Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 04 Fevereiro |
Santo Eutíquio de Roma
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Sínodo da família: não tenhamos medo do debate na Igreja

Synode 2014 sur la famille – pt

ANDREAS SOLARO / AFP

Jorge Traslosheros - publicado em 24/09/14

Que ninguém se assuste: os cardeais Kasper e Müller não estão questionando a sacramentalidade do matrimônio

Estamos a poucos dias do sínodo extraordinário dos bispos, no qual abordarão os problemas da família no mundo atual. Ainda que seja difícil de acreditar, o planeta é maior que o Ocidente, onde, aliás, a mídia gerou expectativas infundadas.

O objetivo do sínodo, como bem explicou o cardeal Parolin, não é mudar a doutrina da Igreja (pois esta depende do Evangelho), mas abordar os problemas da família e do casamento, para definir uma estratégia pastoral que vá do local ao global.

O desafio é fantástico. Pessoalmente, alegra-me saber que, no mundo dos relativismos e frivolidades, existe uma instituição que leva a sério uma realidade que nos acompanhará durante a vida inteira: a família.

As falsas expectativas obedecem à falta de conhecimento sobre a maneira como se desenvolve um debate no âmbito católico, de maneira especial quando entram em jogo grandes temas, como o da família.

Nada mais falso do que a ideia da suposta soberana intransigência dentro da Igreja, ainda que a tentação sempre exista, razão pela qual é necessário combatê-la sem piedade.  Também existem os que confundem a autoridade com a imobilidade. Para entender como se desenvolve um debate dentro das coordenadas católicas, é preciso atender, em princípio, a 5 elementos.

1. Unidade no essencial, liberdade no duvidoso e caridade em tudo

O essencial é pouco e sólido, pois depende da doutrina emanada do Evangelho e da tradição. Assim, porque o solo é firme, os debates costumam ser intensos. No entanto, quando se respeita o essencial, impera a caridade, que não deve ser confundida com sorrisinhos e cumprimentos educados.

Em um debate sério, como o que agora presenciamos antes do sínodo, a caridade se afirma com abertura e diálogo, ou seja, buscando a verdade, ainda que faltem os sorrisos. Por outro lado, quando o essencial não é respeitado, a liberdade se torna retórica e a caridade se ausenta. Então, a catolicidade se perde. Até agora, não vimos ninguém nesta situação e tenho certeza de que não o encontraremos.

O debate entre os cardeais Kasper e Müller é intenso, mas segue a lógica de Santo Agostinho, exposta no título deste tópico. Ninguém questiona a sacramentalidade do matrimônio, que é o essencial, razão pela qual argumental com grande liberdade sobre a atenção pastoral aos divorciados novamente casados. Outros cardeais se uniram à discussão, o que é lógico e, além disso, muito saudável. Que ninguém se assuste: no final, a caridade vencerá a partida.

2. O debate mantém uma ordem específica de acordo com a fé e a razão

Observa-se um problema, apresenta-se uma hipótese, buscam-se os argumentos a favor e contra, aproveitando diversos saberes teológicos, científicos, sociológicos, históricos etc, para tomar decisões firmes e informadas.

O normal, nestes casos, é a participação de diversos agentes eclesiásticos em diferentes momentos – sejam eles leigos, religiosos, presbíteros, bispos, teólogos –, por meio de consultas, como assessores etc. Há uma profunda convicção de que a realidade é o mapa da nossa existência; a razão, o meio que nos ajuda a compreender; e a fé, bússola que orienta o caminho.

Ao que parece, no caso acima comentado, com a autorização do Papa, Kasper e Müller têm opiniões fortes e estão convencidos do que dizem. O próprio Papa se encarregou de apresentar a hipótese a debate sobre a conveniência de, em certos casos, depois de períodos penitenciais, aceitar a comunhão sacramental dos divorciados novamente casados.

O que vemos é que o método vai se cumprindo e há material abundante para ser discutido neste campo, como em muitos outros. As decisões pastorais, podemos ter certeza, não serão tomadas com superficialidade.


3. Promove-se o diálogo entre justiça e misericórdia

Unicamente com justiça, caímos no rigorismo; somente com misericórdia, esta se confunde com a lassidão, oposto da misericórdia. Quando o debate se realiza dentro das coordenadas fé-razão e justiça-misericórdia, entramos no campo da caridade, o que, por outro lado, confirma o velho princípio da cultura católica: et-et­, somar na caridade.

O leitor poderá esboçar um plano cartesiano em cujo centro se encontre precisamente a caridade. Será de grande ajuda para entender onde se encontram as diversas posições, com seus matizes, e também como nenhuma delas abandona o Evangelho e a tradição.

4. As diversas escolas teológicas ocupam um lugar muito importante no debate

Hoje, é necessário levar isso em consideração; desde o cardeal Newman, busca-se centrar a reflexão na dignidade da pessoa frente aos excessos coletivistas, individualistas e utilitários da nossa época. Este personalismo filosófico e teológico esteve muito presente no magistério dos últimos papas, inclusive Francisco.

O princípio é simples. Cristo nos mostra a plenitude da nossa humanidade porque nos abre o caminho rumo a Deus. O diálogo entre fé e razão, entre nossa frágil humanidade e Jesus, entre a justiça e a misericórdia, orienta-se à dignificação de cada pessoa e de todas as pessoas, com o fim de tornar-se realidade na particularidade de cada cultura.

Francamente, no momento atual do debate, e tendo revisado as diversas posições, observo nos participantes, sem exceção, a mesma intenção e vocação pela pessoa.

5. O debate se submete o tempo todo a uma prova de autenticidade

A fé na razão deve coincidir com as razões da fé. Só então estaremos diante de uma genuína discussão dentro das coordenadas católicas.

O processo, em seu conjunto, conduz a tomar decisões firmes no campo pastoral, ainda que sejam impopulares ou politicamente incorretas. Sua implantação e desenvolvimento poderão levar gerações, mas acontecerão. No momento culminante da tomada de decisões – não podemos nos esquecer –, o Papa estará sozinho diante de Deus.

A denúncia profética de Paulo VI contra a mentalidade antinatalista da nossa época, e da injustiça sistêmica contra os pobres do mundo, bem como sua defesa não menos profética do Concílio, do ecumenismo e da liberdade religiosa, são bons exemplos do que expusemos aqui.

Sua valentia, tão atacada dentro e fora da Igreja por motivos às vezes diversos, permitiu aos católicos avançar em meio a dificuldades. Hoje, a promoção da vida e do diálogo ecumênico e inter-religioso, a defesa da liberdade religiosa, a afirmação da doutrina social da Igreja e do próprio Concílio são realidades cotidianas para muitos católicos.

Mas alguns se esquecem das grandes polêmicas que houve naquela época. Diversas pessoas inclusive abandonaram o catolicismo criticando seu extremismo e afirmando ser, eles, os autênticos católicos.

A sinodalidade na condução da Igreja, tão amada por Paulo VI, assim como por Francisco, confirma a responsabilidade pessoal de cada bispo e do próprio Papa na tomada de decisões. Pouca surpresa, como explicou muito bem Ratzinger: a Igreja caminha pelo delicado equilíbrio entre a colegialidade e a responsabilidade pessoal – leigos incluídos, claro. Mais uma vez, o velho princípio: et-et, somar na caridade.

Só pode existir liberdade porque há ordem e clareza nos debates eclesiásticos. Pensar que a Igreja poderia alcançar um estado de quietude argumentativa é um engano. Isso nunca aconteceu, nem sequer na época dos Apóstolos, o que constitui uma das grandes riquezas do catolicismo.

De fato, este é um dos seus mais importantes motores ao longo da história e a razão pela qual é tão apaixonante estudá-la. Tenho certeza de que o Sínodo sobre a família, em seus dois capítulos, não será a exceção. Suas decisões marcarão o rumo da Igreja na presente e nas futuras gerações.

Só uma recomendação: apertem os cintos, porque isso tudo será muito emocionante!

Tags:
CasamentoFamíliaIgrejaSínodo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia