Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 23 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Os pobres, grande tesouro da Igreja

Allarme povertà in Italia e reddito di inclusione – pt

© DR

Manuel Bru - publicado em 16/09/14

Não ter nada, não levar nada, não pedir nada e esperar tudo de Deus

Recordando o título de um dos livros mais belos que já li na juventude, “Sabedoria de um pobre”, de Eloy Lecrerc, sobre a vida interior de São Francisco de Assis, eu me convenço cada dia mais de que a pobreza (não a miséria, como explica o Papa Francisco) é uma bênção.

Sobretudo a pobreza espiritual, essa da qual muitos ricos fogem, tentando afogá-la no sucedâneo das riquezas materiais, e que consiste em saber enfrentar as provações da vida com humildade, paciência, austeridade, simplicidade e caridade.

Os pobres são o grande tesouro da Igreja porque os pobres são os seus santos, seus bem-aventurados, seus baluartes. E se a Igreja opta por eles preferencialmente, não é por pena ou compaixão, como muitos acreditam, mas porque são o melhor que ela tem.

Os ricos, no entanto, esses sim às vezes são atendidos pela Igreja com pena, porque costumam não se libertar do seu persistente autoengano, que os leva a ser altivos e exigentes demais.

Nas flores de São Francisco de Assis surgiram muitas histórias, literariamente maravilhosas e espiritualmente estimulantes, que nos fazem adentrar nesse grande mistério evangélico da pobreza dos ricos e da riqueza dos pobres, da qual São Francisco foi o mestre mais sábio.

Conta o santo que um dia, conversando com Frei Leão sobre a perfeita alegria, depois de mencionar todas as coisas deste mundo que não a dão, disse-lhe:

– Agora, quando chegarmos a Santa Maria dos Anjos e batermos à porta do lugar, o porteiro virá bravo e nos dirá: “Quem são vocês?”. E, quando dissermos: “Somos dois dos seus irmãos”, ele responderá: “Vocês estão mentindo: são dois ladrões que andam por aí enganando e roubando as esmolas dos pobres. Fora daqui!”. Ele não abrirá a porta e nos fará ficar do lado de fora, no meio da neve, da água e do frio, com fome, até que a noite chegue. Então, se diante de tanta injúria, tanta crueldade e tantos vitupérios, nós nos apoiarmos mútua e pacientemente, sem turbar-nos e sem murmurar contra ele, ó Frei Leão, nisso estará a perfeita alegria!

Nesta fraternidade dos pobres, em meio a penúrias e dissabores, mas abençoados pelo verdadeiro segredo da felicidade, que é o amor, esconde-se o maior tesouro, a maior riqueza. Como dizia Pedro Casaldáliga, “não ter nada, não levar nada, não pedir nada, não matar nada e esperar tudo de Deus”.

Tags:
Papa FranciscoPobreza
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia