Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 24 Novembro |
Santas Flora e Maria
home iconAtualidade
line break icon

Atitude da Turquia ante jihadistas provoca suspeitas na fronteira com Síria

<p>Curdos sírios tentam pegar garrafas d'água lançadas por homem localizado no lado turco da fronteira, em 21 de setembro de 2014</p>

AFP - publicado em 22/09/14

A Turquia obteve no sábado a libertação de 46 de seus cidadãos, reféns do EI desde a tomada do consulado geral do Iraque em Mossul

A Turquia acolheu em seu território dezenas de milhares de refugiados curdos da Síria, mas, apesar disso, é acusada de manter relações ambíguas com os jihadistas do Estado Islâmico (EI), cuja ofensiva provocou este êxodo maciço.

Há três dias, Ibrahim Binici passa a maior parte de seu tempo no posto fronteiriço turco-sírio de Mursitpinar.

Rodeado por cercas de arame farpado, este deputado do Partido Democrático Popular (HDP) pró-curdo tenta facilitar a passagem de seus "irmãos" que fogem dos combates na cidade síria de Ain al-Arab, localizada a uma curta distância.

Binici está revoltado com o governo islamita e conservador turco.

"Quando os loucos do Daesh (o grupo Estado Islâmico) saíram de Mossul (no Iraque) para atacar Ain al-Arab (Koban em curdo), teriam bastado dois aviões para impedi-los, mas nada foi feito", se queixa.

"As autoridades turcas são em parte responsáveis por esta situação. Protegem Daesh, que é uma organização terrorista", prossegue Binici. "Hoje impedem os jovens curdos de retornar à Síria para defender seu território", explica.

Segundo o deputado, muitos jovens curdos entraram na Turquia para acompanhar suas famílias e deixá-las a salvo, e depois tentaram retornar à Síria para prosseguir com seu combate contra o EI.

O Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) renovou nesta segunda-feira seu apelo aos curdos da Turquia para que lutem contra o EI.

Mas as forças de segurança turca se opõem ao retorno dos refugiados à Síria. "Razões de segurança", alegam os oficiais do posto fronteiriço.

No domingo, ocorreram nesta fronteira violentos confrontos entre a polícia turca e militantes curdos procedentes do sudeste da Turquia. Estes militantes consideram que o governo turco, no poder desde 2002, tem um comporamento duplo.

Nesta segunda-feira voltaram a ocorrer mais confrontos entre a polícia e jovens curdos, perto da pequena localidade turca de Suruç, localizada próxima à fronteira.

Apoio aos loucos de "Daesh"

"O poder não quer que defendamos nosso território", acusa o jovem curdo Mehmed Eminakma, proveniente de Cizre, no sudeste turco. "Apoia os loucos do Daesh, e não as populações sírias", afirma.

Na mesma linha, 10.000 pessoas se manifestaram no domingo em Istambul, carregando cartazes nos quais se lia: "Estado Islâmico assassino, AKP (o partido político no poder na Turquia) cúmplice".

Os curdos são um povo indoeuropeu que habita a zona do Curdistão, que envolve regiões de Turquia, Síria, Iraque e Irã.

Sob a ameaça dos jihadistas do EI, Feyad Bekir teve que deixar seu povoado em Kule, na Síria, para se refugiar na Turquia. Ele também critica o governo do país que o acolhe.

"Os turcos dizem que não podem fazer nada devido aos seus reféns, mas agora que estão livres que venham nos ajudar, mas não, seguem apoiando-os às escondidas", afirma.

A Turquia obteve no sábado a libertação de 46 de seus cidadãos, reféns do EI desde a tomada do consulado geral do Iraque em Mossul, em junho, quando os jihadistas iniciaram sua ofensiva no Iraque.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, explicou que esta libertação foi alcançada graças a negociações diplomáticas e políticas, reforçando, assim, a ideia de um acordo com os sequestradores, embora não tenha fornecido detalhes sobre a negociação.

Embora negue com firmeza, Erdogan é acusado de ter apoiado, inclusive armando-os, os grupos rebeldes sírios mais radicais – entre eles o EI – para acelerar a queda do regime de Bashar al-Assad.

Ismail Emer Ziravek, que deixou a Síria há dois dias, tem sua própria explicação sobre a atitude ambígua do governo turco. "Seu medo é que haja em seu território um Curdistão, como já ocorre no Iraque (o Curdistão iraquiano é autônomo). Estão dispostos a tudo para evitar isso, inclusive apoiar o Daesh", afirma.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
FATHER PIO
Maria Paola Daud
Quando Jesus conversou sobre o fim do mundo c...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Medalha de São Bento
pildorasdefe.net
Oração a São Bento para afastar o mal e pedir...
Reportagem local
Oração para afastar o mal de um recinto
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
AGNUS DEI,LAMB
Jesús Colina
Ninguém consegue ouvir este “Agnus Dei” sem s...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia