Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 26 Novembro |
São Silvestre Guzzolini
home iconReligião
line break icon

Por que a Igreja precisa das mulheres?

altanaka

La Nuova Bussola - publicado em 06/09/14

Uma Igreja sem as mulheres é como um Colégio apostólico sem Maria

O papel das mulheres na Igreja é um tema muito debatido. O Papa Francisco repetiu várias vezes: é necessário encontrar “novos espaços e responsabilidades” para o “gênero” feminino. Nesta linha se deve colocar a medida papal que prevê o aumento do número de mulheres na Comissão Teológica Internacional. Assim revelou o cardeal Gerhard Ludwig Müller, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, ao L’Osservatore Romano. Os “novos espaços”, porém, não são uma imitação do modelo masculino, nem podem ser entendidos como grupos feministas. 

O Papa Francisco já esclareceu que o tema do sacerdócio feminino está fora de discussão. Quando a jornalista brasileira Anna Ferreira perguntou sobre este assunto, durante o vôo de retorno da Jornada Mundial da Juventude do Rio de Janeiro, o Papa disse expressamente que em relação à ordenação das mulheres “a Igreja diz: ‘não’. Disse João Paulo II, com uma formulação definitiva”. Na mesma coletiva de imprensa, o Papa Francisco tinha dito que “uma Igreja sem as mulheres é como um Colégio apostólico sem Maria. A tarefa da mulher na Igreja não é somente a maternidade, a mãe de família, mas é mais forte: é o ícone da Virgem; aquela que ajuda a Igreja a crescer”. 

As 26 mulheres, amantes de padres, que no últimos mês de maio enviaram uma carta ao Papa, não estão em sintonia com esta indicação papal. É difícil sustentar que o pedido de abolir a tradição latina do celibato sacerdotal possa ter como “modelo” a Virgem Maria. E até o apoio delas ao crescimento da Igreja parece decididamente extravagante. Tem também outra carta que foi enviada ao Papa por algumas mulheres espanholas que são mães, irmãs e colaboradoras de sacerdotes. A carta, datada de 19 de junho de 2014, foi publicada pelo portal espanhol Infovaticana, onde se pode ler como as mulheres reivindicam firmemente a importância do celibato e da maternidade espiritual a favor dos sacerdotes e da Igreja. “Pelo bem do filho sacerdote e da Igreja, segundo o nosso modelo da Virgem Maria”, escreveram em acordo com as declarações feitas pelo Papa Francisco no avião de retorno do Rio de Janeiro. 

Na carta, as espanholas dizem que a delas é clara, são “discípulas de Cristo crucificado, escândalo e loucura para aqueles que estão no mundo”, e a maternidade delas na Igreja “deve garantir que os nossos filhos e a Igreja não se tornem mundanos”. Escreveram abertamente rebatendo a carta das 26 amantes porque acreditavam firmemente na fecundidade do celibato sacerdotal, a mesma fecundidade do seu ser mulher/mãe na Igreja, para a Igreja. Não reivindicam, amam. Bento XVI, falando de Santa Catarina de Sena, lembrou como tantos queriam ser guiados espiritualmente por ela, “queriam chamá-la por mãe”, porque era capaz de orientar as pessoas a Deus, reforçar a fé e guiar a vida. Também hoje, muitos se lembram de episódios ligados a uma maternidade espiritual: uma freira, uma catequista, um livro, uma professora, maternidade espiritual muitas vezes escondida, mas decisiva.  

A história da Igreja é repleta de exemplos extraordinários de santidade feminina, destaques intelectuais e morais que souberam exercitar uma forte ascendência na vida eclesial e social. Lançaram uma presença indelével. Não reivindicavam, amavam. Que venham os novos nomes femininos à Comissão Teológica Internacional, para renovar o “papel” das mulheres na Igreja, é preciso antes de tudo de filhas, esposas e mães que, graças ao amor a Deus e aos irmãos, saibam reanimar o homem que não encontra paz. Saibamos levantar a Igreja com o gênio de quem ama, humildemente, como a Mãe. Todo o resto: função e responsabilidades, virão por si só. 

Tags:
IgrejaMariaMaternidadeMulherVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Confissão não é para contar problemas, mas para contar pecados
Pe. Gabriel Vila Verde
Confissão não é para contar problemas, mas pa...
RED WEDNESDAY
Reportagem local
Perseguição aos cristãos no mundo é denunciad...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia