Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 25 Novembro |
São Pedro Yi Ho-Yong
home iconAtualidade
line break icon

A tragédia dos soldados ucranianos em Ilovaisk

<p>Um veículo blindado destruído é visto ao lado da estrada que leva a Ilovaisk, 50 km a leste de Donetsk, em 3 de setembro de 2014.</p>

AFP - publicado em 04/09/14

O calvário desses combatentes está marcado nos muros de uma escola que eles tinham feito de base

Ninguém consegue explicar o que aconteceu em Ilovaisk, onde as forças leais ao governo perderam pelo menos 87 homens. Na estrada que liga às cidades do oeste do país, blindados destruídos mostram a humilhação dos soldados ucranianos nesta cidade duramente disputada há várias semanas.

Quando Kiev anunciou a retomada da região no dia 19 de agosto, a satisfação foi grande, já que, com a queda de Ilovaisk, os separatistas perderam uma importante base no caminho para Donetsk, a noroeste. A vitória ainda teve um forte componente simbólico por ter sido atribuída a voluntários que incorporaram o espírito patriótico do Maidan (movimento de contestação que derrubou o governo pró-russo).

Mas a conquista foi efêmera. A contraofensiva dos separatistas permitiu aos rebeldes retomar áreas em torno da cidade no final de agosto. Cercadas, as forças leais ao governo foram submetidas a duros ataques durante mais de uma semana. Sua resistência comoveu a Ucrânia, mas os apelos em Kiev não mudaram a situação: elas não receberam os reforços que tinham solicitado.

O calvário desses combatentes está marcado nos muros de uma escola que eles tinham feito de base no oeste de Ilovaisk, crivados de balas e parcialmente destruídos por morteiros. Os veículos e os ônibus escolares no pátio estão queimados.

No ginásio da escola, os combatentes cercados tinham montado um hospital de campanha. Marcas de sangue, seringas espalhadas e frascos de anestésicos mostram que os feridos receberam tratamento em condições terríveis.

Nas salas de aula, em meio às caixas de munições, recipientes de conservas e garrafas de vodca, todos vazios, o que mais chama a atenção são as frases escritas nos quadros negros: "Liberdade ou morte", "Glória à Ucrânia" ou um X como sinal de alvo embaixo da palavra "Sniper".

Cerca de quarenta moradores da cidade estão refugiados no subsolo da escola. Segundo a diretora Elena Toltsikova, as forças do governo se comportaram bem no início, mas depois maltrataram as pessoas para "forçá-las a dizer se conheciam alguém nas milícias" separatistas.

Grande parte da população não apoio os pró-Kiev. "Eles avançavam atirando com armas automáticas em tudo que se movia depois de terem bombardeado a cidade desde julho", afirma a diretora em meio às ruínas de sua escola.

Disparos precisos

Separatistas afirmaram à AFP que quem se render será feito prisioneiro. Para eles, os voluntários cercados – chamados pelos insurgentes de mercenários – são menos dignos de perdão do que as tropas regulares.

As carcaças calcinadas de cerca de vinte blindados de transporte de tropas vistos na quarta-feira pela AFP na estrada que liga Ilovaisk a Osykove, a oeste, mostra que os rebeldes não pensam em abrir um corredor humanitário para a retirada dos combatentes leais a Kiev.

Os impactos nos veículos mostram que os disparos foram diretos, precisos. Há poucas marcas de ataques nas imediações ou em outras partes da estrada. Para um especialista militar que foi à estrada, morteiros ou lança-foguetes múltiplos Grad – imprecisos – não causaram essa destruição.

As autoridades ucranianas indicaram a morte de 87 combatentes em Ilovaisk, mas esse número pode passar de 100. Não se sabe se eles foram mortos durante o cerco ou quando se retiravam, ou por que não receberam reforços. Ucranianos exigem que as circunstâncias dessas mortes sejam esclarecidas e culpam a Rússia.

Tags:
Mundo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
Medalha de São Bento
pildorasdefe.net
Oração a São Bento para afastar o mal e pedir...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Oração para afastar o mal de um recinto
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
FATHER PIO
Maria Paola Daud
Quando Jesus conversou sobre o fim do mundo c...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia