Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 01 Março |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

As 12 regras de Santo Afonso para a conduta ética do bom advogado

A lawyer in courtroom – pt

© Public Domain

A12 - publicado em 01/08/14

A lista de condutas éticas pode ser aplicada até hoje e também serve de reflexão para outras profissões

Afonso de Ligório, aos 20 anos de idade, estava no auge de sua carreira como advogado, não tendo perdido uma única causa em Nápoles, Itália, no início do século XVIII. Era muito procurado por dedicar-se à ciência jurídica com desinteresse e ganhava todas as causas porque só defendia aquelas que julgava justas. Preocupado com a malícia e a mentira que rondavam seus colegas de profissão, antes de desistir da carreira e ser ordenado sacerdote, Santo Afonso escreveu uma lista de condutas éticas que podem ser aplicadas até hoje. Confira:

1 – Não é lícito jamais aceitar causas injustas, porque são perniciosas para a consciência e o decoro.

2 – Não se deve defender causa com meios ilícitos.

3 – Não se deve agravar o cliente com despesas demasiadas, havendo então obrigação de restituir.

4 – As causas dos clientes devem ser tratadas com aquela dedicação com a qual se tratam as causas próprias.

5 – É necessário o estudo dos processos para dele se tirarem os argumentos precisos para a defesa da causa.

6 – Muitas vezes, a dilação e a incúria dos advogados prejudicam os clientes e os prejuízos devem ser reparados; do contrário, peca-se contra a justiça.

7 – O advogado deve implorar a Deus auxílio da defesa, porque Deus é o primeiro protetor da justiça.

8 – Não é digno de elogio um advogado que aceita muitas causas, superiores aos seus talentos, às suas forças e ao tempo que frequentemente lhe faltará a fim de preparar-se para a defesa.

9 – A justiça e honestidade nunca devem separar-se dum advogado; pelo contrário, devem sempre guardar-se como se guardam a pupilas dos olhos.

10 – Um advogado que perde uma causa por sua negligência, fica obrigado a reparar os danos.

11 – No defender as causas é preciso ser verdadeiro, sincero, respeitoso e razoável.

12 – Finalmente, os requisitos dum advogado são: ciência, diligência, verdade, fidelidade, justiça.

Fonte:Michelotto, João Batista. C.Ss. R. Peripécias de um Santo. 3ª ed. Editora Santuário. 1980.

(A12)

Tags:
Santos
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia