Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 23 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Conselho de Segurança condena assassinato ‘hediondo’ de Foley

<p>O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, concede uma entrevista coletiva, na cidade iraquiana de Najaf, em 24 de julho de 2014.</p>

Agências de Notícias - publicado em 23/08/14

O Estado Islâmico exibiu na Internet um vídeo com a execução de Foley, provocando a condenação mundial

O Conselho de Segurança das Nações Unidas condenou duramente nesta sexta-feira "o hediondo e covarde" assassinato do jornalista James Foley pelos jihadistas do Estado Islâmico.

Em um comunicado aprovado por unanimidade, os 15 membros do Conselho exigiram a imediata libertação de todos os reféns em poder dos extremistas islâmicos.

"Os membros do Conselho de Segurança destacaram que o EI deve ser combatido e a intolerância, a violência e o ódio que difundem, extirpados".

O EI exibiu na Internet na terça-feira um vídeo com a execução de Foley, provocando a condenação mundial.

O jornalista, de 40 anos, trabalhava na Síria para o site de notícias Global Post e estava sequestrado desde novembro de 2012.

O Conselho destacou que os responsáveis pela execução devem prestar contas à Justiça e chamou todos os países a cooperar com os Estados Unidos para tal objetivo.

Na quarta-feira, o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, condenou firmemente o assassinato, e descreveu a execução como um "crime abominável que caracteriza a contínua campanha de terror que o EI empreende contra os povos do Iraque e da Síria".

EUA

A execução do jornalista americano representa um "ataque terrorista" contra os Estados Unidos – disseram fontes da Casa Branca, três dias depois que o Estado Islâmico divulgou um vídeo com sua decapitação.

"Quando se vê como se mata alguém de uma maneira tão horrível, isso representa um ataque terrorista contra o nosso país e contra os cidadãos americanos", afirmou o vice-conselheiro de Segurança Nacional, Ben Rhodes.

Para Rhodes, a execução de Foley "representou um vexame, um ataque não apenas a ele. Como é americano, vemos como um ataque ao nosso país".

O vice-conselheiro reafirmou que o governo dos Estados Unidos se opõe ao pagamento de resgate para libertar reféns de "organizações terroristas" por considerar que não é uma "boa política".

"Em longo prazo (…) proporciona financiamento adicional às organizações terroristas, o que lhes permite expandir suas operações", acrescentou.

Sem ser específico, ele disse ainda que há um "pequeno número" de reféns americanos na Síria e garantiu que "vamos continuar fazendo o que pudermos para tentar trazê-los para casa".

"Essa é uma organização que tem uma visão estratégica apocalíptica que, em algum momento, tem de ser derrotada", insistiu.

Leia aqui: Papa Francisco telefonou para os pais de jornalista decapitado

(AFP)

Tags:
Mundo
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia