Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 14 Maio |
Bem-aventurado Egídio de Santarém
home iconEstilo de vida
line break icon

Casamento entre pessoas de nacionalidades diferentes: funciona?

© Ed Yourdon / Flickr CC

https://www.flickr.com/photos/yourdon/3831905626

Aleteia Vaticano - publicado em 13/08/14

É uma união enriquecedora, mas exige que as fronteiras da mente e do coração estejam suficientemente abertas para aceitar e compartilhar diferenças

Estamos em um mundo global, no qual as fronteiras se cruzam facilmente e, por razões de migração ou trabalho, pessoas de todas as nacionalidades se encontram e podem acabar formando um casal.

Esta situação permite entrar em contato com tradições, costumes e até valores desconhecidos que podem enriquecer a vida do casal ou, pelo contrário, perturbá-la.

Para que este fator não seja causa de conflito, é importante levar em consideração os seguintes aspectos:

Depois da família, o amor à própria terra ocupa um lugar muito importante no afeto de uma pessoa. Portanto, casar-se com alguém de outro país significa estar disposto a compartilhar com essa pessoa o amor pela sua pátria e evitar qualquer comentário que possa ofender seu orgulho nacional.

As tradições e costumes de um país são parte essencial da identidade cultural de uma pessoa. Por sua vez, a cultura é a forma como uma pessoa expressa sua alegria, sua fé, sua tristeza e sua honra, ou seja, como manifesta sua interioridade.

Não poder se expressar com os próprios sinais culturais é como negar a palavra a uma pessoa. Por isso, é importante conhecer muito bem esses costumes e tradições antes de casar-se, para estar seguros de que podemos compartilhá-los – ou pelo menos de que poderemos chegar a acordos na maioria deles.

Pensemos, por exemplo, nas diversas formas de celebrar festas: em alguns países, as pessoas dançam, enquanto, em outros, elas festejam comendo ou cantando em cerimônias públicas.

Estabelecer acordos sobre o estilo de vida que o casal adotará e o lugar que dará às tradições e formas de ver a vida é particularmente importante quando pessoas do Ocidente (por exemplo, América e Europa) contraem matrimônio com pessoas do Oriente (por exemplo: Irã, Índia, China, Japão) ou da África, onde há muitos costumes, familiares e sociais, diferentes dos da cultura ocidental. Por exemplo, no vestuário exigido à mulher, no papel social atribuído à mulher e ao homem dentro do casamento.

Pode dar-se o caso de que os acordos em um casal não sejam necessariamente aceitos ou do gosto das respectivas famílias. Por isso, o casal precisa ser muito forte na defesa do seu direito de escolher e viver os acordos culturais que estabeleceu, como um núcleo familiar independente.

Quando os filhos nascem e cada pai quer compartilhar suas tradições com eles é quando se nota mais a importância que os costumes e valores culturais têm na família.

Antes de casar-se, o casal precisa, por isso, decidir que tradições ou costumes dos respectivos países quer e concorda em transmitir aos filhos.

O casal também precisa decidir em que país vai morar, e discutir se, em determinado, ambos poderiam escolher viver no país do outro cônjuge.

Se decidirem morar em um país diferente do das nações de origem dos dois, então é preciso chegar ao acordo de que, na medida do possível, visitarão tanto um país como o outro.

Compartilhar a mesma religião facilita muito as coisas, pois significa que os cônjuges compartilharão valores e ritos importantes em suas vidas. Isso ajudará igualmente na hora de formar os filhos e viver as práticas de fé em comum.

Contudo, há cônjuges que professam credos diferentes e que conseguem viver níveis de diálogo e respeito admiráveis. Isso sempre e quando ficar claro que formarão os filhos na fé católica, se for o caso, como se promete no rito matrimonial.

Falar diferentes idiomas pode ser uma vantagem e desvantagem. Pode causar dificuldades na comunicação quando um dos cônjuges precisa aprender o idioma do outro. Mas pode ser uma grande vantagem, pois, ao usar uma língua estrangeira, costumamos interpretar as palavras em seu sentido mais literal, sem atribuir-lhe toda a carga emocional que às vezes problematiza a comunicação entre o 

  • 1
  • 2
Tags:
Casamento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
2
Philip Kosloski
5 revelações surpreendentes do “terceiro segredo” de ...
3
Nossa Senhora de Fátima pede rezar o terço
Padre Reginaldo Manzotti
As 3 principais atitudes que Nossa Senhora de Fátima nos pediu
4
Nossa Senhora de Akita
Reportagem local
O grave alerta de Nossa Senhora de Akita sobre o maligno infiltra...
5
ELDERLY,WOMAN,ALONE
Aleteia Brasil
O pe. Zezinho e a mãe que espera há 30 anos, sem sucesso, pelo pe...
6
FRANCISCO AND JACINTA MARTO
Tom Hoopes
As lições dos pastorinhos de Fátima aplicadas ao coronavírus
7
Reportagem local
3 fatos cientificamente inexplicáveis sobre a imagem de Guadalupe
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia