Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Por favor, ajude-nos a manter este importante serviço. APOIE AGORA
Aleteia

De “rei do aborto” a líder pró-vida

© Jorosmtz
Compartilhar

A história do Dr. Bernard Nathanson

No dia 31 de julho de 1926 nasceu em New York (Estados Unidos), Bernard Nathanson, que como obstetra teria se tornado famoso nos anos 60 como “o rei do aborto”. Ele morreu na mesma cidade, em 21 de fevereiro de 2011. Após ter supervisionado ou diretamente praticado cerca de 75.000 abortos (o primeiro foi o que eliminou seu filho, depois que a namorada tinha engravidado), mudou radicalmente de posição e se tornou um líder pró-vida no seu país, e com projeção internacional.

Esta mudança de posição sobre um tema assim polêmico como a legalização do aborto foi de uma grande honestidade intelectual consigo mesmo, com seus colegas e com a sociedade em geral, sobretudo porque baseou na ciência médica as razões desta mudança. O que, porém, o lobby abortivo nunca perdoará, não é o fato que como médico envolvido em numerosíssimos abortos tenha mudado de comportamento, mas o fato de que após ter estado em uma atividade para a legalização do aborto no País, tenha dito a verdade sobre as campanhas que levaram, primeiramente nos Estados Unidos, e depois em nível mundial, o cumprimento desse passo legislativo.

Os enormes progressos científicos no campo da ginecologia e da obstetrícia permitiram ao ex-profissional convencido da legalidade do aborto, de maneira gradual, mas inexorável, a descobrir um mundo novo. O próprio Nathanson expressou, desta maneira, no seu livro “A mão de Deus”: “foram os ultrassons que abriam pela primeira vez uma janela para o útero. Começamos também a observar o coração do feto no monitor eletrônico. Pela primeira vez comecei a pensar naquilo que estávamos fazendo na clínica [a clínica abortiva que dirigia]. Os ultrassons nos introduziram em um mundo novo. Pela primeira vez podíamos ver verdadeiramente o feto humano, medi-lo, examiná-lo e obviamente criar uma ligação com ele e amá-lo”.

Em 1974, ano sucessivo ao da legalização do aborto nos EUA, mesmo se continuava a realizar abortos nos casos que segundo a sua consciência eram eticamente aceitáveis, Dr. Nathanson escreveu um artigo para o New England Journal of Medicine, no qual afirmou que “a vida é um fenômeno interdependente para todos nós. É um espectro contínuo que inicia no útero e termina com a morte; o espectro se designa com palavras como feto, bebê, criança, adolescente e adulto. Devemos enfrentar com coragem o fato de que no processo de aborto é aniquilado um tipo especial de vida humana. Visto que a maioria das gravidezes chegam ao fim com sucesso, o aborto deve ser visto como a interrupção de um processo que, caso contrário, teria gerado um cidadão do mundo. Negar esta realidade é o tipo mais grosso de evasão moral”.

A comunidade científica reagiu diante do ídolo que tinha mudado seu pensamento, ao ponto de Nathanson chegar a receber ameaças contra si mesmo e sua própria família. Tudo isso nos leva a perguntar: de que lado está o dogmatismo e o fechamento mental quando discutimos sobre o aborto?

O valor da coerência profissional

Com grande sinceridade, Dr. Nathanson afirmou que prosseguiu “a praticar o aborto em 1976. Eu fazia abortos e tirava as crianças do mundo, mas as tensões morais cresciam e se tornavam intoleráveis. Em um andar do hospital assistíamos aos partos, em outro praticávamos abortos. Não tinha nenhuma restrição, podíamos fazer abortos até o nono mês, antes das primeiras dores de parto. Na metade dos anos 60, enquanto em um andar estavam dando uma solução salina hipertônica a uma mulher grávida de 33 semanas, eu esperava no andar inferior uma parturiente de 33 semanas, buscando salvar a vida da criança. As enfermeiras pensaram a mesma coisa: o que estávamos fazendo, estávamos salvando crianças ou assassinando-as?”.

Páginas: 1 2

Milhões de leitores em todo o mundo – incluindo milhares do Oriente Médio – contam com a Aleteia para se informar, buscar inspiração e conteúdos cristãos. Por favor, considere a possibilidade de ajudar a Edição em Árabe com um pequeno donativo.