Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 19 Outubro |
Santos Mártires Canadenses
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

A tragédia das escravas sexuais infantis e brancas da Inglaterra

AP

Michael Saltis - publicado em 11/09/14

Imigrantes paquistaneses abusaram de centenas de meninas inglesas no próprio país das vítimas e nada foi feito pelas autoridades britânicas. Por quê?

Muita tinta vem sendo derramada em jornais e revistas ao longo dos últimos meses para falar de crianças inocentes, especialmente meninas, que estão enfrentando o inferno em áreas de conflito espalhadas pelo mundo todo.

Na Nigéria, o grupo terrorista islamita Boko Haram continua mantendo dezenas e dezenas de estudantes nigerianas como reféns e escravas sexuais. No Iraque, o grupo ultrarradical Estado Islâmico (EI) estabeleceu a prática da compra e venda de jovens cristãs e yazidis para o mesmo fim, e isso depois de assassinar os seus pais, maridos e irmãos. Esses grupos extremistas islâmicos não escondem a sua “lógica” no tocante a tais práticas aberrantes: sendo "kuffar", essas meninas não muçulmanas são vistas como despojos de guerra e, portanto, podem ser utilizadas ao bel-prazer dos seus captores e torturadores.

Os ocidentais estão cada vez mais conscientes e indignados com os relatos dessas barbáries em terras distantes. O que muitos no Ocidente não percebem, porém, é que algo muito semelhante está acontecendo também aqui e também agora, muito perto das suas próprias casas.

Na semana passada, um estudo feito na Grã-Bretanha revelou que, entre 1997 e 2013, pelo menos 1.400 meninas foram exploradas sexualmente na cidade inglesa de Rotherham, de 275 mil habitantes. Entre as histórias de horror que vieram à tona, o relatório cita o caso espantoso de meninas de apenas 11 anos de idade sendo estupradas por grupos inteiros de homens. Também há casos de meninas forçadas a testemunhar estupros e espancamentos brutais, sob a ameaça de sofrerem o mesmo destino se recorressem às autoridades. Muitas dessas meninas foram traficadas para outras áreas do norte da Inglaterra, gerando elevado lucro anual para os seus raptores.

Podemos nos perguntar: como é que tantos abusos aconteceram durante um período tão longo de tempo sem que as autoridades de Rotherham se dessem conta?

A resposta é ainda mais estarrecedora do que a própria pergunta: as autoridades sabiam.

Elas sabiam e não fizeram nada.

O relatório recém-publicado detalha que várias vítimas apelaram reiteradas vezes à polícia em busca de ajuda. Uma das vítimas preservou os farrapos da própria roupa como prova do crime sofrido e os levou até a delegacia. Mas a polícia a dispensou e as roupas “desapareceram”. Várias outras investigações de casos semelhantes foram interrompidas, arquivadas ou abortadas de alguma forma, em diversas ocasiões, ao longo da última década. Mas por quê? Por que as autoridades interromperiam uma investigação sobre algo tão obviamente grotesco para qualquer ser humano com um pingo de consciência? A resposta, novamente, é profundamente preocupante.

Eis a espantosa razão: com poucas exceções, as vítimas eram, na maioria, meninas britânicas brancas. E quase todos os estupradores, por outro lado, eram homens muçulmanos paquistaneses.

O relatório informa que os investigadores e assistentes sociais encarregados dos casos de abusos contra menores em Rotherham interromperam as suas investigações ou foram parados pelos seus superiores por causa de preocupações politicamente corretas com eventuais acusações ​de racismo.

Quando se viram confrontadas com a possibilidade de entrar em conflito com a ditadura do “politicamente correto” por apontarem a raça ou a religião dos estupradores daquelas menores, as autoridades britânicas optaram por permitir que esse crime sexual aberrante continuasse impune. Segundo o relatório, uma pesquisadora destacou a predominância de homens paquistaneses entre os estupradores de Rotherham e recebeu ordens superiores de participar de um “seminário de treinamento para o respeito à diversidade”. Além disso, ela esteve a ponto de ser demitida.

  • 1
  • 2
Tags:
Abusos SexuaisMigrantes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
2
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
3
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
4
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
5
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
6
Reportagem local
O grande crucifixo submerso que só pode ser visto quando o lago c...
7
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia