Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 02 Dezembro |
São Cromácio de Aquileia
home iconAtualidade
line break icon

Manifestantes de Hong Kong decididos a vencer disputa com Pequim

<p>Manifestantes pró-democracia nas ruas de Hong Kong</p>

AFP - publicado em 30/09/14

Os manifestantes prometem ocupar o centro da cidade até que as autoridades de Pequim concedam as reformas políticas prometidas

O chefe do Governo de Hong Kong, que recebeu apoio de Pequim, exigiu nesta terça-feira o fim imediato das manifestações, mas os militantes pró-democracia prosseguiam com a mobilização às vésperas do feriado nacional da China.

Os manifestantes prometem ocupar o centro da cidade até que as autoridades de Pequim concedam as reformas políticas prometidas após a devolução à China da ex-colônia britânica em 1997.

Depois de ocupar pelo segundo dia consecutivo vários bairros de Hong Kong – que tem uma ampla autonomia, mas com a política decidida em sua essência por Pequim -, os manifestantes retornaram para suas casas para descansar, fazer uma refeição e tomar banho.

Durante a tarde, eles retornaram aos bairros Central e Admiralty, o pulmão financeiro da cidade, perto da sede do governo local.

Ao mesmo tempo, o país se prepara para dois dias de festa nacional, que comemora a vitória dos comunistas sobre os nacionalistas e a proclamação da República Popular da China em 1949.

O chefe do Executivo de Hong Kong, Leung Chun-ying, pediu nesta terça-feira ao Occupy Central, principal organização pró-democracia, o fim "imediato" das manifestações para que a cidade retorne ao funcionamento normal.

"Os fundadores do Occupy Central disseram, várias vezes, que se o movimento saísse do controle eles apelariam por seu fim. Peço hoje que respeitem seu compromisso e suspendam imediatamente sua campanha", declarou Leung Chun-ying, que falou pela primeira vez desde os incidentes de domingo.

O confronto entre manifestantes e as forças de segurança no domingo à noite levou a polícia a usar gás lacrimogêneo e spray de pimenta. As cenas, raras em Hong Kong, chocaram parte da população e alimentaram os boatos de intervenção do Exército chino, desmentidos pelo governo local.

A China transmitiu nesta terça-feira o apoio total ao governo de Hong Kong ante as manifestações.

"Apoiamos completamento o governo da região autônoma especial de Hong Kong para tratar este problema", declarou a porta-voz do ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying.

"Somos contrários a todas as ações ilegais em Hong Kong", afirmou.

Renúncia

O movimento Occupy Central rejeitou os pedidos do líder do governo local.

"Se Leung Chun-ying anunciar sua renúncia, esta ocupação terminará, ao menos provisoriamente", declarou o cofundador do movimento Chan Kin-man.

Em Londres, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, afirmou estar profundamente preocupado com os protestos em Hong Kong e recordou que a China se comprometeu a preservar a democracia na ex-colônia britânica.

O Reino Unido devolveu Hong Kong em 1997, sob um acordo que criou o princípio "um país, dois sistemas", que faria com que a China, um regime comunista, preservasse o sistema capitalista e o modo de vida da ex-colônia até, pelo menos, 2047.

"Quando alcançamos um acordo com a China, existiam detalhes no acordo sobre a importância de dar à população de Hong Kong um futuro democrático sob o amparo dos dois sistemas".

"Assim, efetivamente, estou profundamente preocupado com o que está acontecendo e espero que seja resolvido", disse.

Os estudantes de Hong Kong lideram a campanha de desobediência civil, idealizada para denunciar o que muitos cidadãos do território consideram um controle crescente dos assuntos locais por Pequim.

Os manifestantes exigem em particular um sufrágio universal sem condições e não aceitam a manutenção, até 2017, do controle de Pequim sobre os candidatos para comandar o governo local.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
PERU
Pablo Cesio
Peru: o menino de 6 anos que reza a Deus de j...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento...
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
Papa Francisco
Reportagem local
A oração diária de Advento que o Papa Francis...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia