Aleteia
Segunda-feira 26 Outubro |
São Fulco
Atualidade

Governo ucraniano acusa Rússia de ter abatido um de seus aviões

<p>Restos do avião são localizados perto do vilarejo de Davido-Nikolsk</p>

AFP - publicado em 15/07/14

O governo de Kiev acusou rapidamente a Rússia de ser responsável pelo ataque a sua aeronave

As forças de Kiev buscavam na noite desta segunda-feira membros da tripulação de um avião de transporte militar, abatido na zona separatista por um míssil "provavelmente" disparado da Rússia, agravando ainda mais a tensão entre os dois países.

A tripulação da aeronave foi vista por jornalistas da AFP em um campo perto da aldeia de Davydo-Mykilske, na região de Lugansk, que entrou em contato com o Estado-Maior ucraniano, indicou a Presidência da Ucrânia em um comunicado. Ainda não se sabe quantos sobreviveram.

Um dos porta-vozes militares de Kiev, citado pela imprensa local, admitiu que dois pilotos – dos oito que estavam a bordo – tinham sido feitos prisioneiros pelos rebeldes.

Já os insurgentes afirmaram ter feito cinco prisioneiros, de acordo com as indicações dadas à AFP pelo serviço de imprensa da "República Popular de Lugansk".

– Acusa –

O governo de Kiev acusou rapidamente a Rússia de ser responsável pelo ataque a sua aeronave.

"Levando em consideração o fato de o avião estar voando a uma altitude de 6.500 metros, seria impossível que ele tenha sido atingido por disparos de mísseis terra-ar portáteis, o que significa que ele foi abatido por um míssil de um outro tipo, mais poderoso, que foi lançado, provavelmente, a partir do território da Federação da Rússia", indicou um comunicado da Presidência.

De acordo com moradores de Davydo-Mykilske consultados pela AFP, a destruição do avião ucraniano, por volta de 12h30 (06h30 de Brasília), lembra a de um outro avião de transporte derrubado perto do aeroporto de Lugansk, no dia 14 de junho. Quarenta e nove militares ucranianos morreram no incidente.

O ataque desta segunda ocorreu menos de 24 horas depois de um avanço das forças de Kiev perto de Lugansk e da retomada do aeroporto da região depois de intensos combates.

Na estrada que liga Donetsk a Lugansk, jornalistas da AFP viram marcas dos confrontos da véspera: um tanque destruído e dois blindados de transporte de tropas incendiados. Mas não era possível saber a que lado pertenciam.

– "Perigosa escalada" –

Enquanto os enfrentamentos continuam, a busca por uma solução política não avançou. Depois de seu encontro no Rio antes da final da Copa do Mundo, o presidente russo, Vladimir Putin, e a chanceler alemã, Angela Merkel, repetiram apenas que queriam "negociações diretas o mais rápido possível" entre o governo ucraniano e os separatistas.

O chefe da diplomacia alemã, Frank-Walter Steinmeier, afirmou nesta segunda, em um comunicado, que Berlim, Kiev, Moscou e Paris iniciariam um diálogo até terça-feira entre o grupo de contato para a Ucrânia e os separatistas com o objetivo de obter um cessar-fogo.

Mas o diálogo tem sido cada vez mais difícil após um incidente na fronteira ocorrido no domingo entre a Ucrânia e a Rússia. Acusando as forças de Kiev de terem disparado um morteiro que causou uma morte no lado russo da fronteira, Moscou mencionou uma "escalada extremamente perigosa" e ameaçou a Ucrânia com "consequências irreversíveis".

As autoridades de Kiev negaram qualquer envolvimento, afirmando que "os militares ucranianos nunca dispararam contra o território do Estado vizinho".

O Ministério russo das Relações Exteriores indicou nesta segunda que havia pedido aos observadores da OSCE (Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa) que fossem à fronteira entre Rússia e Ucrânia.

A Otan denunciou nesta segunda o "reforço" das tropas russas na fronteira com a Ucrânia, que constitui um "passo atrás na desescalada".

"Desde meados de junho, nós temos provas da mobilização progressiva de milhares de soldados russos perto da fronteira com a Ucrânia", declarou uma autoridade da Aliança.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Mundo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco e casais homossexuais: o que e...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia