Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 04 Agosto |
São João Maria Vianney
home iconReligião
line break icon

Papa Francisco, jesuíta, e sua antiga paixão pela Ásia

AP Foto/Alessandra Tarantino

Terre D'America - publicado em 11/08/14

Desde jovem sacerdote sonhava em ser missionário no extremo Oriente: agora vai como Papa

Por Lucio Brunelli, diretor da TV2000

Se não fosse por aquele pulmão adoecido, o padre Jorge Mario Bergoglio não seria Papa, mas missionário na Ásia. Não foi apenas o chamada ao sacerdócio, mas antes seu primeiro desejo era de ir em missão para o Japão. Foi aquela infecção no pulmão que se colocou entre o jovem Bergoglio e a grande nação do Sol Nascente. Mesmo restabelecido, seus superiores não acharam adequado enviá-lo em missão, e Bergoglio apenas obedeceu. Mal podia imaginar, naquele tempo, que um dia, como Papa, poderia dar uma nova forma ao sonho de sua juventude.

O fascínio pelo Extremo Oriente se encontra no DNA dos jesuítas. Desde São Francisco Xavier, até Matteo Ricci, os primeiros discípulos da Companhia de Jesus foram logo lidar com aquela que muitos consideravam uma missão impossível: levar a novidade do cristianismo a uma civilização antiga que aparentava ser contrária a qualquer tipo de influência externa. A paixão por uma “periferia” geográfica e cultural que os jesuítas intuíam ser destinada a contar sempre mais no mundo inteiro. Povos que os olhavam com o mesmo olhar que São Paulo enfrentou em suas viagens aventureiras, fazendo-se “grego com os gregos, judeu com os judeus”, para conquistar novas almas para Cristo.

Conheça um pouco da missão de Matteo Ricci:

Os discípulos de Santo Inácio conseguiram chegar aonde outras ordens religiosas nunca tinham ousado, até o coração da cidade proibida, em Pequim. Aproveitando tudo, até mesmo o estudo da astronomia que fascinava o imperador chinês. Foram admirados e odiados, dezenas morreram mártires. Às vezes precisaram lutar também contra a rigidez da cúria romana. Aos novos convertidos não impunham como condições para abraçar a cristã a renúncia à prática do culto dos antepassados. Inicialmente, em 1656, o Santo Ofício deu razão aos jesuítas. Depois estabeleceram uma posição mais dura, e as sábias tentativas de “inculturação” promovidas pela Companhia de Jesus foram repudiada; a prática dos ritos chineses foi considerada “superstição” incompatível com a Doutrina Católica. As consequências sobre a ação missionária foram devastadoras. Somente três séculos depois, em 1939, por vontade de Pio XII, um decreto da Propaganda Fide reabilitou a aproximação dos jesuítas.

De fato, a Ásia permaneceu, entre os cinco continentes, o mais impermeável ao cristianismo. Mesmo assim os católicos, embora em crescimento com percentuais superiores à média europeia, não superam os 3% da inteira população asiática. População imensa: neste lado do mundo vivem 50% dos habitantes de todo o planeta.  

Se o jovem padre Bergoglio não pôde ir em missão por causa de um pulmão, foram também motivos de saúde que impediram Bento XVI de colocar os pés na Ásia, durante o seu pontificado. Vinte e quatro viagens apostólicas ao exterior, nas quais quatro intercontinentais (incluindo a Austrália, durante a JMJ), mas nenhuma vez na Ásia. Quando os seus colaboradores iniciaram a projetar uma visita, os problemas de pressão e de fuso desaconselharam uma viagem assim longa em um avião.

Agora é a vez de Francisco, ele fará a rota para o Oriente, permanecendo na Coreia do Sul, de 13 a 18 de agosto. Depois em janeiro de 2015, para o Sri Lanka e as Filipinas. Uma prioridade do seu pontificado: a Ásia. Algo distante, mas ainda no coração e na mente do Papa jesuíta é a grande China. Um pouco da Coreia Bergoglio conheceu em Buenos Aires. No início de fevereiro nomeou Han Lim Moon, sacerdote coreano que estava há 20 anos na Argentina, bispo auxiliar na pobre região de San Martin, onde trabalha o Padre Pepe, pároco na favela de Carcova, um dos sacerdotes prediletos do

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
Tags:
Bento XVICristianismoPapa FranciscoReligiososSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
5
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia