Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 05 Dezembro |
São Saba
home iconReligião
line break icon

É verdade que quem morre nos olha lá do Céu?

© Dennis van de Water/SHUTTERSTOCK

Toscana Oggi - publicado em 02/09/14

Eles também participam, de alguma maneira, das dores e alegrias das pessoas?

Questão

Quando alguém morre, geralmente ouvimos dizer: “agora nos olhará lá do Céu”. Gostaria de saber o que diz a Igreja sobre isso. É verdade que os defuntos podem acompanhar lá do Céu os acontecimentos humanos e participar, de alguma maneira, das dores e alegrias das pessoas?

Resposta do Padre Valerio Mauro, professor de Teologia Sacramental

O desejo da possibilidade de manter qualquer relação com os defuntos, que eram queridos ao nosso coração, torna-se tão forte quanto a ligação que nos unia. Esta não é uma questão trivial, mas tentarei responder, seja simplesmente simplificando uma questão muito complexa, da forma correta e atento à delicadeza do tema. Sobre a realidade dos defuntos, a cristã aprofunda as raízes na experiência religiosa do povo de Israel. 

A atenção se volta para a vida terrena do homem, a única da qual se tenha experiência; além da morte, tudo é obscuro (Cf Gb 14,10-28; Qo 12,1-8). Além disso, o uso das práticas de adivinhação na pretensão de entrar em contato com os mortos é vista com suspeita: é o caso da necromante de Endor, a quem o rei Saul pede para consultar o falecido profeta Samuel (1Sm 28). A ideia de uma sobrevivência, ou para ser preciso, de uma vida renovada além da morte, fascina parcialmente a fé de Israel aos limiares da era cristã. Algumas escolas de pensamento, como a dos fariseus, inclinam-se para uma “ressurreição dos mortos”, como testemunham as passagens de Mt 22,23-33 e At 23,1-10. Para a fé cristã é decisiva a experiência dos discípulos de Jesus, que viram e encontraram vivo aquele Jesus que tinham reconhecido como mestre e viram morrer numa cruz. O Ressuscitado aparece para eles, comunica-se numa experiência humana única, da qual se sentem chamados a serem testemunhas para o mundo inteiro. E, todavia, esta experiência não é definitiva e nem contínua: o Jesus que aparece, fazendo-se reconhecer, desaparece, deixando neles a tarefa de proferir a memória. Límpido é o testemunho dos discípulos de Emaús, (sobretudo Lc 24,31). Presença e ausência do Ressuscitado são unidas de maneira paradoxal. Mas exatamente este paradoxo é o índice da provisoriedade da nossa existência, no caminho em direção àquela definitiva que recebe o nome de “vida eterna”, dom absoluto de Deus. O ponto capital é que esta vida é marcada de maneira única e definitiva pelo Senhor Jesus, aquele que é o caminho, a verdade e a vida. 

Como fez o leitor em sua pergunta, a palavra usada na linguagem comum é “Céu” (Paraíso), que tem um valor evangélico porque a encontramos na promessa feita por Jesus ao, assim chamado, bom ladrão: “Hoje estarás comigo no Paraíso” (lc 23,43). Mas o valor da promessa não está em um lugar onde viver, assim como na relação assegurada: Jesus assegura ao ladrão que estará com Ele, em comunhão com a sua própria vida. Esta promessa é para cada um de nós, se nos deixarmos envolver pelo Evangelho de Jesus: a comunhão de vida definitiva e fundamental está com Ele, o Ressuscitado dos mortos. Nesta direção não podemos não acenar ao valor cristológico da ressurreição dos mortos. A pessoa humana é um corpo, segundo a linguagem paulina, e nesta dimensão corporal consiste a sua capacidade relacional. Por isso o apóstolo fala de ressuscitar em um “corpo espiritual”, entendendo um corpo impregnado e animado pelo Espírito de Deus (1Cor 15,35-50), em comunhão com o corpo glorioso do Senhor ressuscitado.

A comunhão perfeita com os nossos queridos defuntos é em Cristo e se realizará na completude do Reino, quando Deus será tudo em todos (1Cor 15,22-28). Na espera desta comunhão, “santa esperança”, a Igreja crê em uma comunhão comum também com aqueles que já morreram em Cristo e “continuam a cumprir com alegria a vontade de Deus em relação aos homens e a inteira criação” (CIC, 1029). A constituição dogmática do Vaticano II sobre a Igreja afirma que o vínculo de união entre nós e os nossos mortos é o amor de Deus: “Todos, porém [quem é peregrino sobre a Terra, quem a deixou e cumpre a própria purificação, quem enfim goza da glória do céu], comungamos, embora em modo e grau diversos, no mesmo amor de Deus e do próximo, e todos entoamos ao nosso Deus o mesmo hino de louvor” (Lumen Gentium, 49). E ressalta que o sinal autêntico desta comunhão no amor, que continua a nos unir, é a oração mútua (Lumen Gentium, 59). Esta é a nossa , além da qual não podemos dizer mais, se não usando uma linguagem metafórica e alusiva. Certamente podemos dizer que os nossos caros defuntos nos “olham e protegem” do paraíso. Temos necessidade de palavras que sejam expressão da nossa experiência. Ao mesmo tempo, precisamos reconhecer como além da morte se abre uma realidade misteriosa que é objeto de fé e esperança, expremível somente de um modo parcial e, como disse, metafórico e alusivo. O verdadeiro paraíso está na comunhão com Cristo: o seu olhar para cada um de nós cheio de amor misericordioso. A comunhão com Ele é o verdadeiro paraíso no qual encontraremos todos os nossos entes queridos naquela vida abundante e definitiva, onde cada lágrima será enxugada e reencontraremos, purificados de cada mancha, cada bem vivido na Terra (cf Gaudium et spes, 39). 

Tags:
CéuIgrejaMorteVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
HUG
Dolors Massot
Médico abraça paciente com Covid-19 que chora...
PADRE NO ALTAR DA MISSA
Reportagem local
Missa de Crisma é interrompida por policiais ...
Missa de Crisma
Reportagem local
Arcebispo detona interrupção de Missa: "Ocorr...
BOKO HARAM NIGÉRIA
Francisco Vêneto
Terroristas islâmicos degolam mais de 100 pes...
Bispo brasileiro Dom Antônio Carlos Rossi Keller
Reportagem local
Mais um bispo brasileiro detona: "Autoridades...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia