Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Filme “Annabelle”: uma fidedigna representação da possessão demoníaca

New-Line-Cinema
Compartilhar

Andamento da trama se mostra satisfatoriamente fiel à doutrina católica

Os criadores do filme "Annabelle" conseguiram pelo menos responder a uma pergunta incômoda, levantada pela divulgação das primeiras cenas do filme: por que é que alguém, em sã consciência, iria comprar uma boneca tão assustadora?
 
A resposta é simples: Annabelle é uma boneca muito valiosa. Descobrimos isso quando o jovem John Form (Ward Horton) leva a boneca-título do filme como presente-surpresa para a esposa grávida, Mia (Annabelle Wallis). A atriz faz um trabalho excelente ao se mostrar extremamente animada na hora de abrir o pacote e encontrar dentro dele o rosto pavoroso de Annabelle. A ideia de alguém ficar num êxtase desses depois de receber algo tão obviamente satânico desafia a nossa credulidade, mas Wallis se sai realmente bem.
 
O motivo para essa bizarra demonstração de alegria por parte de Mia é rapidamente explicado: a futura mamãe coloca Annabelle numa prateleira com outras duas ou três bonecas igualmente medonhas. Annabelle, ao que parece, faz parte de um conjunto muito disputado de peças de colecionador. É uma coisa bizarra, certamente, mas também é algo crível e relativamente comum: trata-se apenas, no fim das contas, de um caro brinquedo de porcelana a ser colocado orgulhosamente em exposição.
 
*Atenção: spoiler* Tudo muda, porém, quando os membros de um culto satânico invadem a casa dos Form e tentam sacrificar o casal. A polícia chega a tempo de impedir a violência brutal, mas não antes de uma das mulheres da seita cometer suicídio com a boneca no colo, como se fosse um bebê de verdade. A partir desse momento, o valioso presente de Mia passa a ter um significado bem diferente.
 
Quem já viu "The Conjuring" [“Invocação do Mal”, no Brasil, ou “A Evocação”, em Portugal] sabe que Annabelle representa um mau sinal. Como é explicado naquele filme, a boneca chamou a atenção de demonologistas da vida real: Ed e Lorraine Warren. É que o brinquedo, ou, para ser mais preciso, o espírito maligno vinculado ao brinquedo, aterrorizou duas jovens enfermeiras no início da década de 1970. Depois de investigar os relatos daquelas mulheres, os Warrens chamaram um padre para fazer um exorcismo na boneca e, depois, a trancaram numa caixa de vidro, onde ela continua até hoje. Todos os participantes dos eventos que cercam Annabelle afirmam que se trata de uma história verdadeira.

O filme "Annabelle" não faz esta asserção. Ele propõe, em vez disso, uma história completamente ficcional sobre como a terrível boneca poderia ter se tornado um canal para o demônio antes de cair em posse das enfermeiras. Em outras palavras, "Annabelle" é apenas mais um filme de terror fictício. Mas é extremamente bem-sucedido.
 
E isto é uma boa notícia para John R. Leonetti, que não tinha conquistado grandes aclamações da crítica pelo seu trabalho de direção em filmes como "Mortal Kombat: Annihilation" [“Combate Mortal 2” ou “Mortal Kombat: A Aniquilação”] e "The Butterfly Effect 2" [“Efeito Borboleta 2”]. Depois de passar a última meia década como diretor de fotografia de James Wan em filmes como "The Conjuring" e da franquia "Insidious" [“Sobrenatural”], parece que ele aprendeu alguns truques e que pode ter nas mãos, agora, o seu primeiro grande sucesso.
 
Ah, claro: há os inevitáveis ​​sustos e golpes musicais em "Annabelle". Mas, tal como Wan em seus filmes, Leonetti se baseia menos em sangue e mais em clima de medo, em figuras semivislumbradas no escuro para causar calafrios nos espectadores. A câmera chega a focar nos olhos assustadores de Annabelle. As pessoas sentem algo de suspeito. Surgem sons de cantos em penumbra. São técnicas conhecidas para quem já viu outros filmes de Wan, mas ainda são eficazes.

Páginas: 1 2