Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 22 Abril |
São Leônidas
home iconAtualidade
line break icon

Sobrinha de freira sequestrada pelo Estado Islâmico descreve a agonia vivida pela família

MARIJAN MURAT / DPA

Amal Marogy - publicado em 12/09/14

Onde é que está Deus no Iraque hoje?

Algumas semanas atrás, quando eu tentava desesperadamente conseguir alguma notícia sobre a situação na cidade iraquiana de Mossul e sobre a minha tia, a irmã Utuur, senti um choque ao ler a notícia que mais temia: "Duas freiras, duas meninas órfãs e um menino foram sequestrados pelo Estado Islâmico".

Uma rajada de angústias atingiu naquela hora a minha mente: "Por que eles estavam lá arriscando a vida, pelo amor de Deus?", "Como é que Deus pode permitir isso?"… Mas a angústia mais urgente e mais premente de todas era esta: "Onde é que está Deus?".

Foi essa pergunta que me perseguiu durante meses depois que eu visitei a "Casa do Terror", em Budapeste, em fevereiro passado. É um museu instalado na antiga sede da polícia secreta nazista, e mais tarde, comunista. É um cenário de terror, de tortura e de execuções. Depois que as portas de ferro se fecharam atrás de mim, uma onda de desespero começou a me engolir, como engolia os presos que subiam e desciam as escadas daquele lugar devotado à maldade.

A sombria visita acabava no porão. A descida de elevador foi longa o suficiente para vermos um vídeo em que um guarda explicava com certa frieza a "cerimônia" de enforcamento. Meu jovem guia me levava de uma cela de tortura para outra. Em cada uma, ele descrevia com detalhes cada método e ferramenta de tortura em exposição. Pacientemente, ele me contava a história de cada vítima cujas fotos pendiam de uma das celas.

Durante essa visita assombrosa, a minha mente e o meu coração se envolveram num debate interior feroz, com argumentos e contra-argumentos que iam e que vinham. O debate acabou quando o guia me mostrou uma cela em que os presos ficavam submersos em água suja durante dias a fio. Foi quando eu não consegui mais reprimir o meu grito: "Mas onde é que está Deus?".

Essa pergunta, que eu sempre tentei deixar escondida nos fundos da minha mente, essa pergunta que é tão desconfortável para qualquer pessoa que foi criada para acreditar no Deus de Bondade, de repente se tornou uma pergunta obrigatória e urgente! E foi naquele momento que eu ouvi uma voz suave, sussurrando uma resposta clara: "Eu estava aqui! Ninguém entrou nesta cela sem que eu estivesse junto dele, acompanhando-o. Eu ainda carrego as marcas da cruz".

De imediato, eu me lembro de ter ficado intensamente repleta de paz e gratidão ao meu Deus, que não é apenas Todo-Poderoso, mas que experimentou, Ele próprio, a dor e o medo mais profundos que podem dilacerar um coração humano. Jesus não é apenas aquele que mais sofreu: Ele sabe também o que significa ver a dor nos olhos dos entes queridos, uma dor silenciosa que consegue ser, às vezes, ainda mais terrível de suportar do que o próprio sofrimento físico particular. Só Ele podia saber da dor que estava perfurando o coração da mãe enquanto ela via o único filho, inocente, ser crucificado. Só Ele pode saber da dor de ver os seus amados irmãos e irmãs cristãos sendo torturados e executados hoje.

Levaria mais de dez páginas para eu descrever a escola de sofrimento que a minha família, assim como tantas famílias iraquianas, já enfrentou. Meu pai morreu há duas décadas, deixando uma bela viúva de 28 anos e quatro filhas pequenas. Minha avó paterna viu a sua casa destruída duas vezes. Em ambos os lados, paterno e materno, minhas avós e dois tios jovens morreram um logo após o outro. Graças, porém, à grande fé da minha família, que eu poderia literalmente tocar com as minhas mãos, eu sempre consegui enxergar as pegadas tênues e vagas deixadas pelo Bom Deus como sinal da sua presença.

Foi essa fé bonita e simples que eu senti desafiada na Hungria e, mais uma vez, nas últimas semanas. Mas a minha família estava certa de novo: Deus manda o sofrimento somente àqueles em quem Ele confia, porque Ele precisa de pessoas que o ajudem a carregar a sua cruz tão pesada.

  • 1
  • 2
Tags:
MundoPerseguição
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
ROBERTO CARLOS
Ricardo Sanches
A música que Roberto Carlos cantou no próprio aniversário de 80 a...
3
Ordenação sacerdotal
Francisco Vêneto
Ex-testemunha de Jeová será ordenado padre católico aos 25 anos
4
BENEDICT XVI
Francisco Vêneto
Em nova e extensa biografia, Bento XVI desmascara o atual “...
5
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma gestação rara
6
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
7
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia