Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 26 Novembro |
São Silvestre Guzzolini
home iconAtualidade
line break icon

Bombardeios na Síria têm impacto limitado sobre jihadistas

AFP

<p>(23 set) Avião militar americano retorna de uma missão contra jihadistas</p>

Agências de Notícias - publicado em 30/09/14

O avanço do grupo extremista Estado Islâmico foi freado?

A campanha aérea lançada há uma semana pelos Estados Unidos e seus aliados na Síria parece ter tido um impacto limitado na organização Estado Islâmico (EI), que esvaziou suas principais infraestruturas e se misturou à população, segundo especialistas.

O avanço do grupo EI foi freado?

Depois de lançar bombardeios contra posições do EI no Iraque no dia 8 de agosto, os Estados Unidos passaram a dirigir a partir de 23 de setembro ataques aéreos contra posições deste grupo na Síria.

Os especialistas consideram que é cedo para fazer um primeiro balanço dos bombardeios na Síria, que levaram o grupo jihadista a abandonar suas posições mais visíveis.

"O EI se tornou menos visível que antes, quando se viam patrulhas jihadistas nas cidades controladas por eles. Atualmente desapareceram", declara à AFP o diretor do Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), uma ONG com sede na Grã-Bretanha.

"Os jihadistas se misturaram à população", acrescenta Rami Abdel Rahman. Assim, por exemplo, colocaram seus blindados no meio de uma localidade do leste da Síria.

Para Thomas Pierret, especialista de Síria na universidade de Edimburgo, o EI não é "um exército regular, mas uma organização relativamente flexível e, consequentemente, pouco dependente de infraestruturas fixas".

Abandonar algumas delas não representa um problema insuperável para o EI, acrescenta.

Segundo o OSDH, os bombardeios liderados pelos Estados Unidos provocaram a morte de 200 jihadistas, mas serviram muito pouco para frear o avanço do EI, em particular na frente curda.

Assim, os combatentes deste grupo seguiram avançando e encontram-se a apenas cinco quilômetros de Ain al-Arab, localidade síria da qual querem se apoderar para controlar de forma contínua uma longa faixa de território ao longo da fronteira com a Turquia.

O grupo jihadista também avança perto da fronteira com o Iraque, onde conquistou localidades da província de Hasaka, provocando a morte de 50 combatentes curdos.

EI conquistou novos simpatizantes?

Parte da população era a favor dos bombardeios. No entanto, os especialistas estimam que o grupo EI conquistou novos simpatizantes entre os que eram seus inimigos, com os quais compartilha hostilidade em relação aos Estados Unidos.

"O fato de serem os Estados Unidos os que atacam levou os islamitas sírios contrários ao EI a se opor aos ataques aéreos", estima o diretor do OSDH, para quem mais de 70 jihadistas, incluindo quatro europeus, se uniram ao grupo Estado Islâmico desde o início dos bombardeios.

A Frente Al-Nosra, braço da Al-Qaeda na Síria, odiava o EI, mas agora "a comunidade jihadista parece fechar fileiras, embora o faça em um grau limitado", estima Aron Lund, especialista da Síria no Centro Carnegie. Para ele, "pregadores jihadistas são reticentes ante a ideia de criticar severamente o EI em pleno confronto direto com os Estados Unidos".

Além disso, a morte de pelo menos 22 civis, os bombardeios contra infraestruturas econômicas e o fato de o poder do presidente Bashar al-Assad não ser atacado também geraram oposição.

Foi possível privar o EI de fundos?

Segundo o exército americano, muitas refinarias de petróleo artesanais controladas pelo EI no leste da Síria permitiam ao grupo jihadista obter cerca de dois milhões de dólares por dia, razão pela qual se tentou bombardear estas refinarias.

No entanto, segundo os especialistas a maioria do petróleo que o EI vende é material sem refino, extraído de uma centena de poços que continuam em atividade.

"Estes ataques não afetarão sua economia de modo decisivo", afirma Romain Caillet, especialista em movimentos islamitas.

(AFP)

Tags:
Estado Islâmico
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Confissão não é para contar problemas, mas para contar pecados
Pe. Gabriel Vila Verde
Confissão não é para contar problemas, mas pa...
RED WEDNESDAY
Reportagem local
Perseguição aos cristãos no mundo é denunciad...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia