Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 26 Novembro |
São Silvestre Guzzolini
home iconAtualidade
line break icon

Israelenses apoiam ofensiva de seu exército em Gaza

<p>Ativistas de extrema-direita realizam manifestação em apoio a operação israelense em Gaza, do lado de fora da sede do exército, em Tel Aviv, em 29 de julho de 2014.</p>

Agências de Notícias - publicado em 30/07/14

Em Israel a atmosfera de luto é acompanhada por uma enérgica mobilização patriótica para apoiar os soldados e reservistas

Israel, que com meia centena de soldados mortos na ofensiva em Gaza sofre suas piores perdas desde 2006, conta com o apoio da população para prosseguir com a operação, apesar dos apelos internacionais por uma trégua.

"Apertamos os dentes e lutamos!", proclamava na terça-feira a primeira página do jornal gratuito pró-governamental Israel Hayom, com os retratos de cinco jovens soldados mortos na véspera em combate.

Com 53 militares mortos desde o início da incursão terrestre em Gaza, no dia 17 de julho, Tsahal (acrônimo de exército em hebraico) sofre suas maiores perdas desde o conflito de 2006 entre Israel e o Hezbollah libanês.

Familiares e amigos, assim como milhares de anônimos, participam diariamente em todo o país dos funerais dos soldados, alguns transmitidos ao vivo pela televisão.

Este conflito também é uma guerra de imagem e as Brigadas Ezzedim al-Qasam, o braço armado do movimento islamita Hamas, publicaram na terça-feira um vídeo mostrando um ataque através de um túnel na segunda-feira contra uma torre de vigilância do exército no sul de Israel, que deixou cinco israelenses mortos:

Mas em Israel a atmosfera de luto é acompanhada por uma enérgica mobilização patriótica para apoiar os soldados e reservistas mobilizados no front.

Multiplicam-se as iniciativas para cuidar das "crianças do país" (as tropas), como a entrega de comida e de roupas de substituição para o front ou show organizados por astros locais para os feridos.

"Temos que nos preparar para uma longa campanha até termos cumprido com nossa missão", afirmou o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu. "Não terminaremos esta operação sem ter neutralizado os túneis" que servem para o Hamas lançar operações atrás das linhas israelenses, insistiu.

Mudança de estratégia

No entanto, o objetivo declarado de conquistar uma desmilitarização de Gaza e de destruir o arsenal de foguetes e túneis de ataque do Hamas está longe de ser alcançado. Diariamente ocorrem infiltrações palestinas em Israel.

Diante da nova capacidade operacional do Hamas, a opinião pública israelense parece convencida da necessidade de seguir adiante com as operações militares.

Uma esmagadora maioria (86,5%) dos israelenses são contrários à trégua, segundo uma pesquisa publicada na terça-feira pelo jornal Maariv.

Os opositores à guerra conseguiram reunir milhares de pessoas no último sábado em uma manifestação, a maior desde o início da ofensiva, mas são muito minoritários.

"Acredito que nos próximos dias, se não observarmos uma solução política, o exército terá que mudar de estratégia e avançar ao interior da Faixa de Gaza para aumentar a pressão sobre o Hamas", afirma um ex-chefe dos serviços de inteligência militar, o general Israel Ziv.

Mas avançar até onde? A que preço?, se pergunta o articulista do jornal Yediot Aharonot, Nahum Barnéa. Segundo ele, Israel entrou em uma guerra que não queria e agora se deixa atrair "a cada dia um pouco mais em direção aos combates de Gaza".

O exército israelense afirmou ter matado mais de 300 combatentes do Hamas e atacado 3.900 instalações terroristas desde o início do conflito. Mas nenhum chefe importante das Brigadas Ezzdim al-Qassam, que reivindica ter 20.000 combatentes, parece ter sido eliminado.

O grande medo dos comentaristas israelenses é a perspectiva de um confronto sangrento por nada.

Para Ben Caspit, articulista do Maariv, o golpe contra o Hamas não é suficiente e as dilações do governo de Netanyahu diante da comunidade internacional, que pressiona para um cessar-fogo duradouro, estão se "convertendo em uma brincadeira".

Nos últimos dias, vários anúncios de trégua não permitiram colocar fim às hostilidades que já deixaram ao menos 1.296 mortos e 7.200 feridos palestinos em Gaza desde 8 de julho.

(AFP)

Tags:
Mundo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Confissão não é para contar problemas, mas para contar pecados
Pe. Gabriel Vila Verde
Confissão não é para contar problemas, mas pa...
RED WEDNESDAY
Reportagem local
Perseguição aos cristãos no mundo é denunciad...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia