Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 03 Agosto |
home iconAtualidade
line break icon

Mulher sequestrada oferece emprego ao seu verdugo: “Deus é perdão”

©AWR

Ary Waldir Ramos Díaz - publicado em 10/10/14

Conheça o impressionante testemunho de Sandra diante do Papa Francisco: “Quem sou eu para não perdoar, ao ver tanta dor?”

Após uma de suas recentes audiências, o Papa Francisco deu sua bênção apostólica a um grupo de pessoas vítimas do conflito armado na Colômbia. Sandra Gutiérrez, vítima da guerra, pediu ao Papa que rezasse pela “ferida que continua aberta no meu coração”: a paz da sua pátria.

Sandra é uma mulher que abraçou seu sequestrador após ter sofrido maus-tratos, assédio, perseguição e a morte de um ente querido. Ela diz viver um enérgico compromisso por uma solução ao conflito armado que atinge a Colômbia há 50 anos.

Ao contrário de muitos, ela testemunha que preferiu deixar o ódio para trás e trabalhar pela solução. Ela se dedica a dar dignidade, por meio de um emprego, àqueles que viviam das armas. Em suas palavras há um interrogante aberto: “Quem sou eu para não perdoar, ao ver tanta dor?”.

Como foi o encontro com o Papa Francisco?

Foi muito emocionante, porque o Papa reza pela paz da minha nação todos os dias, e uma das petições que eu trazia era a de que ele orasse pela paz do meu país. Ele enviou uma mensagem aos nossos irmãos: “Chega de guerra! Chega de morte!”.

Entre 1990 e 2002, você, que hoje tem 46 anos, foi vítima várias vezes de diversos grupos armados ilegais, sofrendo pessoalmente um sequestro, ataques contra a sua família, que tiveram como consequência mortes e deslocamento forçado. Você poderia nos contar mais sobre as circunstâncias do seu sequestro?

Eu estava fazendo um trabalho. Era funcionária do governo. Alguém me acusou de ser uma colaboradora da guerrilha. Eu tinha sido contratada pelo governo para construir casas populares na zona rural, quando fui sequestrada pelos paramilitares.

Depois desse sequestro, sabemos que você não conseguiu mais ter família, e suas feridas físicas e psicológicas lhe causaram grandes transtornos, que só por meio do perdão você conseguiu superar. É fácil perdoar?

É fácil quando a pessoa consegue se reconciliar consigo mesma. Estou em contato com Deus, que é o único que pode curar os corações feridos e endurecidos. Não foi fácil percorrer o caminho do perdão, mas saí ganhando quando o trilhei.

Você se encontrou com os que antes foram seus verdugos?

Tive um encontro pessoal com um dos meus sequestradores. Eu lhe disse que eu o havia perdoado, que não se preocupasse, que o que aconteceu ficou no passado. Ele chorou. Nós nos abraçamos. Foi nesse momento que pude concluir meu processo de perdão. E foi aí que entendi que, se Deus me encheu de tanto amor, era para amar os outros. Inclusive a quem me prejudicou tanto.

Em sua empresa familiar, você empregou 36 pessoas que abandonaram as armas. Como funciona isso?

Eles precisam de uma oportunidade. Talvez, se tivessem tido uma oportunidade antes… Eu tento me colocar no lugar dos outros. Precisamos nos entender. Perdoar o imperdoável. Entender o incompreensível e ajudar-nos mutuamente.

Qual é a ferida mais difícil de curar?

A maior ferida que tenho é a de ver minha nação devastada. Não se trata de mim, nem desse familiar que eu amava e que mataram. Não se trata das humilhações sofridas nem da minha alma destruída, e sim de ver o meu país sofrendo. De ver o sofrimento das mulheres.

Porque cada vez que alguém morre no meu país, é o ventre de uma mãe que fica sem seu filho.

Como é sua relação com Deus neste momento?

É um Deus de amor. Eu acredito em Jesus Cristo. Cada vez que vejo a cruz do calvário, entendo que existe um caminho de salvação. Nessa cruz ficaram os homens e mulheres das FARC, os paramilitares, e nela fiquei também eu, com meus pecados, e ficou toda a humanidade.

Ele nos deu esse dom, o perdão, como um presente – porque não o merecíamos. Isso me obriga a dar o meu

  • 1
  • 2
Tags:
Papa FranciscoPerdão
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
4
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
5
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
6
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
7
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia