Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 19 Outubro |
Santos Mártires Canadenses
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Médico é demitido por se recusar a fazer aborto

John Burger - publicado em 04/08/14

Uma luta pela vida e pelo próprio direito de trabalhar

Existe apenas uma razão que poderia justificar o aborto. E nesse caso, aliás, não seria aborto.

Seria uma consequência indesejada do princípio de "duplo efeito", quando a vida de uma mulher grávida está em grave perigo devido a doença ou emergência, e os médicos precisam realizar um procedimento que, a fim de salvar a vida da mãe, coloca em risco a vida do feto. O procedimento é realizado e, infelizmente, a criança morre em decorrência desse risco. A intenção era salvar a vida da mãe, não matar a criança. Mas o procedimento necessário tinha o "duplo efeito" de salvar uma e não conseguir salvar a outra.

Em nenhum outro caso existe justificativa moral para que um médico realize um aborto, não importando o quanto a situação possa parecer terrível. O médico tem o direito de se recusar a interromper a gravidez em qualquer caso e, para evitar cumplicidade, pode se recusar até a encaminhar a mulher a outro médico ou hospital que realize o procedimento.

Na Polônia, o Dr. Bogdan Chazan está pagando o preço de ter exercido o seu direito.

Chazan, diretor do Hospital Sagrada Família, de Varsóvia, foi demitido depois que se recusou a realizar um aborto. Em abril, uma mulher grávida o procurou porque outro médico tinha diagnosticado graves problemas de saúde no feto. Chazan afirmou que não podia permitir o aborto no Sagrada Família por causa de um "conflito de consciência" e deu a ela o endereço de um hospital onde a criança poderia receber cuidados paliativos depois do nascimento.

Em outras palavras, o médico tratou o paciente ainda não nascido como um ser humano que tem os mesmos direitos de qualquer outro ser humano, começando pelo de nascer e ser bem cuidado. A vida do pequeno pode ser curta e difícil, mas, na visão de Chazan, é para isso que as outras pessoas estão aqui: para cuidar de todos com amor.

"O bebê nasceu em outro hospital com severas deformidades faciais e na cabeça, além de deficiências graves no cérebro. Essas condições, segundo o médico responsável, resultariam na morte da criança dentro de um mês ou dois", relatou a agência Reuters.

Chazan, na opinião de pelo menos duas pessoas na Polônia, teria imposto a sua vontade e a sua fé a uma mulher e criado uma situação que obrigava um bebê inocente a sofrer desnecessariamente. Essas duas pessoas são a prefeita de Varsóvia, que demitiu Chazan do hospital, e o primeiro-ministro polonês, Donad Tusk, que emitiu um comunicado dizendo: "Independentemente do que a sua consciência lhe diz, [o médico] deve cumprir a lei".

Hanna Gronkiewicz-Waltz, prefeita da capital polonesa, disse que demitiu Chazan do hospital "porque ele não tinha o direito de recusar o aborto e não informou a mulher sobre as opções que ela tinha". O inquérito pedido pelo gabinete da prefeita afirma que Chazan não informou à paciente que o aborto passaria a ser ilegal após a 24ª semana de gravidez e solicitou exames desnecessários que a fizeram perder esse prazo final. Além disso, ele teria desrespeitado a lei polonesa que exige que os médicos ajudem o paciente a encontrar alternativas para resolver a própria situação.

Mas Chazan está recebendo apoio de um número relevante de indivíduos e organizações, como o cardeal Kazimierz Nycz, arcebispo de Varsóvia, que disse em comunicado que a demissão do médico é um "precedente perigoso, que viola os direitos não só dos católicos, mas de todos os povos".

Chazan não nega que se recusou a realizar um aborto, mas contesta os resultados do inquérito, explica a Reuters. Seu advogado confirma que o médico pode apelar contra a demissão.

"A decisão de hoje é o início de um ataque contra a consciência dos médicos e das pessoas que exercem cargos de gestão em serviços de saúde. É uma violação das consciências", declarou Chazan à razem.tv, um portal de notícias conservador. "O respeito pelas leis da natureza e, em primeiro lugar, pela lei que proíbe matar uma pessoa, provavelmente vai se tornar motivo para eliminar essas pessoas das posições de gestão".

  • 1
  • 2
Tags:
Abortomedicina
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
2
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
3
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
4
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
5
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
6
Reportagem local
O grande crucifixo submerso que só pode ser visto quando o lago c...
7
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia