Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 26 Novembro |
São Silvestre Guzzolini
home iconAtualidade
line break icon

A questão mais importante não é a comunhão aos divorciados

© 5pani e 2 pesci

Inma Alvarez - publicado em 17/10/14

O grave problema é que, dos casais que pedem o sacramento do matrimônio, nem 10% estão preparados para recebê-lo

Segundo muitos meios de comunicação, o debate do sínodo esteve, está e estará focado na comunhãodosdivorciados novamente casados. Este é o muro contra o qual baterão todas as ondas, pois, com a doutrina católica nas mãos, a Igreja não tem potestade para dar a comunhão a estas pessoas. E é assim porque o contrário significaria afirmar que o matrimônio religioso não é indissolúvel, algo que o próprio Jesus deixou atado para sempre.

Pois bem, a maioria das pessoas que se casa pela Igreja é consciente de ter pronunciado um voto sagrado que ata diante de Deus? Um pequeno passeio por qualquer paróquia do mundo deveria nos fazer refletir: a maior parte dos casais que a busca para casar-se não tem uma experiência de fé, nem sequer aparece na paróquia pelo resto da vida.

Muitos não receberam a Crisma e estão sem se confessar praticamente desde a primeira comunhão. A maior parte deles quer “regularizar” uma convivência já existente ou seguir a tradição familiar. Se perguntarmos sobre suas intenções acerca da doação de suas pessoas, a fidelidade ou a abertura à fecundidade, o mais provável é recebermos um olhar perplexo como resposta.

Hoje, em nossas sociedades, tão feridas do ponto de vista antropológico, um sacramento “de risco” como o casamento requer uma sólida vida de fé. Mas será que este déficit de vida cristã se soluciona com um curso de algumas semanas?

Para receber qualquer sacramento (exceto o Batismo dos recém-nascidos e a Unção dos Enfermos, por motivos óbvios), é preciso preparar-se durante anos, e não está claro que inclusive isso seja suficiente. O que acontece com o matrimônio, então?

A realidade, como comentava um catequista de cursos de noivos, é que, dos casais que pedem o sacramento, nem 10% estão preparados para recebê-lo. “Nós dizemos isso ao pároco, mas ele nem se importa”, afirma. E os dados confirmam: entre 3 e 5 anos depois, quase todos se divorciaram. Pelo contrário, é um milagre que alguns deles, depois de anos e muitas feridas, voltem a procurar a Igreja!

Se um casal com experiência de fé, que se casa consciente do que faz, que tem uma comunidade eclesial de referência e conta com o auxílio da graça, ainda assim passa por momentos em que tudo parece desabar e precisa se agarrar à fé inclusive heroicamente, o que farão os que constroem sua casa sobre areia?

A realidade é que a maioria dos que se casam pela Igreja está assinando uma hipoteca que não poderá pagar. Uma hipoteca que os fechará a volta para a comunhão no futuro, se a lei for aplicada ao pé da letra.

É preciso abrir os olhos: o sacramento do matrimônio não é um assunto privado entre duas pessoas, mas um bem e uma responsabilidade para a Igreja. Os sacerdotes têm o dever (que ficou claro no Direito Canônico e foi repetido por Bento XVI em um dos seus discursos à Rota Romana) de informar-se e entrevistar seriamente os noivos sobre suas intenções.

É preciso que haja uma pastoral sólida antes e depois do casamento. Admoestações, testemunhas, padrinhos… todos os requisitos prévios, que hoje são meras formalidades, precisam ser redescobertos, para que os noivos entendam sua razão de ser. O matrimônio cristão precisa ser entendido como algo muito sério por parte de todos, começando pelos sacerdotes.

E o que fazer com os que voltam depois de um fracasso? Será mesmo que a melhor resposta é dizer que deveriam ter lido o papel antes de assiná-lo? Talvez essas pessoas digam, com razão: “Por que você não nos aconselhou a não fazer isso, se sabia que não estávamos preparados?”.

O problema está em que herdamos uma pastoral sacramental que dá por descontada a fé dos batizados. E esta fé hoje, em muitos casos, já não existe. O convite à misericórdia com os que cometeram erros também precisa de um reconhecimento, por parte de muitas paróquias, de que os primeiros que não levaram a sério o matrimônio cristão fomos nós. E mudar o rumo o quanto antes.

Tags:
CasamentoDivórcioEucaristiaSínodo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Confissão não é para contar problemas, mas para contar pecados
Pe. Gabriel Vila Verde
Confissão não é para contar problemas, mas pa...
RED WEDNESDAY
Reportagem local
Perseguição aos cristãos no mundo é denunciad...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia