Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 30 Novembro |
São Mirocletes
home iconAtualidade
line break icon

Os jovens franceses que optam pela jihad

<p>(30 set) Fouad, irmão de Nora, conversa com um advogado em Avignon</p>

AFP - publicado em 08/10/14

Quem são essas pessoas? Marginalizados, jovens de subúrbios pobres sem referências?

"Vocês me abandonaram": a frase, pronunciada por Nora, adolescente que partiu para se juntar à jihad na Síria sem que sua família soubesse, e que agora não pode retornar, tornou-se uma obsessão para Fouad, seu irmão mais velho, de 37 anos.

A França, que tem a maior comunidade muçulmana da Europa, é também é o país de origem do maior contingente de jihadistas ocidentais. Quase mil viajaram para Síria e Iraque através das redes de recrutamento.

Quem são essas pessoas? Marginalizados, jovens de subúrbios pobres sem referências?

"Não se trata apenas de Aicha e Brahim, mas também de Jacqueline e Michel", destaca Hassen Chalghoumi, imã da região parisiense conhecido por suas críticas ao extremismo.

Todas as regiões da França e todos os meios sociais estão envolvidos: rurais, urbanos, jovens, nem tão jovens, muçulmanos, convertidos (21%, segundo o Ministério do Interior), famílias, profissionais liberais.

Desde 23 de janeiro, data da viagem clandestina de Nora, então com 15 anos, Fouad e sua família vivem um inferno e não conseguem entender como a aluna do ensino secundário de Avignon, uma boa estudante que sonhava em ser médica, abandonou tudo.

Fouad descobriu que sua irmã tinha uma "vida dupla", dois estilos de figurino e duas contas no Facebook: em uma registrava a vida de uma adolescente comum, na outra afirmava que desejava "viajar a Aleppo para ajudar os irmãos sírios", referindo-se à cidade do norte da Síria.

"Se não fizer nada, terei que prestar contas a Alá", escreveu.

Em abril, Fouad conseguiu encontrar a irmã na Síria, por meia hora na presença de seu emir, Omar Omsen, um franco-senegalês.

No Twitter, corações e fuzis kalashnikov

"Eu a encontrei em péssimo estado, com o rosto inchado", disse.

Mas foi impossível convencer o emir a permitir que ela fosse embora. Em uma conversa por telefone antes do encontro, Nora disse ao irmão que desejava voltar para casa.

"Estou no meio de hipócritas e de covardes que aterrorizam os sírios", havia dito a jovem.

Até meados de março, Nora dizia que era "feliz, longe dos ímpios e dos estupradores".

Mas há dez dias, entre lágrimas, afirmou: "Sinto falta de vocês…vocês me abandonaram".

"Hoje é uma refém, vítima de uma seita", afirma o advogado de Fouad, Guy Guénoun.

Dounia Bouzar, diretora do centro de Prevenção contra Seitas Ligadas ao Islã, se declara preocupada com o número crescente dos que viajam para combater na jihad.

Eles passaram horas no YouTube e nas redes sociais, assistindo a imagens impactantes e mensagens que convocavam para viagens à Sham (Grande Síria) do grupo Estado Islâmico (EI) ou da Frente Al-Nosra, ligada à Al-Qaeda.

Os jovens não frequentavam as mesquitas e se isolaram de suas famílias e amigos.

"É a geração web", resume David Thomson, jornalista da Rádio França Internacional (RFI) e autor do livro "Les Français jihadistes" (Os franceses jihadistas, em tradução livre).

"Eles não têm uma cultura particular do Islã", afirma o advogado Martin Pradel, defensor de vários jihadistas detidos quando retornaram para a França, citando o caso de um executivo na casa dos 30 anos, com bom nível de vida e nada em comum com os adolescentes em situação de fracasso escolar dos subúrbios pobres.

O advogado ressalta a rapidez da radicalização de alguns, "em um mês" no caso de um cliente.

"Estamos descobrindo a ponta do iceberg", afirma Guénoun, que destaca as "redes" dedicadas às viagens para a Síria dos candidatos à jihad, e ativas em toda a França.

Apesar da adesão às ideias, alguns não tomam a decisão de partir. Este é o caso de uma jovem estudante de Direito de 20 anos que declarou à AFP que aqueles que não podem viajar, "fazem a jihad onde estão".

Ela disse acreditar que atentados serão cometidos na França, mas garante que não participará deles.

A jovem mantém contato pelas redes sociais com amigos na Síria e afirma que eles são muito felizes.

Ao ser perguntada sobre as decapitações de reféns, responde: "É triste, mas é a guerra".

Em sua conta no Twitter, a jovem comenta as fotos dos jihadistas que aparecem com fuzis kalashnikov e junto com um gato de estimação. Seus comentários são acompanhados de vários corações.

Tags:
Mundo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
FIRST CENTURY HOUSE AT THE SISTERS OF NAZARETH SITE
John Burger
Arqueólogo diz ter encontrado a casa onde Jes...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia