmanos pela paz no Oriente Médio

Hoje existe uma pergunta unânime no coração dos israelenses e palestinos: Quando terminará este horror? E terminado, quanto tempo durará a trégua até a próxima onda de violência?

Uma série de testemunhos parecem seguir a estrada traçada pelo Papa Francisco para construir pontes de paz, mesmo se continuam a acontecer atos de crueldade. 

Palestinos queimados vivos em Jerusalém

Os últimos fatos contados por Uri Avnery (jornalista israelense e líder do Gush Shalom “Bloco de paz”), no AsiaNews no dia 14 de julho, parecem distanciar a trégua. Uri escreveu de Tel Aviv: “as bombas chovem sobre Gaza e os mísseis sobre a parte meridional de Israel, as pessoas morrem e as casas são destruídas. Ainda sem nenhum propósito. Mas para mim é difícil ouvir as sirenes que avisam a chegada dos mísseis em Tel Aviv. Não posso distanciar meu pensamento das horríveis coisas que acontecem em Jerusalém. Uma tragédia abominável acontece em Jerusalém. Um rapaz palestino foi sequestrado e queimado vivo. Os crimes de ódio que aconteceram em Israel nunca chegaram sequer perto do que aconteceu nos últimos dias. Queimar viva uma pessoa é abominável em qualquer lugar. E em um Estado que se proclama ‘judaico’ é um fato ainda pior”. 

Mãe do estudante assassinado: “Digo não ao ódio”

O primeiro testemunho “contra a corrente” foi o de Rachel Fraenke, a mãe de Naftali, um dos três estudante israelenses sequestrados e assassinados em Hebron. Apesar do terrível momento que ela e sua família estão vivendo, aceitou responder às perguntas que a Famiglia Cristiana publicou no dia 14 de julho.

Ela foi questionada sobre como pôde manifestar solidariedade à família de Muhammad (rapaz palestino sequestrado e assassinado em Jerusalém). Ela responde que “ligar para família de Muhammad foi a coisa mais natural. Fiquei perturbada com este assassinato e senti todo o sofrimento dos pais. Foi muito importante para nós transmitir a mensagem que nenhum inocente pode ser ferido e somente a lei tem o mandato de se ocupar destes casos. Tenho certeza que a família de Muhammad está sofrendo terrivelmente e está sob a pressão da sua comunidade”.

Depois se fala da importância da fé para ela e a sua família: “Muitas pessoas nos perguntaram se suportar esta dor é mais fácil porque somos crentes. Respondi que antes de tudo somos pais e a preocupação para com nossos filhos sequestrados não foi menor. Por outro lado, a fé e a religião nos oferecem um contexto de pensamento cotidiano que nos dá a força para seguir adiante. Os preceitos, os costumes que regem os primeiros sete dias de luto, a união da família, a capacidade profunda de rezar e mesmo a regularidade e o costume das orações, obrigam a pessoa a ser ativa e a não desmoronar em sua dor. Também a fé na eternidade da alma, naturalmente, e o nosso contexto histórico: estes jovens se uniram a uma longa lista de outros que, como eles, foram assassinados porque eram judeus”. 

#Fastforpeace: judeus e muçulmanos unidos pela paz

O caminho sugerido pelo Papa Francisco no Angelus do último domingo, 13 de julho (assista ao vídeo logo abaixo), foi seguido por um grupo de estudantes judeus e muçulmanos que lançaram uma iniciativa hoje, dia 15 de julho, chamada #fastforpeace. Esta escolha traz uma constatação: seja pelo calendário dos muçulmanos, seja pelo dos judeus, é um dia de jejum. Por que não transformar esta concomitância em uma ocasião para fazer alguma coisa de concreto para iniciar, primeiramente nós, a construir a paz que pedimos aos palestinos e israelenses? (Missionline, 14 de julho).

Abaixo relatamos o apelo escrito pelos jovens:

“Somos um grupo de amigos judeus e muçulmanos que se encontram juntos para jejuar e rezar a partir de terça-feira, 15 de julho. Crescemos juntos no mesmo colégio, onde nos encontramos em situações parecidas, marcados pela adesão de um código de vestuário diferenciado, restrições alimentares e nossos olhos inchados após a oração cotidiana da manhã. Nos tornamos amigos em tempos tranquilos e nos dispersamos após nosso diploma há dois meses. Mas nas últimas semanas, quando os nossos conterrâneos em Israel e na Palestina começaram a se combater, nos reencontramos no tempo do medo e do desespero. 

  • 1
  • 2
Tags:
GuerrajudeusMuçulmanosMundoPapa FranciscoPazTerra Santa
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
5
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Princesa Diana no Accord Hospice
Reportagem local
Um padre católico acompanhou a princesa Diana na madrugada de sua...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia