Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 12 Junho |
Santo Antônio de Lisboa
home iconAtualidade
line break icon

Washington faz voos de reconhecimento na Síria mas nega cooperação com Damasco

<p>(Arquivo) Foto divulgada no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico</p>

AFP - publicado em 27/08/14

Damasco havia anunciado sua disposição de cooperar em nível internacional, inclusive com Washington, para combater os jihadistas

Os Estados Unidos começaram a realizar voos de reconhecimento sobre a Síria, para localizar potenciais alvos de ataques aéreos contra os jihadistas do Estado Islâmico (EI), mas a operação não tem qualquer coordenação com o governo em Damasco, que também combate os jihadistas.

Várias fontes afirmaram que aparelhos estrangeiros sobrevoaram a Síria, inclusive uma ONG local, que citou "aviões de reconhecimento não sírios" sobre o leste do país na segunda-feira, que depois transmitiram as informações obtidas sobre as posições do EI "ao governo sírio via Bagdá e Moscou".

Nesta terça-feira, o porta-voz da Casa Branca Josh Earnest afirmou que "não há qualquer projeto de coordenação com o regime sírio no momento em que enfrentamos esta ameaça terrorista", mas um funcionário sírio – que pediu para ter a identidade preservada – garantiu que "a cooperação já começou e os Estados Unidos passam informação a Damasco através de Bagdá e Moscou".

Na véspera, o regime de Damasco havia anunciado sua disposição de cooperar em nível internacional, inclusive com Washington, para combater os jihadistas. O presidente Bashar al-Assad é acusado de ter atacado seu próprio povo ao reprimir brutalmente manifestações contra o governo que desencadearam uma guerra civil em março de 2011

O governo sírio também deixou claro que qualquer ataque em seu território precisa de sua cooperação, pois, caso contrário, consideraria a atitude uma "agressão".

O governo dos Estados Unidos, que efetuou mais de 100 ataques aéreos contra as posições do EI na região norte do Iraque desde 8 de agosto, cogitou na semana passada a possibilidade de atacar a vizinha Síria, após a decapitação do jornalista americano James Foley por combatentes do grupo ultra-radical.

Segundo uma autoridade americana entrevistada pela AFP, os Estados Unidos estão prontos para enviar aviões-espiões e drones para a Síria para recolher informações sobre os jihadistas e preparar o terreno para eventuais ataques.

Sem definição

O chefe do Estado-Maior Conjunto americano, general Martin Dempsey, declarou na segunda-feira que o EI é "uma ameaça regional que, em breve, ameaçará os Estados Unidos e a Europa".

"Será que eles podem ser derrotados sem atacarmos a parte da organização que está na Síria? A resposta é não", disse ele.

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, no entanto, indicou que o presidente Barack Obama não tinha tomado uma decisão sobre eventuais ataques na Síria.

A Casa Branca também ressaltou que os Estados Unidos estão preparados para agir sem o consentimento de Damasco, como fizeram no passado.

Uma fonte da segurança síria reiterou nesta terça-feira a advertência de Damasco de que "qualquer entrada no espaço aéreo sírio sem coordenação será considerada um ato de agressão".

Enquanto muitos países ocidentais e árabes exigiram a queda do regime de Bashar al-Assad, que reprimiu violentamente um movimento de protesto popular em 2011, causando um conflito armado com aspectos cada vez mais complexos, a nova situação coloca Washington em uma situação desconfortável.

"Não estamos do mesmo lado só porque há um inimigo comum", tentou explicar na segunda-feira a porta-voz do Departamento de Estado americano, Jennifer Psaki.

Mas para o jornal sírio Al-Watan, ligado do governo, a decapitação de James Foley "mostrou a necessidade de um diálogo com Damasco".

"O estabelecimento de uma coalizão internacional contra o terrorismo pode se tornar uma opção obrigatória (…) mesmo que os sinais ainda não sejam claros", considera.

Nesta terça, os aviões sírios realizaram pelo menos doze ataques contra posições jihadistas na província de Deir Ezzor, sob controle do EI, de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

  • 1
  • 2
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Poderoso filme de 1 minuto sobre casamento rende prêmio a cineast...
2
BABY GIRL
Mathilde de Robien
12 nomes de meninas cujo significado é ligado a Deus
3
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
4
Histórias com valor
Após coma, menino deixa a mãe aterrorizada ao dizer que conheceu ...
5
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vezes por dia
6
PRAYER
Michael Rennier
4 coisas que sua família perde ao ficar sem ir à igreja
7
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da noite
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia