Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 10 Maio |
home iconAtualidade
line break icon

Esforços diplomáticos se intensificam em meio à ofensiva israelense em Gaza

<p>Equipes de resgate em meio a ruínas em Gaza, em 21 de julho de 2014</p>

Agências de Notícias - publicado em 22/07/14

100.000 habitantes de Gaza que não tinham para onde ir se refugiaram em dezenas de prédios da ONU, onde mulheres e crianças dormem no chão

Os esforços diplomáticos se intensificavam na tentativa de alcançar um cessar-fogo em Gaza, ao término de mais um dia de incessantes bombardeios israelenses que aumentaram para mais de 570 o número de palestinos mortos.

No dia seguinte à jornada mais violenta desde o início da guerra, o registro continuou aumentando, com pelo menos 55 palestinos mortos nesta segunda, incluindo 16 crianças, e cerca de 70 corpos encontrados em meio a escombros. Além disso, sete soldados israelenses morreram em combate.

O governo de Benjamin Netanyahu estava determinado a manter suas operações militares aéreas e terrestres em Gaza, controlada pelos islamitas do Hamas, para impedir os disparos de foguetes.

Durante todo o dia, o enclave palestino foi submetido a dezenas de ataques aéreos. No mais letal, um prédio residencial foi atingido, deixando 11 mortos – incluindo cinco crianças. Inúmeros disparos também foram efetuados por tanques. Um hospital foi alvejado e quatro pessoas morreram, de acordo com fontes palestinas. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) condenou esse ataque.

Na noite de domingo, um ataque israelense que tinha como objetivo eliminar um combatente do Hamas em Khan Yunis (sul do território) matou 25 membros da família Abu Jameh, no momento do "iftar", a refeição de quebra do jejum do Ramadã, de acordo com testemunhas e com a ONG israelense B’tselem.

– ‘Possíveis crimes de guerra’ –

A Anistia Internacional considerou que a manutenção dos bombardeios a residências civis e a destruição de um hospital "se somam a possíveis crimes de guerra que devem ser investigados com urgência" pela comunidade internacional, de forma independente.

Diante dos ataques cada vez mais intensos e da destruição de suas casas, mais de 100.000 habitantes de Gaza que não tinham para onde ir se refugiaram em dezenas de prédios da ONU, onde mulheres e crianças dormem no chão de corredores devido à falta de espaço.

Desde o início da ofensiva "Barreira Protetora", no dia 8 de julho, mais de 570 palestinos morreram e cerca de 3.300 ficaram feridos, de acordo com fontes dos serviços de emergência palestinos.

– 25 soldados israelenses mortos –

Do lado israelense, 25 soldados morreram desde o início das operações terrestres, no dia 17 deste mês. Esse é o registro mais pesado para o Exército desde a guerra de 2006 contra o Hezbollah libanês. Dois civis morreram atingidos por foguetes.

Enquanto isso, as tentativas diplomáticas de alcançar uma trégua se intensificaram, mediadas pelo Egito.

O secretário de Estado americano, John Kerry, chegou na noite desta segunda ao Cairo para discutir um cessar-fogo em Gaza, mas seus assessores alertaram que as negociações pelo fim da crise serão longas.

Kerry se reuniu com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que também está na capital egípcia para tentar uma trégua.

O chanceler americano prometeu 47 milhões de dólares em ajuda humanitária aos civis da Faixa de Gaza, maiores vítimas do conflito no enclave densamente povoado e sob bloqueio israelense desde 2006.

"A violência tem que parar, ela tem que parar imediatamente. O que vimos nos últimos dias é inaceitável", insistiu Ban Ki-moon no Cairo. Ele deve chegar a Israel na terça-feira.

O chefe da Liga Árabe, Nabil al-Arabi, pediu na noite de segunda para terça-feira que o Hamas aceite a proposta egípcia de cessar-fogo para acabar com os confrontos.

O Cairo propôs recentemente uma iniciativa por um cessar-fogo, apoiada pela Liga Árabe, aceita por Israel, mas rejeitada pelo Hamas.

– ‘Proteger os civis’ –

O movimento radical palestino, por meio de seu líder Ismail Haniyeh, mantém sua posição de condicionar um cessar-fogo "ao fim da agressão, à libertação de prisioneiros e à retirada total do bloqueio israelense" de Gaza.

  • 1
  • 2
Tags:
GuerraMundoTerra Santa
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Bebê anjo
Reportagem local
“Tchau, papai”: as últimas palavras que Maurício ouvi...
2
ARGENTINA
Esteban Pittaro
Polícia interrompe missa de Primeira Comunhão ao ar livre
3
ELDERLY,WOMAN,ALONE
Aleteia Brasil
O pe. Zezinho e a mãe que espera há 30 anos, sem sucesso, pelo pe...
4
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
5
Reportagem local
Triste, surpreendente, inspirador: o drama e o recomeço da menina...
6
Sangue de São Januário ou San Gennaro
Francisco Vêneto
Milagre do sangue de São Januário volta a ocorrer em Nápoles
7
OPERA SINGER
Cerith Gardiner
Cantora de ópera faz apresentação incomum e homenageia Maria e as...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia