Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 31 Janeiro |
Santa Batilde
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Nova Guerra Fria? Uma entrevista com o filho de Nikita Kruschev

WEB Interview with Sergei KHRUSHCHEV AP Photo M Spencer Green – pt

AP Photo/M Spencer Green

William Van Ornum - Aleteia Vaticano - publicado em 22/07/14

Sergei Kruschev conversa sobre a Crimeia, o avião da Malaysia Airlines e as possibilidades de agravamento ou solução do conflito

“É uma situação muito perigosa”, afirmou Sergei Kruschev, refletindo sobre o que vem acontecendo na Ucrânia. “O Ocidente controla o governo de Kiev, e a Rússia controla os rebeldes do leste da Ucrânia. É muito difícil controlar isso, porque eles são todos ucranianos e estão lutando uns contra os outros”.

As palavras de Sergei Kruschev são importantes por várias razões.

Talvez ele seja o último sobrevivente do grupo participante da Crise dos Mísseis de Cuba, em 1962: ele viu em primeira mão os líderes russos e americanos resolverem aquele problema mortal. Como jovem engenheiro de mísseis e confidente do pai, Sergei estava no centro de controle russo quando o presidente Kennedy e Nikita Kruschev encontraram um jeito de resolver a crise que chegou perto de desatar uma guerra de proporções inimagináveis.

Depois que a União Soviética se desmanchou, Sergei Kruschev se tornou cidadão norte-americano e, com doutorado em História, foi trabalhar como professor na Universidade de Brown. Escreveu livros altamente elogiados, como “Nikita Kruschev e a criação de uma superpotência”. É autor, também, de vários volumes de memórias do pai. Os escritos do próprio Nikita que serviram de base para as memórias escritas pelo filho foram contrabandeados da Rússia logo depois que Kruschev deixou o poder.

Em uma entrevista concedida a mim neste domingo, eu perguntei a Sergei Kruschev se existe alguma forma de as partes em conflito na Ucrânia ou na Crimeia chegarem neste momento a algum tipo de acordo (recordemos que Nikita Kruschev retirou os mísseis de Cuba graças à pouco divulgada promessa que o presidente Kennedy havia feito de retirar os mísseis norte-americanos da Turquia).

“Não. Com certeza, não”, respondeu Sergei Kruschev.

“A crise dos mísseis de Cuba envolvia um território que ficava longe da Rússia e dos Estados Unidos. Agora está envolvido o próprio território da Rússia. Você tem os americanos controlando Kiev e a Rússia controlando os rebeldes do leste da Ucrânia, mas é um controle muito limitado, porque eles são todos ucranianos e estão lutando uns contra os outros. Eles não vão fazer tudo o que você quiser que eles façam. Eles fazem o que eles querem. Eu acho que a Rússia e os Estados Unidos deveriam trabalhar juntos para tentar acalmar aquele país. Agora estamos trabalhando em lados opostos e isso é um sinal muito ruim”.

É uma guerra civil e tem havido guerras civis em todos os lugares, observou Sergei. “As guerras civis são muito destruidoras. Na Rússia houve uma guerra civil entre 1918 e 1921. Foi muito destruidora”.

Depois da queda do avião da Malaysia Airlines, houve uma breve calmaria no conflito: talvez um sinal construtivo de que o aniversário de 100 anos da Primeira Guerra Mundial esteja fazendo todos refletirem em vez de agirem precipitadamente. Ainda assim, Kruschev acredita que a derrubada do avião malaio não seja um divisor de águas no conflito, porque os dois lados estão tentando usar o caso em seu próprio favor.

“Não sabemos se os rebeldes têm esses mísseis. Então, não podemos dizer quem foi que fez aquilo”, afirmou.

Quando perguntado sobre a personalidade do atual e do anterior presidente dos EUA, Sergei Kruschev respondeu:

“Eu acho que precisamos [eleger] o presidente certo, porque o último, George W. Bush, nos trouxe os problemas da guerra. Agora Obama traz outros tipos de problemas. Precisamos de alguém que pense: ‘Quais são os interesses dos Estados Unidos? O que é que nós temos que fazer?’. E não querer punir Putin ou os líderes de quaisquer outros países. O que nós temos que fazer é pensar na prosperidade dos Estados Unidos. Este é o nosso problema, porque a maioria dos nossos presidentes pensam em como punir outros líderes em vez de gerar prosperidade para o nosso povo”.

Sergei Kruschev acredita na dinâmica entre os líderes europeus, particularmente entre os da Alemanha e da Grã-Bretanha, a quem vê como mais pragmáticos quanto aos interesses dos próprios países. Eles estão tentando não ser muito pró-Rússia nem muito pró-EUA, considera Kruschev. Eles são pró-Europa e estão tentando se comportar da maneira que acham melhor para os seus países.

Kruschev afirma que o interesse da Rússia na Crimeia não se baseia nas possíveis reservas de petróleo nem no fato de haver ali um porto militar. A Crimeia é vista como um lugar ligado ao orgulho russo.

Há uma história de 2.500 anos envolvendo a Crimeia e a Ucrânia. “Não é simples”, diz Kruschev. “É bem complicado, tão complicado quanto qualquer outro lugar do mundo. Se você entende isso, você vence. Se você entende o que aconteceu no passado. Eu acho que os americanos não entendem a situação da Europa, especialmente a da Europa do Leste. Eles tentam enxergar tudo de um jeito simples, mas é muito complicado”.

Apesar dessa complexidade, Sergei Kruschev interpreta o que está acontecendo na Crimeia desta forma: “A Crimeia é território russo. As pessoas votaram [no plebiscito] para fazer parte da Rússia. E fim da história”.

Enquanto conversávamos, eu descobri que os nossos pais tinham histórias e interesses semelhantes (eu tive o privilégio de conversar com Sergei Kruschev sobre o seu pai para a revista America). Os dois eram fascinados pela agricultura e pela ciência que existe por trás dela. Os dois queriam ser engenheiros profissionais, mas não puderam realizar esse desejo por causa das circunstâncias em que cresceram: no caso de Nikita Kruschev, a pobreza; no do meu pai, o orfanato.

O que torna a “relação” entre os nossos pais estranhamente cativante é que o meu pai se sentava na frente da televisão e “falava” com Kruschev quando ele aparecia na tela, fazendo ameaças e dizendo coisas como “Os seus filhos vão crescer sob o comunismo!”.

É uma pena que eles nunca tenham conhecido um ao outro. Eu acho que eles poderiam ter sido amigos. Para mim, é uma grande bênção, hoje, desfrutar das conversas com o Dr. Sergei Kruschev, filho de Nikita.

Tags:
ConflitosEuropaGuerraMundo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia