Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

A culpa de um suicida pode ser atenuada pela depressão?

© Public Domain
Compartilhar

Será que um ato extremo, ditado pela angústia ou por distúrbios psicológicos, pode mesmo ser julgado como pecaminoso?

O suicídio é um ato irracional, mas que tem atenuantes quando existem certas patologias.
 
A Igreja não justifica o suicídio, mas admite que Deus, por meio de caminhos que só Ele conhece, pode acolher o arrependimento da pessoa que decide tirar a própria vida.
 
O Pe. Maurizio Faggioni, professor de Teologia Moral e de Bioética na Accademia Alfonsiana de Roma, cita o Catecismo da Igreja Católica, na seção dedicada aos Dez mandamentos (2280-2283), para tratar de um tema que neste momento está presente na mídia do mundo inteiro, após a morte do ator norte-americano Robin Williams.
 
Ato imoral de autodestruição
 
O Catecismo diz: “Cada qual é responsável perante Deus pela vida que Ele lhe deu, Deus é o senhor soberano da vida; devemos recebê-la com reconhecimento e preservá-la para sua honra e salvação das nossas almas. Nós somos administradores e não proprietários da vida que Deus nos confiou; não podemos dispor dela” (n. 2280).
 
Um gesto contra si mesmo e contra o próximo
 
Portanto, explica o teólogo moral, “não existe um suicídio racional, porque cada um precisa respeitar a própria vida e a dos outros. É absurdo que uma pessoa moral se afirme matando-se, porque a vida moral está feita de crescimento, projeto. O homem deve afirmar-se dessa forma, não eliminando a vida”.
 
Precisamente o Catecismo afirma que o suicídio “é gravemente contrário ao justo amor de si mesmo. Ofende igualmente o amor do próximo, porque quebra injustamente os laços de solidariedade com as sociedades familiar, nacional e humana, em relação às quais temos obrigações a cumprir. O suicídio é contrário ao amor do Deus vivo” (n. 2281).
 
Patologias e atenuantes
 
Mas a Igreja Católica também leva em consideração um ponto de vista mais subjetivo. “Na base deste gesto, pode estar a depressão, angústia, distúrbios psíquicos, que atenuam a responsabilidade – esclarece o Pe. Maurizio. Estas condições não nos permitem acusar o suicida de ter realizado um ato pecaminoso.”
 
A misericórdia de Deus
 
Aqui encontramos os dois pontos de vista, objetivo e subjetivo: “Não se deve desesperar da salvação eterna daquelas pessoas que tiraram a própria vida. Por caminhos que só Deus conhece, Ele pode ter dado a estas pessoas a oportunidade de um arrependimento salvador. A Igreja ora pelas pessoas que atentaram contra sua vida”.
 
Por isso, conclui o professor de teologia, “não se proíbe a sepultura das pessoas suicidas. A misericórdia de Deus pode alcançar também essas pessoas, mas somente por meio desses caminhos citados no Catecismo, caminhos que só Deus conhece”.

Aleteia Top 10
  1. Lidos