Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 30 Novembro |
São Mirocletes
home iconAtualidade
line break icon

Turquia nega ter autorizado aos EUA uso de bases para atacar EI

<p>Porta-aviões americano ancorado no Golfo</p>

AFP - publicado em 13/10/14

A Turquia negou nesta segunda-feira ter autorizado o uso de suas bases aéreas pelos Estados Unidos para a campanha contra o grupo Estado Islâmico (EI) no Iraque e na Síria, onde os combatentes curdos lançaram nesta segunda-feira uma contraofensiva na cidade de Kobane.

"Não há nenhum novo acordo com os Estados Unidos sobre Incirlik", disse um funcionário do governo à AFP, em alusão a uma base aérea do sul da Turquia. "As negociações prosseguem", acrescentou.

Um funcionário americano da Defesa afirmou no domingo, sob condição de anonimato, que o governo de Ancara havia autorizado o exército americano a utilizar suas bases.

O chefe do Pentágono, Chuck Hagel, também informou no domingo que membros da oposição síria serão acolhidos e treinados na Turquia, acrescentando que Ancara receberá um grupo de especialistas americanos para "desenvolver um programa de treinamento".

Na cidade curda de Kobane, no norte da Síria, intensos combates eram travados nesta segunda-feira entre jihadistas e forças curdas, perto da fronteira com a Turquia.

Tiros de armas automáticas e de morteiros eram registrados em um bairro do norte de Kobane, a menos de um quilômetro da cerca que separa a Turquia da Síria, constatou um jornalista da AFP.

Esta zona é cruzada por civis curdos que fogem dos combates em direção à Turquia e por combatentes evacuados para ingressar nos hospitais turcos.

Aviões de combate americanos e sauditas realizaram no domingo e nesta segunda-feira oito ataques na Síria contra alvos do grupo Estado Islâmico, informaram militares dos Estados Unidos.

Os bombardeios atingiram sete alvos nos arredores de Kobane, segundo o comando central americano (Centcom). Os alvos incluíram unidades do EI, zonas de concentração, posições com armamento pesado e cinco edifícios tomados pelo EI.

Na noite de domingo, os curdos iniciaram uma contraofensiva e conseguiram retomar duas posições do EI no sul de Kobane, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH). Treze jihadistas morreram nestes confrontos, de acordo com a mesma fonte.

Kobane se converteu no símbolo da resistência contra os jihadistas, e sua queda daria o controle de uma ampla faixa de território na fronteira entre os dois países.

Com o avanço do EI às portas da Turquia, Ancara enfrentava uma pressão cada vez maior para participar da coalizão liderada pelos Estados Unidos contra os jihadistas na Síria e no Iraque.

Um funcionário americano da Defesa anunciou que a Turquia permitirá que os Estados Unidos utilizem suas bases aéreas, incluindo sua grande base de Incirlik (sul), próxima à fronteira com a Turquia.

O secretário americano da Defesa, Chuck Hagel, também agradeceu a Turquia por estar disposta a treinar membros da oposição síria, segundo seu porta-voz.

Militares americanos garantiram, em diversas ocasiões, que ataques aéreos não serão suficientes para derrotar os jihadistas, que proclamaram em junho um califado em amplas zonas da Síria e do Iraque sob seu controle.

O primeiro-ministro turco, Ahmed Davutoglu, convocou no domingo o apoio militar à oposição armada síria para criar uma terceira força no país vizinho capaz de derrotar os jihadistas e o regime de Damasco.

Mais de 180.000 pessoas morreram na Síria desde o início das revoltas contra o regime de Bashar al-Assad. O conflito se converteu em uma guerra civil que levou milhares de jihadistas estrangeiros ao país.

Iraquianos devem recuperar o Iraque

Ao mesmo tempo cresce a preocupação sobre o Iraque, onde os jihadistas ameaçam conquistar mais territórios.

As forças iraquianas enfrentam uma pressão crescente na província de Al-Anbar, situada entre Bagdá e a fronteira síria, onde um atentado matou no domingo o chefe da polícia local.

  • 1
  • 2
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
FIRST CENTURY HOUSE AT THE SISTERS OF NAZARETH SITE
John Burger
Arqueólogo diz ter encontrado a casa onde Jes...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia