Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa Francisco: os cristãos não são órfãos, pois têm Maria

Marcin Mazur/Catholic NewsUK
Compartilhar

"Nós não somos órfãos, temos Mães: a Mãe Maria, mas também a Igreja é Mãe", disse Francisco

Sem Maria não existiria Jesus e sem a Igreja não podemos seguir em frente: esta foi a mensagem principal do Papa Francisco na Santa Missa celebrada na Casa Santa Marta na memória de Nossa Senhora das Dores.

A liturgia, depois de nos ter mostrado a Cruz gloriosa, apresenta-nos a Mãe humilde e mansa – afirmou o Santo Padre, que citou S. Paulo na Carta aos Hebreus, onde se leem três palavras fundamentais em relação a Jesus: aprendeu, obedeceu, sofreu. Esta é a glória da Cruz de Jesus, afirmou o Papa Francisco.

“Jesus veio ao mundo para aprender a ser homem, e sendo homem, caminhar com os homens. Veio ao mundo para obedecer e obedeceu. Mas esta obediência aprendeu-a com o sofrimento. Adão saiu do Paraíso com uma promessa, a promessa que avançou durante séculos. Hoje, com esta obediência, com este anular-se a si próprio e humilhar-se de Jesus, aquela promessa torna-se esperança. E o povo de Deus caminha com a esperança certa. Também a Mãe, a nova Eva, como o próprio Paulo a chama, participa deste caminho do Filho: aprendeu, sofreu e obedece. E torna-se Mãe”.

Segundo o Papa Francisco, os cristãos não são órfãos, pois têm Maria, Mãe de Jesus e nossa Mãe. Mas também a Igreja é mãe quando faz o mesmo caminho de Jesus e de Maria: quando obedece, quando sofre e quando aprende.

“E esta é também a nossa esperança. Nós não somos órfãos, temos Mães: a Mãe Maria. Mas também a Igreja é Mãe e também a Igreja é ungida Mãe quando faz o mesmo caminho de Jesus e de Maria: o caminho da obediência, o caminho do sofrimento e quando tem aquela atitude de aprender continuamente o caminho do Senhor. Estas duas mulheres – Maria e a Igreja – levam em frente a esperança que é Cristo, dão-nos Cristo, geram Cristo em nós. Sem Maria não existiria Jesus; sem a Igreja, não podemos andar em frente”.

(Rádio Vaticano)