Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 31 Julho |
home iconAtualidade
line break icon

Manifestantes voltam às ruas de Hong Kong no dia nacional da China

<p>Manifestantes pró-democracia reunidos perto da sede do governo de Hong Kong em 29 de setembro</p>

AFP - publicado em 01/10/14

Desde domingo, a campanha de desobediência civil ganhou força no território, o que provocou grande crise política

Milhares de manifestantes pró-democracia voltaram às ruas de Hong Kong nesta quarta-feira, dia nacional na China, determinados a dar uma nova demonstração de força, enquanto cresce o apoio internacional a seu movimento.

As autoridades chinesas e de Hong Kong celebraram o 65º aniversário da vitória dos comunistas sobre os nacionalistas e a proclamação da República Popular da China, no momento em que os ativistas pró-democracia lotavam as ruas da ex-colônia britânica.

Desde domingo, a campanha de desobediência civil ganhou força no território, o que provocou a maior crise política desde a devolução de Hong Kong à China, em 1997.

Os manifestantes denunciam interferências de Pequim, exigem o sufrágio universal sem condições e não aceitam que nas eleições de 2017 as autoridades chinesas mantenham o controle sobre os candidatos ao cargo de chefe de Governo local.

Na manhã desta quarta-feira, quando as bandeiras da China e de Hong Kong fora hasteadas na praça Golden Bauhinia, no bairro central de Wanchai, os gritos dos manifestantes foram ouvidos.

Depois, os ativistas vaiaram a passagem de dois helicópteros que exibiam uma grande bandeira da China e outra, menor, de Hong Kong.

O chefe do governo local, Leung Chun-ying, não citou de maneira direta o movimento pró-democracia no discurso que pronunciou ao fim da cerimônia, mas apelou a uma cooperação com a China.

"O desenvolvimento de Hong Kong e do continente (China) estão estreitamente vinculados. Devemos trabalhar juntos para que o sonho chinês se torne realidade", afirmou Leung, que teve a renúncia exigida pelo movimento pró-democracia por sua afinidade com Pequim.

O clima era calmo entre a multidão de manifestantes, apesar de alguns apelos para tentar forçar o cordão de isolamento policial perto da praça Golden Bauhinia.

Os militantes da "Revolução do Guarda-Chuva" – como é chamada nas redes sociais – eram mais numerosos que nos dias anteriores graças aos dois dias de feriado (quarta-feira e quinta-feira) da festa nacional chinesa.

Apoio internacional

O apoio internacional ao movimento pró-democracia em Hong Kong cresceu nos últimos dias. No Facebook, um grupo denominado "Unidos pela Democracia: Solidariedade Global com Hong Kong" afirma planejar atos neste sentido, da Austrália aos Estados Unidos.

O sul-africano Desmond Tutu, prêmio Nobel da Paz, expressou apoio aos manifestantes de Hong Kong, ao elogiar a coragem do movimento.

"Rezo para que as vozes do povo de Hong Kong nunca sejam caladas", declarou o líder da luta contra o apartheid e atual arcebispo honorário da Cidade do Cabo.

Na Nova Zelândia, quase 300 pessoas se reuniram na capital Auckland para apoiar os ativistas de Hong Kong, enquanto em Taiwan estão previstas manifestações de solidariedade.

O governo dos Estados Unidos informou que o assunto Hong Kong será abordado nesta quarta-feira em um encontro em Washington entre o secretário de Estado, John Kerry, e o chefe da diplomacia chinesa, Wang Yi.

Ao mesmo tempo, um grupo de defesa dos direitos humanos denunciou que vários ativistas foram detidos na China por expressar apoio às manifestações em Hong Kong.

"Vários cidadãos chineses sofreram represálias por expressar apoio às mobilizações de Hong Kong", denunciou o grupo China Human Rights Defenders (CHRD, Defensores dos Direitos Humanos na China).

A Anistia Internacional (AI) citou 20 detenções e 60 convocações para interrogatórios.

"A repressão de militantes na China explica as razões pelas quais tantos habitantes de Hong Kong temem o crescente controle de Pequim sobre os assuntos da cidade", afirmou William Nee, especialista em China da AI.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
2
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira rezou todos os dias às 3h...
3
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
4
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
5
David Arias
Reportagem local
Ex-satanista mexicano retorna à Igreja e testemunha: “O ter...
6
Claudio de Castro
Como salvar nossas almas nos últimos minutos antes da morte
7
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia