Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 26 Novembro |
São Silvestre Guzzolini
home iconAtualidade
line break icon

A família é fator de desenvolvimento fundamental

Ermolaev Alexander

Anna Pelleri - publicado em 06/10/14

É necessário sustentar a família com as políticas de harmonização entre trabalho e família

Frequentemente ouvimos falar da crise econômica como a causa da crise da família. De certa forma o fator econômico e a falta de trabalho afetam a decisão de formar uma família. Mas é um problema somente econômico? Perguntamos ao professor Stefano Zamagni, economista, professor a Universidade de Bologna.

O que é a família do ponto de vista econômico?

A família sempre desenvolveu um papel de natureza econômica. O que se nota pouco é a contribuição específica da família, enquanto instituição social, de um ponto de vista econômico. É o primeiro sujeito gerador de capital social, o primeiro determinante de capital humano e é gerador de capital relacional. Acrescentando, existem as funções específicas, ou seja, é um enriquecedor social. Temos muitos dados estatísticos que mostram como, onde a família funciona, a distribuição da renda é melhor e os níveis de pobreza são menores. Isto significa que a família realiza uma redistribuição que consente para as três gerações (avós, pais e filhos), de gerenciar também o pouco que tem. Quando a família para de desenvolver a própria função, por exemplo, nas formas de separação e divórcio, isto traz uma queda na economia. A ruptura do vínculo familiar é causa de entrada na pobreza de sujeitos que antes não estavam nela.

Fala-se muito de crises da família, ligando-as à crise econômica. É um problema econômico?

Todos colocam a cruz sobre a crise que, porém, começou há poucos anos, enquanto a diminuição da taxa de natalidade começou há 20 anos. Ou seja, a crise econômica não é a causa, mas no máximo ampliou algo que já acontecia. A incapacidade de tornar harmonioso os dois tipos de perfil (mãe-trabalhadora) e obrigar as mulheres a uma escolha dura que não é pedida aos homens, é a origem da crise da qual se fala hoje em relação à família. Essa escolha acontece quando se obriga um sujeito a escolher entre dois objetivos, ambos com valores (trabalho e família neste caso). Como se faz para definir uma sociedade da qual 51% da população (as mulheres) é forçada a tal trágica escolha? Na Suécia, por exemplo, a taxa de natalidade é 2,4 e a participação no trabalho é altíssima. Não é verdade que tem somente a possibilidade de escolher um ou outro. Família e trabalho não são antagônicos, mas é preciso fazer política séria de harmonização e não de conciliação, porque esta última quer dizer que as famílias devem se adaptar ao processo de trabalho e o resultado é o descrito. É o mundo produtivo que deve mudar para tornar possível esta harmonização. 

O que se espera do sínodo?

Eu espero muito: é significativo que o Papa Francisco tenha escolhido para seu primeiro sínodo o tema da família. Evidentemente existe consciência da gravidade da condição em que vivam as famílias. Do ponto de vista da vida eclesial me parece uma valorização forte de interesse e atenção aos temas da pastoral matrimonial. O casamento é um sacramento, a família não: ela se baseia no matrimônio. Se não se presta atenção ao casal que se casa, a família não se mantém. Existe uma pastoral pré-matrimonial, mas nada para após o casamento. Creio que seja necessário que seja retomado o tema da relação do casal e da vida conjugal. São ajudados os casais sobre o perfil cultural, do contrário se quebram e com a sua família. Espero enfim, que se afirme a família como um tema público, não privado e ligado às consciências. As famílias não são um interesse à parte, dos católicos por exemplo, mas são uma instituição. Espero que o sínodo reafirme que a família não é uma mera agregação de interesses da parte de preferências: hoje me interesso por você, me caso, depois de qualquer ano mudo as minhas preferências, me sinto livre e no direito de romper esta ligação matrimonial, passando a outra. 

Tags:
CasamentoFamília
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Confissão não é para contar problemas, mas para contar pecados
Pe. Gabriel Vila Verde
Confissão não é para contar problemas, mas pa...
RED WEDNESDAY
Reportagem local
Perseguição aos cristãos no mundo é denunciad...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia