Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 13 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Como Jesus pôde suportar a violência e o desespero?

Jesus and the good thief (Jésus et le bon larron – Gesù e il buon ladrone) – pt

Asaf Braverman / Flickr CC

<h1 class="photo-title" id="title_div"><span style="font-size:12px;">Jesus Christ and the Good Thief En (Tiziano Vecellio e aiuti, 1563, Pinacoteca Nationale, Bologna)</span></h1>

Rafael Luciani - publicado em 14/08/14

Uma profunda relação com Deus e um autêntico serviço às vítimas deste mundo são o segredo

Por Rafael Luciani

Às vezes esquecemos que Jesus suportou situações de violência e desespero que pareciam não ter futuro. Sentiu o peso de uma realidade sócio-econômica quebrada e sofreu as consequências da violência religiosa e política (Mc 14,1). Porém, Ele nunca deixou de acreditar que poderia tornar esta Terra como o Céu (Mt 6,10), para desfrutar da qualidade de vida existente no “Reino de Deus” (Lc 11,2). Surpreenda-se, mas esta esperança simbólica veio de um relacionamento profundo com Deus e por um autêntico serviço aos pobres e a tantas pessoas cansadas de lutar nesta vida

Enquanto representantes políticos e religiosos, famílias, proprietários de terras e muitas pessoas de poder colocam somente cargas pesadas para levar sobre os ombros, este indivíduo de Nazaré nos convida a assumirmos como homens e mulheres de espírito, ou como pessoas que pretendem construir espaços para que outros possam estar presentes em seus pensamentos, orações, ações. É Ele que nos convida para que o cansaço, a angústia e a exaustão que consomem a nossa vontade e a nossa compreensão não sejam obstáculos para descobrir que aquele que está diante de nós é um irmão, um autêntico tesouro, um bem do Pai Eterno.

Somente deste modo surgirá aquele impulso vital que vai levantar os nossos vasos de barro (2 Cor 4,7), e permitirá vislumbrar um futuro onde iniciaremos a nos humanizar no encontro com o outro, partindo do serviço fraterno, recíproco, para que cada pessoa mereça os seus bens mais preciosos a favor da causa do outro. Aquilo que era um peso não pesará mais, porque não o levaremos sozinhos, mas sim no serviço e no sustento recíproco, de modo que pensemos, rezemos e busquemos soluções juntos, como irmãos, e não mais nos trataremos como inimigos, ou desconhecidos.

Fazer as coisas como fez Jesus não é uma coisa exclusiva dos cristãos. A sua opção de vida é patrimônio de todo e o seu estilo, é paradigma de humanidade porque nos faz conhecer um modo mais humano de ser, algo que não se alcança mediante o vazio absoluto do próprio ser, com a superação dos pensamentos negativos, ou distanciando-se de supostos pecadores. Não chegamos nem mesmo através da ilusória convicção de superar o imediato e não olhar aquilo que acontece ao nosso redor.

Uma vida que segue o exemplo de Jesus passa pelo assumir o presente histórico como uma realidade escatológica, ou capaz de construir relações transcendentes que nos afirmam e autodeterminam como sujeitos realmente humanos; passa pela recriação das nossas palavras e relações incluindo nisso aquilo que vivo, penso e sofro. Deste modo entendemos que a liberdade se encontra também naquele que está diante de mim, com suas dores e seus limites, com suas riquezas e potencialidades, com sua saúde e doenças, porque antes de tudo é meu irmão.

Tags:
irmaosJesusVidaViolência
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia