Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 24 Novembro |
Santas Flora e Maria
home iconAtualidade
line break icon

Mobilização pró-democracia ganha força em Hong Kong

<p>A polícia de Hong Kong fez uso de gás lacrimogêneo no domingo para dispersar os milhares de manifestantes defensores da democracia, determinados a conquistar de Pequim maiores liberdades políticas</p>

AFP - publicado em 29/09/14

As autoridades chinesas censuraram nas redes sociais qualquer informação sobre as manifestações na ex-colônia britânica

Com uma campanha crescente, milhares de manifestantes pró-democracia de Hong Kong prosseguiam nesta segunda-feira com o desafio ao governo chinês e a exigência de mais liberdades políticas.

A campanha de desobediência civil em curso há algumas semanas na ex-colônia britânica se intensificou de forma espetacular no fim de semana e virou o episódio de violência urbana mais grave desde que o território foi devolvido a China em 1997.

No domingo à noite e durante a madrugada de segunda-feira, a polícia usou gás lacrimogêneo (87 vezes em nove pontos diferentes) e spray de pimenta para dispersar os manifestantes, o que provocou cenas de caos pouco frequentes nas ruas de Hong Kong.

Em um aparente gesto de apaziguamento, o governo de Hong Kong anunciou nesta segunda-feira a retirada da polícia antidistúrbios das ruas, mas pediu em troca aos manifestantes "que liberem as ruas ocupadas o mais rápido possível, para dar passagem aos veículos de emergência e restabelecer os serviços de transporte público".

Mas o número de manifestantes nas ruas aumentou com o passar das horas e nesta segunda-feira à noite quase 20.000 pessoas estavam concentradas no bairro de Admiralty, perto da sede do governo.

Os ativistas pró-democracia também controlam três cruzamentos vitais da cidade, onde moram mais de sete milhões de pessoas.

"Hoje estamos mais otimistas. Não há muitos policiais para bloquear as áreas com manifestantes", declarou à AFP Ivan Yeung, um ativista de 27 anos que passou toda a noite acampado no bairro de Causeway Bay.

Mais de 200 linhas de ônibus foram suspensas ou desviadas, o tráfego de bondes estava afetado e várias estações de metrô permaneciam fechadas.

Além disso, várias escolas e empresas permaneceram fechadas, o que prejudica a atividade nesta importante praça financeira e econômica.

Nesta segunda-feira, a Bolsa de Hong Kong fechou em baixa de 1,9% e analistas esperam volatilidade nos próximos dias.

O governo britânico expressou inquietação com o que acontece na ex-colônia e pediu às autoridades chinesas e aos manifestantes conversas construtivas, que permitam o avanço da democracia, ao mesmo tempo que o presidente de Taiwan, Ma Ying-jeou, declarou pleno apoio aos manifestantes.

China censura informação

Os manifestantes exigem que Pequim suspenda as restrições ao sufrágio universal em Hong Kong, um território que goza de mais liberdades políticas que o restante do país, como a liberdade de expressão e de manifestação.

O governo central anunciou em agosto que a próxima eleição do líder do Executivo de Hong Kong, em 2017, será realizada por sufrágio universal, mas que só poderão se apresentar dois ou três candidatos aprovados por um comitê leal a Pequim.

Para os ativistas pró-democracia, esta condição é inaceitável.

Além dos estudantes, vanguarda da campanha de protestos, a ampliação do movimento também é resultado do trabalho da ‘Occupy Central’, a organização pró-democracia mais importante de Hong Kong.

A organização previa inicialmente ocupar a partir de 1 de outubro o bairro financeiro Central, mas como os acontecimentos mudaram rapidamente, decidiu convocar os simpatizantes para as ruas no domingo.

De acordo com a rádio RTHK, 41 pessoas feridas durante os confrontos foram hospitalizadas.

No total, 78 foram detidas por diversos motivos: perturbação da ordem pública, entrada ilegal em prédios do governo ou violência contra representantes da força pública.

A imprensa estatal chinesa afirmou que as manifestações pró-democracia em Hong Kong, estimuladas por "extremistas políticos", estão "fadadas ao fracasso".

As autoridades chinesas censuraram nas redes sociais qualquer informação sobre as manifestações na ex-colônia britânica, incluindo as fotos no aplicativo Instagram.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
FATHER PIO
Maria Paola Daud
Quando Jesus conversou sobre o fim do mundo c...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Medalha de São Bento
pildorasdefe.net
Oração a São Bento para afastar o mal e pedir...
Reportagem local
Oração para afastar o mal de um recinto
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
AGNUS DEI,LAMB
Jesús Colina
Ninguém consegue ouvir este “Agnus Dei” sem s...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia