Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 01 Agosto |
home iconAtualidade
line break icon

Ucrânia acusa Rússia de invasão direta e pede ajuda militar

<p>Cinegrafista filma automóvel incendiado no centro de Donetsk, em 27 de agosto no leste da Ucrânia</p>

AFP - publicado em 28/08/14

A Ucrânia acusou pela primeira vez a Rússia de invasão direta, depois de meses de suspeitas de Kiev

A Ucrânia pediu nesta quinta-feira ajuda militar de envergadura diante da entrada de tropas russas no leste do país, o que aumenta os temores de uma guerra aberta entre a Ucrânia e a Rússia.

"Mais de mil soldados russos combatem atualmente na Ucrânia. Apoiam os separatistas, lutam com eles", afirmou um funcionário de alto escalão da Otan.

Estes soldados, que muitas vezes não usam insígnias, são reconhecíveis pela sua conduta, de "militar profissional", assegurou, insistindo que há cada vez mais informações que circulam publicamente sobre soldados russos mortos nos combates.

"Eles operam equipamentos sofisticados, aconselham os separatistas e os soldados avançam até 40 ou 50 km em território ucraniano", descreveu este oficial.

A Ucrânia acusou pela primeira vez a Rússia de invasão direta, depois de meses de suspeitas de Kiev e dos países ocidentais de que Moscou fornecia ajuda militar aos separatistas pró-russos que enfrentam o exército ucraniano no leste do país. O Kremlin negou a informação mais uma vez nesta quinta-feira.

"Não há mais que uma unidade" de uma dezena de "soldados russos que cruzaram a fronteira de forma não intencional há dois dias", disse o embaixador russo ante a Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE), Andrei Kelin, em referência a militares que Kiev disse ter detido na terça-feira.

Kelin respondia, assim, durante uma tensa reunião extraordinária, ao representante ucraniano ante a OSCE, Ihor Prokopchuk, que disse estar ciente "de uma invasão direta das forças militares russas nas regiões do leste da Ucrânia".

O embaixador da Ucrânia na União Europeia (UE), Konstiantyn Eliseyev, pediu a Bruxelas "ajuda militar de envergadura" diante da "não dissimulada invasão militar".

"Pedimos uma sessão extraordinária do Conselho Europeu no dia 30 de agosto sobre a Ucrânia (…) Basta de conivência e de apaziguamento do agressor. A solidariedade deve se materializar com sanções significativas e com uma ajuda militar e técnica de envergadura", declarou Eliseyev, segundo a página do Facebook da embaixada ucraniana ante a UE.

"Estamos extremamente preocupados pelos último acontecimentos, especialmente pelas informações em terra que chegam até nós", reagiu Maja Kocikancic, porta-voz do Serviço Exterior da UE.

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, cancelou uma visita nesta quinta-feira à Turquia e se reuniu de urgência com o Conselho Nacional de Segurança e de Defesa diante da rápida deterioração da situação pela entrada de tropas russas.

As autoridades ucranianas afirmaram pouco antes que as tropas russas haviam tomado o controle na véspera da estratégica cidade fronteiriça de Novoazovsk, 100 km ao sul do reduto rebelde de Donetsk.

Poroshenko também se referiu à captura das localidades de Amvrosivka e Starobecheve, a sudeste de Donetsk.

Soldados russos de férias

"Um número cada vez maior de tropas russas intervêm diretamente nos combates em território ucraniano", escreveu na manhã desta quinta-feira o embaixador americano em Kiev, Geoffrey Pyatt, no Twitter. "A Rússia também enviou seus sistemas de defesa aérea mais recentes", acrescentou.

O presidente francês, François Hollande, ressaltou em uma coletiva de imprensa que a presença de soldados russos em território ucraniano, se confirmada, é intolerável e inaceitável.

Por sua vez, a Lituânia acusou a Rússia de realizar uma evidente invasão militar na Ucrânia e pediu uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre esta questão, que será realizada nesta quinta-feira às 16H00 GMT (13h00 de Brasília) na sede das Nações Unidas em Nova York, informaram fontes diplomáticas.

  • 1
  • 2
Tags:
Mundo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
2
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
3
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira rezou todos os dias às 3h...
4
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
5
David Arias
Reportagem local
Ex-satanista mexicano retorna à Igreja e testemunha: “O ter...
6
Claudio de Castro
Como salvar nossas almas nos últimos minutos antes da morte
7
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia