Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O que a Igreja diz se uma mulher está grávida e decide não se casar?

Sean Molin Photography CC
Compartilhar

A comunidade deve acompanhar ativamente mulheres que vivem a gravidez em casos particularmente delicados

O que prevê a Igreja no caso de uma mulher que está grávida mas decide não se casar com o pai da criança?

Resposta do padre Maurizio Faggioni, professor de Teologia moral

A pergunta do leitor nos traz a oportunidade de fazer algumas reflexões sobre mudanças de costume e sensibilidade moral no nosso tempo.

Há alguns anos a condição de uma mulher que tinha um filho fora do casamento era considerada socialmente vergonhosa. Tempos nos quais a vida sexual antes e fora do casamento era sancionada, não somente pela moral católica, mas também pelo costume em geral. O nascimento de uma criança fora do matrimônio tinha o peso de uma marca infâmia. Era uma regra a marginalização mais ou menos evidente da mulher, tantas vezes jovem, e até mesmo menores de idade, que ficaram grávidas fora do matrimônio e que, por alguma razão, não se casam com o pai da criança. Esta preocupação negativa se refletia também nos filhos que nasceram fora do matrimônio, ou seja, em condições de ilegitimidade, marcados com a conotação de “filho de pai desconhecido” ou até mesmo não reconhecido pelo pai biológico.

Hoje a promiscuidade sexual é tolerada pelo costume prevalecente, e o nascimento de uma criança com mãe sem marido, ou companheiro, não constitui mais motivo de reprovação. Pergunta-se, às vezes, por que uma menina foi tão desprecavida a ponto de não se proteger com contraceptivos. Em alguns casos as pessoas, chegam a recomendar a interrupção da gravidez para menores de idade e até mesmo jovens que teriam suas vidas “arruinadas” com a chegada da criança.

Diante deste cenário desconcertante, a sensibilidade eclesial hoje considera, de uma maneira nova, a situação das mães fora do matrimônio. Uma mulher que, mesmo entre mil incoerências e fragilidades, decide levar adiante uma gravidez fora do matrimônio merece respeito porque ela teria em mãos uma "solução" – o aborto -, mas decidiu dizer sim à vida. Às vezes, a gravidez acelera a escolha do matrimônio por parte de um casal estável ainda não casado, mas às vezes o pai da criança não está disposto a assumir as próprias responsabilidades, e é a mulher que não considera oportuno forçar o casamento somente para regularizar uma situação. É verdade que uma criança precisa dos pais para crescer de maneira harmoniosa, mas também é verdade que um matrimônio forçado pelas situações pode criar uma dinâmica difícil de casal e, ao fim, não favorável nem para a criança. 

Uma mulher que recusa atalhos fáceis, mas acolhe com coragem, às vezes sem ajuda, uma vida que floresce nela, demonstra possuir no seu íntimo um nobre sentido de responsabilidade com a vida. A comunidade cristã se compromete a acompanhar e apoiar ativamente mulheres que vivem a gravidez em casos particularmente delicados. Entre estes casos, encontramos situações de mulheres que, fora do matrimônio, decidem acolher com amor uma criança que leva no ventre.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.