Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 23 Abril |
Bem-aventurada Maria Gabriela Saghéddu
home iconEstilo de vida
line break icon

Será mesmo que História já acabou?

Public domain

George Weigel - publicado em 18/08/14

Com o ressurgimento de regimes autoritários em muitas partes do mundo, o triunfo da democracia liberal ainda não é um fato definitivo

Em 1989, quando a Guerra Fria estava no fim, o cientista político Francis Fukuyama escreveu um ensaio memorável intitulado "The End of History?" [“O fim da História?”]. Apesar do ponto de interrogação no título do artigo, a ideia foi interpretada como uma resposta direta equivalente a "Sim, a História terminou".

Aquele raciocínio tinha algo de hegeliano, filtrado pelo pensamento de um francês de origem russa chamado Alexandre Kojève, e cabia perfeitamente no espírito daqueles tempos: o comunismo estava em colapso; os grandes debates dos dois séculos anteriores pareciam estar se resolvendo com a vitória das economias de mercado sobre as economias baseadas no Estado e da democracia sobre o autoritarismo; a “História”, entendida em amplo sentido filosófico, “tinha acabado”; e, ao mesmo tempo em que as coisas pareciam estar se tornando mais pacíficas, elas também pareciam estar ficando mais entediantes.

Num artigo publicado há dois meses no Wall Street Journal, meu amigo Fukuyama revisitou o seu ensaio de 1989 e começou com o óbvio: "O ano de 2014 se revela muito diferente do ano de 1989". De fato. O autoritarismo está ressurgindo na Rússia e na China. O islamismo radical está envolvendo a política mundial num pacote de conflitos políticos e de perseguição anticristã que se estende da costa oeste de Senegal até a borda leste da Indonésia. Várias experiências socialistas estão ensaiando um retorno na América Latina. Mas Fukuyama se atém às suas armas analíticas e argumenta que, mesmo tendo aprendido muito mais sobre o desenvolvimento político do que ele sabia há um quarto de século, e mesmo que povos diferentes estejam chegando ao nível desenvolvido em momentos diferentes, a democracia e a livre economia ainda caracterizariam o "fim da História".

Quando o ensaio original de Frank Fukuyama veio à luz, eu escrevi que a História continuaria porque a História é mais do que política e economia. A História também é literatura e arte, convicção religiosa e paixão moral: a História é impulsionada pela cultura, conforme uma ideia que eu aprendi do papa João Paulo II. Ponderando as dificuldades que alguns países têm enfrentado desde 1989 para garantir a transição do comunismo à livre economia e do autoritarismo à democracia, eu me vejo propenso a afinar este mesmo ponto, como tentei fazer em junho durante uma palestra que dei na Embaixada da Lituânia em Washington:

"…Apesar do núcleo de verdade contido no argumento de Fukuyama, a História, de modo manifesto, continua. Ela continua porque a democracia e a livre economia não são máquinas capazes de funcionar por si mesmas.



A
História continua porque o complemento essencial da democracia política e da livre economia é uma cultura moral pública vibrante, que tem o poder de formar cidadãos capazes de fazer a livre política e a livre economia funcionarem, de modo que o resultado final destes sistemas notáveis ​​seja a liberdade, a justiça, a abundância, a solidariedade e outros elementos públicos do florescimento humano.



A História continua porque o grande desafio dentro da História não é a criação dos mecanismos da democracia e da livre economia; por mais difíceis que essas tarefas possam ser em determinadas circunstâncias, o desafio maior é nutrir a cultura moral pública que está embutida nas instituições da sociedade civil, que enobrece a liberdade política e econômica e impede que a máquina da democracia e da livre economia trave ou, pior ainda, corrompa os homens e mulheres, os cidadãos de quem depende, em última análise, o futuro da liberdade".


Da perspectiva da Doutrina Social Católica, a autogovernação

  • 1
  • 2
Tags:
HistóriaPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
ROBERTO CARLOS
Ricardo Sanches
A música que Roberto Carlos cantou no próprio aniversário de 80 a...
2
Imagem de Nossa Senhora na Síria
Reportagem local
Freiras na Síria redescobrem oração de 700 anos contra epidemias
3
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
4
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma gestação rara
5
Broken Mary
Reportagem local
Nasce (e cresce) nos EUA a inspiradora devoção a “Nossa Senhora D...
6
Ordenação sacerdotal
Francisco Vêneto
Ex-testemunha de Jeová será ordenado padre católico aos 25 anos
7
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia