Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 20 Outubro |
São Cornélio
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

A devota coisificação das crianças

J. Wills

Big families are fun

Cari Donaldson - publicado em 06/08/14

Os pais de famílias numerosas têm que tomar cuidado com essa tentação diabólica

Na semana passada, eu tive a alegria de participar de uma surpreendente conferência de mulheres católicas nos Estados Unidos. O evento em si já foi um bálsamo para os nervos desta mãe exausta, mas, além disso, durante o encontro, o Espírito Santo me ofereceu um lampejo incrível sobre a cruz invisível que as pessoas com problemas de fertilidade são chamadas a carregar.

Eu escrevi sobre isso no meu blog e, quando terminei, meio que fechei os olhos e fiz uma prece ao clicar em "Publicar". Afinal, quanta presunção tem que ter uma mãe de seis filhos para falar sobre a experiência de casais que enfrentam a cruz da infertilidade ou da subfertilidade? Resposta: muita.

No entanto, a manifestação que se seguiu a esse post foi algo que eu nunca tinha esperado nem visto na vida. Mulheres que antes se sentiam invisíveis nos círculos católicos compartilharam comigo, de modo comovente, a sua dor: a dor de viver uma vida de contracultura, ou seja, defendendo radicalmente a abertura à vida, mas, ao mesmo tempo, não conseguindo ter a família numerosa que seria a manifestação visível dessa contracultura.

Aquelas mulheres compartilharam comigo a angústia de, por um lado, serem elogiadas pela cultura laica por causa da sua "responsabilidade" quanto ao tamanho da própria família, e, por outro lado, de ouvirem comentários impensados de outros fiéis católicos, ​​ou, pior ainda, comentários em que esses católicos parecem questionar a sinceridade do casal em trilhar o caminho da "abertura à vida".

Seguiram-se histórias generosas, uma após a outra, e, de repente, em meio à dor que praticamente irradiava da minha tela, eu ouvi uma única palavra sussurrando no meu coração.

Coisificação.

Fiquei paralisada. Coisificação? Nós? Mas nós somos os mocinhos dessa história! É o mundo laico, a cultura da morte, a mentalidade contraceptiva que coisifica as crianças! São eles, não nós! São eles que veem as crianças como algo que pode e deve se adaptar aos nossos horários, às nossas contas bancárias e aos nossos planos quinquenais. São eles que veem as crianças como mercadoria a ser criada e destruída à vontade, compradas e vendidas em clínicas de fertilização in vitro e negociadas em acordos de sub-rogação como se fossem gado. São eles. Não somos nós! Nós não coisificamos as crianças!

Mas então… Então eu realmente prestei atenção ao que o Espírito Santo estava tentando me dizer. E eu tive que admitir que, às vezes, olhando em volta, na minha própria paróquia, me vinha o pensamento de que nós éramos a maior família que havia e que, por isso, nós tínhamos que ser a única família realmente fiel a todos os ensinamentos da Igreja, inclusive os mais exigentes. Eu tive que admitir que, às vezes, eu podia ser culpada de transformar as crianças em sinais de devoção, de enxergá-las como objetos da fidelidade dos pais a Cristo.

Perdão, irmãos e irmãs!

Eu pensei então na linguagem que os católicos praticantes usam para falar sobre o tamanho da própria família. Nós dizemos coisas como: "Eu só tenho três" ou "Nós temos só dois por enquanto". Essa não é também uma linguagem de coisificação? Não é uma linguagem que retira o caráter único de cada criança e transforma o conjunto delas numa espécie de folha de registro? É a mesma linguagem de comentários como "Bem, é um bom começo, vocês ainda são jovens!" ou "Tudo bem, vocês podem contar sempre com a alternativa da adoção!".

São palavras e noções que jogam o jogo do inimigo. De quem o diabo teria mais medo, nesta cultura cada vez mais laica, do que das pessoas que se rebelam contra a cultura da morte e contra a esterilidade de uma mentalidade contraceptiva?

  • 1
  • 2
  • 3
Tags:
EducaçãoFilhosVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
4
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
5
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
6
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
7
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia