Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 24 Julho |
home iconReligião
line break icon

Um apelo aos padres sinodais: não facilitem o divórcio!

Pixel 4 Images

Rick Fitzgibbons, MD - publicado em 17/10/14

Pesquisas mostram claramente que os filhos de divorciados sofrem danos psicológicos e espirituais duradouros

A saúde e o florescimento da família católica depende em primeiro lugar da relação amorosa estável entre o pai e a mãe. O Catecismo da Igreja Católica reconhece esta realidade ao declarar que "as crianças precisam da união estável dos seus pais" (nº 2381). Nas discussões do atual sínodo sobre a família, portanto, é essencial que a família católica seja protegida com base em uma compreensão mais profunda dos graves e permanentes danos psicológicos e espirituais que as crianças sofrem como consequência do divórcio dos pais. Isto implica refutar muitos dos mitos que ainda persistem na sociedade sobre os supostos "benefícios" do divórcio.

Só nos Estados Unidos, por ano, um milhão de crianças sofre o trauma severo do divórcio. Essas crianças não precisam de uma flexibilização do processo de anulação matrimonial. Elas querem é que seus pais superem os conflitos e amem um ao outro. Elas precisam é que a Igreja defenda o sacramento do matrimônio e desafie os cônjuges a trabalharem seriamente para resolver os seus conflitos emocionais e para se sacrificarem ao menos um pouco a fim de salvar o casamento e, é claro, o amor.

O já falecido Dr. Norval Glenn, da Universidade do Texas, um ilustre estudioso da família, liderou um estudo pioneiro nos Estados Unidos, junto com Elizabeth Marquardt, sobre a vida moral e espiritual dos chamados “filhos do divórcio”. Suas descobertas refutaram muitos dos mitos sobre o "bom divórcio". Glenn escreveu o prefácio do livro de Marquardt sobre a pesquisa realizada, “Entre dois mundos: a vida interior dos filhos do divórcio”. Diz ele:

“A proporção de adultos com perturbações emocionais é cerca de três vezes maior entre aqueles cujos pais se divorciaram, na comparação com aqueles cujas famílias permanecem intactas. O sucesso na vida adulta não consegue compensar a infância infeliz nem apagar da memória a dor e a confusão do mundo dividido de um filho do divórcio”.

O divórcio não é inevitável: a origem da maioria dos conflitos conjugais

Numerosos mitos sobre o divórcio atrapalham a necessidade dos casais de resolver os seus conflitos pessoais e conjugais. Diversos estudos indicam que aproximadamente 70% dos conflitos psicológicos adultos surgem de feridas não cicatrizadas (e inconscientes) da infância e da adolescência, a maioria delas relacionadas com os próprios pais. Esses conflitos que envolvem tristeza, desconfiança de comportamentos controladores, raiva excessiva e baixa autoestima podem emergir durante o casamento sem que as origens verdadeiras sejam identificadas; e essas mágoas não resolvidas ferem os sentimentos de confiança e de amor de um cônjuge pelo outro. Se esses conflitos forem devidamente descobertos e tratados, assim como o egoísmo dos cônjuges, a confiança poderá crescer e o amor poderá ser redescoberto.

A Igreja tem ajudado muitos casais a tratar das feridas trazidas da infância e das feridas emocionais da vida conjugal. O Dr. Howard Markman, pesquisador, escritor e professor da Universidade de Denver, escreve: "Acreditamos que a maioria dos divórcios e a maior parte dos fatores de infelicidade conjugal pode ser evitada" (em “Fighting for Your Marriage: Enhancing Marriage and Preventing Divorce”, ou “Defendendo o seu matrimônio: a melhora do casamento e a prevenção do divórcio”).

Alguns mitos sobre o divórcio:

– O divórcio não vai prejudicar os filhos nem os cônjuges que se separam;
– O divórcio é a única solução para a minha infelicidade conjugal;
– Não há solução possível para os conflitos conjugais;
– Se é bom para mim, então vai ser bom para os meus filhos;
– Vou ser mais feliz longe dele/dela;

  • 1
  • 2
  • 3
Tags:
CasamentoDivórcioFamíliaSínodo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
Atriz Claudia Rodrigues
Reportagem local
Assessora pede orações por atriz Claudia Rodrigues: “está m...
6
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
7
Orfa Astorga
Até que idade é saudável morar na casa dos pais?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia