Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 20 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

O Papa da Paz: ele quase conseguiu encerrar a Primeira Guerra Mundial e evitar a Segunda

Pope Benedictus XV Library of Congress Public Domain – pt

Library of Congress/Public Domain

Philip Jenkins - publicado em 30/07/14

A nova ordem mundial proposta por Bento XV (1854-1922)

Cem anos atrás, em 1914, milhões de cristãos europeus saudaram a chegada da guerra com um grau de aceitação, ou mesmo de regozijo, que, olhando-se hoje em retrospectiva, parece muito difícil de acreditar.

Para os alemães, especialmente, aquele foi um momento de transfiguração, um novo Pentecostes. Outros países viram na guerra um cumprimento de profecia, um sinal apocalíptico. Se pesquisarmos em todas as Igrejas do mundo, será difícil encontrar líderes que tenham falado com a firmeza que gostaríamos de ver num estadista cristão em meio a essas circunstâncias terríveis. Com algum alívio, no entanto, podemos nos voltar a um homem que falou como um profeta e que, além disso, propôs uma perspectiva genuinamente realista para a paz.

Sob o papado de Bento XV (1854-1922), o Vaticano se tornou um centro de eficaz ativismo cristão em prol da paz. Bento XV assumiu o pontificado em 3 de setembro de 1914, um momento de pesadelo na história europeia (a morte do seu predecessor, Pio X, tinha sido acelerada pelas tensões e pelos medos impulsionados pelo início da guerra). Os exércitos alemães avançavam sobre Paris e a titânica batalha do Marne ainda pairava no ar. Já no final daquele ano, dois milhões de soldados estariam mortos: cristãos assassinados por outros cristãos.

O que esperaríamos que um papa fizesse nessas circunstâncias?

A primeira atitude, é claro, foi denunciar o massacre e pedir o fim da violência. Bento XV o fez repetidamente. Uma semana após a sua ascensão ao trono de Pedro, ele condenou "o espetáculo terrível desta guerra que encheu o coração de horror e de amargura, à visão de todas as partes da Europa devastadas por fogo e aço, avermelhadas pelo sangue dos cristãos". 

Em novembro de 1914, ele protestou com firmeza: "Não há limite para a medida da ruína e do abate; dia após dia, a terra se encharca de sangue recém-derramado e se cobre dos corpos de mortos e feridos. Quem poderia imaginar, ao vê-los cheios de ódio um do outro, que todos eles são da mesma natureza, que todos são membros da mesma sociedade humana? Quem reconheceria neles irmãos cujo Pai está no céu?".

Em 1916, em frase que se tornou célebre, o Papa da Paz lamentou "o suicídio da Europa civilizada".

Bento XV também ofereceu planos estritamente práticos para limitar o conflito. Em 1914, ele pediu pelo menos um cessar-fogo temporário de Natal para que o estrondo dos canhões não ressoasse na noite em que os anjos tinham cantado. Mas a sua maior contribuição veio em agosto de 1917, num momento em que todos os poderes combatentes enfrentavam exaustão e desmoralização; um tempo de fome e de inquietação profunda em todo o continente. Naquele momento catastrófico, ele ofereceu uma proposta de paz que, quando consideramos o real desenvolvimento dos fatos, soa quase como uma alternativa utópica.

Falando de uma posição de total imparcialidade, Bento XV pediu uma paz sem vencedores nem perdedores. Países rivais deixariam de lutar e devolveriam todos os territórios que tinham conquistado, confiando os litígios à arbitragem internacional. O ponto fundamental, no entanto, era que a força material das armas fosse substituída pela força moral do direito; um acordo justo, aceito por todos, reduziria os armamentos de forma simultânea e recíproca, de acordo com regras e garantias a serem estabelecidas da maneira necessária e suficiente para a manutenção da ordem pública em cada país; a seguir, em vez dos exércitos, atuaria a instituição da arbitragem, com a sua elevada função de pacificação, de acordo com as normas a ser estabelecidas e com as sanções a ser decididas contra o país que se recusasse a submeter questões internacionais à arbitragem ou a aceitar as suas decisões.






Uma vez desarmadas, as nações europeias usariam o dinheiro economizado para a reconstrução social.

A nova ordem mundial de Bento XV reconheceria a liberdade dos mares e os direitos das nações menores. O mesmo espírito de equidade e justiça deveria nortear a análise de outras questões territoriais e políticas, nomeadamente as relacionadas com a Armênia, com os países dos Bálcãs e com os territórios do antigo Reino da Polônia, cujas tradições históricas nobres e sofrimentos padecidos, particularmente durante a guerra em andamento, deveriam atrair a simpatia das nações.

Bento XV ainda favoreceu o fim do recrutamento militar obrigatório, o que, no contexto europeu da época, teria constituído uma revolução social.

Embora a proposta de Bento XV tenha fracassado em seus objetivos, as potências beligerantes a trataram como uma base séria para a negociação. Sob o novo imperador Carlos, a Áustria-Hungria inclinou-se brevemente à aceitação. O problema era que, mesmo depois de tantas perdas desastrosas, cada país acreditava que ainda poderia garantir a vitória final, ver o colapso do rival e sobreviver como o último exército em pé.

Além disso, anos de propaganda ideológica tinham instigado cada país a acreditar que os seus inimigos eram tão diabólicos que acordo nenhum seria possível. Em seu implacável poema "A Guerra Santa", Rudyard Kipling denunciava a crédula idiotice "do papa, dos neutros", que não conseguiam reconhecer o caráter apocalíptico da luta. No fim das contas, os governos rejeitaram a paz e o mundo teve que suportar mais um ano de massacre.

Em retrospectiva, porém, as ideias de Bento XV impressionam pela viabilidade. Se os seus princípios soam hoje familiares, é porque foram substancialmente incorporados aos Quatorze Pontos de Woodrow Wilson no ano seguinte, estabelecendo-se as condições em que os alemães derrotados finalmente aceitavam o armistício. Elaborado nas linhas previstas por Bento XV, seu esquema de 1917 poderia muito bem ter evitado os desastres do mundo pós-1918 e até mesmo a Segunda Guerra Mundial.

Em 2005, quando Joseph Ratzinger foi eleito papa, ele retomou o nome daquele grande predecessor que tinha tentado trazer a paz a uma Europa profundamente dividida. Ele prestava assim o devido tributo a um dos melhores papas dos tempos modernos. É um nome de excelência a ser recordado e valorizado nestes dias difíceis do centenário da Primeira Guerra Mundial.

Tags:
ConflitosGuerraHistória
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia