Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 03 Março |
Santa Cunegundes
home iconReligião
line break icon

Choque de civilizações: a Santa Sé está fazendo uma interpretação errada?

Nicolas-Raymond CC

George Weigel - publicado em 16/10/14

Talvez a política externa do Vaticano precise de uma guinada

Dois discursos recentes, feitos por autoridades do Vaticano que lidam com a política mundial, sugerem que algumas posições-padrão da Santa Sé precisam ser revistas e mudadas.

Ambos os discursos fizeram referência ao livro "O choque de civilizações e a recomposição da ordem mundial", de Samuel Huntington. Os dois representantes vaticanos, numa perspectiva infeliz, deploraram uma suposta ansiedade de Huntington por antecipar o conflito entre as civilizações.

Resumamos o essencial dos argumentos de Huntington:

1) As linhas de atrito da política mundial após a Guerra Fria não são de tipo ideológico ou econômico (por exemplo, comunismo x democracia e mercado); as novas linhas de atrito são culturais.

2) Os Estados-nações continuarão a ser os principais atores no cenário internacional, mas eles se organizarão em blocos que refletem mais as suas afinidades culturais do que compromissos ideológicos ou sistemas econômicos concorrentes entre si.

3) A grande maioria dos cientistas políticos e dos teóricos das relações internacionais não se dá conta desta grande mudança nas placas tectônicas que subjazem à política mundial, porque eles são materialistas para quem só contam a política (a busca do poder) e a economia (a busca da riqueza). Esta cegueira deixa as autoridades públicas (que muitas vezes compartilham esse viés materialista) terrivelmente vulneráveis ​​a eventos cuja origem elas não conseguem compreender ou sequer imaginar.

4) Compreender o que está acontecendo no mundo, portanto, requer atenção a realidades geralmente ignoradas pelos cientistas políticos, pelos teóricos das relações internacionais e pelos próprios políticos, tais como a importância duradoura da convicção religiosa na modelagem das culturas, para o bem ou para o mal.

Sam Huntington, um filho da chamada “América WASP” (“white, anglo-saxon and protestant”, ou seja, branca, anglo-saxã e protestante) que demonstrou grande interesse pelo meu trabalho sobre o papel do catolicismo no colapso do comunismo, não estava prevendo, em sua obra, um caos inevitável provocado pelas linhas de atrito civilizacionais e culturais que ele tinha identificado. Ele estava nos alertando, em 1993, para os novos fatos da vida na política mundial, além de exortar tanto os teóricos quanto os estadistas a recalibrarem o seu pensamento a fim de administrar as tensões que, inevitavelmente, surgiriam ao longo dessas linhas de atrito. O artigo original de Huntington, publicado em 1993, bem como o livro derivado do artigo em 1996, são merecedores até hoje de leitura, até porque "O choque de civilizações" foi o primeiro livro, em várias gerações, no qual um cientista político de classe mundial levou a religião a sério como fator dinâmico, influente e, por vezes, determinante nos assuntos mundiais.

A sensibilidade de Huntington à relação entre religião e política mundial deveria ter sido considerada de modo mais profundo e sério pelo Vaticano. Entretanto, um Huntington-profeta-da-guerra-civilizacional-sem-fim é sempre evocado quando os funcionários da Santa Sé consideram necessário afirmar que "uma guerra entre o islã e ‘os outros’ não é inevitável" (o que seria verdadeiro se a guerra civil dentro do islã se resolvesse em favor dos muçulmanos que apoiam a tolerância religiosa e o pluralismo); ou que a perseguição contra os cristãos no Oriente Médio é um problema que deve ser encarado em conjunto com a ONU (ridículo); ou que o caminho para a paz reside no diálogo e não no confronto (o que também seria verdadeiro se a outra parte no diálogo não fosse tão dada a decapitar "os outros").

É claro que a proposta de Huntington não está acima de toda crítica, mas ele descreveu com precisão a grande mudança que ocorreria na

  • 1
  • 2
Tags:
PolíticaVaticano
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KOMUNIA NA RĘKĘ
Claudio de Castro
Padre chora copiosamente diante da falta de respeito com a Eucari...
2
missionárias mártires iêmen
Reportagem local
A corajosa última oração destas 4 freiras antes de serem mortas p...
3
SAINT JOSEPH
Philip Kosloski
10 coisas sobre São José que você precisa saber
4
Kathleen N. Hattrup
O homem que beijou a testa do Papa diz que se curou em Lourdes
5
HOLY FAMILY
Philip Kosloski
A antiga oração a São José que é “conhecida por nunca ter falhado...
6
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da missa
7
PRAYER
Desde la Fe
Coisas que você não deve fazer na Missa e talvez não saiba
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia