Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 05 Dezembro |
São Saba
home iconAtualidade
line break icon

Presidente afirma que pior da guerra na Ucrânia já passou e quer adesão à UE

<p>Poroshenko participa de uma entrevista coletiva em Kiev</p>

AFP - publicado em 25/09/14

O presidente apresentou a "Estratégia 2020", que prevê 60 reformas e programas sociais que devem ser adotados para preparar a Ucrânia

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, afirmou nesta quinta-feira que o pior da guerra com os insurgentes pró-Rússia no leste do país já passou, e anunciou que solicitará a adesão à União Europeia (UE) em 2020.

Poroshenko, que reiterou sua crença no plano de paz, também ordenou ao governo o fechamento temporário da fronteira da Ucrânia com a Rússia para deter a "interferência" nos assuntos nacionais.

O presidente apresentou a "Estratégia 2020", que prevê 60 reformas e programas sociais que devem ser adotados para preparar a Ucrânia para solicitar a entrada na UE dentro de seis anos.

Ele também pediu ao governo que renuncie oficialmente aos status de país não alinhado, o que abriria o caminho para uma eventual entrada na Otan.

As reformas previstas têm por objetivo lutar contra a corrupção, modificar o funcionamento da justiça e da polícia, liberalizar a economia e reduzir os impostos das empresas, entre outras coisas, para "responder às exigências dos potenciais investidores internacionais", afirmou o presidente.

Os Parlamentos ucraniano e europeu ratificaram na semana passada o Acordo de Associação que Kiev e UE assinaram em junho.

Mas no bloco, poucos falam de maneira séria sobre a possível adesão da Ucrânia à UE.

No plano interno, o presidente ucraniano afirmou que "a parte principal e mais perigosa da guerra já passou".

Poroshenko também afirmou não ter "nenhuma dúvida" de que o plano de paz vai funcionar.

Depois da assinatura em 5 de setembro de um cessar-fogo para tentar acabar com o conflito armado que provocou mais de 3.200 mortes, segundo a ONU, o Parlamento ucraniano aprovou em 16 de setembro um "estatuto especial" para as regiões separatistas, assim como eleições locais em 7 de dezembro e uma lei de anistia com condições.

Mas, ao mesmo tempo em que retiravam gradualmente a artilharia, para permitir a instauração de uma zona desmilitarizada, os rebeldes pró-Rússia convocaram na terça-feira eleições presidenciais e legislativas em novembro no oeste da Ucrânia.

Poroshenko afirmou esperar que Moscou não reconheça a validade destas eleições.

O presidente também decretou o "fechamento temporário dos postos de controle na fronteira da Ucrânia com a Federação da Rússia ao tráfego de veículos, marítimo e de pedestres".

Os anúncios evidenciam o distanciamento da Ucrânia de um aliado histórico, depois da destituição em fevereiro do presidente ucraniano pró-Rússia Viktor Yanukovytch e da anexação da península da Crimeia por Moscou e março, o que provocou o início dos combates entre as tropas ucranianas e os insurgentes pró-Rússia.

Mas o fechamento das fronteiras também ameaça prejudicar ainda mais a economia ucraniana, ao impedir o comércio entre duas nações mutuamente dependentes.

Kiev e as potências ocidentais acusam Moscou de enviar tropas e armamentos à Ucrânia para apoiar os separatistas, o que a Rússia nega.

Uma fonte das forças de segurança afirmou à AFP que o fechamento das fronteiras pretende evitar que "agentes subversivos" russos entrem em território ucraniano de carro, além de limitar as entradas em seu território aos trens e aviões.

"Será mais difícil entrar com explosivos e armas na Ucrânia", disse a mesma fonte.

"A Ucrânia fechou postos de controle que estão sob ataque dos rebeldes há algum tempo, mas o restante da fronteira entre Ucrânia e Rússia continua operando como antes", disse Andri Kucherov, porta-voz da unidade de fronteira ucraniana.

O decreto de Poroshenko foi publicado horas depois de um discurso do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, na ONU com denúncias sobre a "agressão" da Rússia ao país vizinho.

Tags:
Mundo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
HUG
Dolors Massot
Médico abraça paciente com Covid-19 que chora...
PADRE NO ALTAR DA MISSA
Reportagem local
Missa de Crisma é interrompida por policiais ...
Missa de Crisma
Reportagem local
Arcebispo detona interrupção de Missa: "Ocorr...
BOKO HARAM NIGÉRIA
Francisco Vêneto
Terroristas islâmicos degolam mais de 100 pes...
Bispo brasileiro Dom Antônio Carlos Rossi Keller
Reportagem local
Mais um bispo brasileiro detona: "Autoridades...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia