Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Coreia do Norte liberta um dos três americanos detidos no país

Jeffrey Fowle, um dos três americanos detidos na Coreia do Norte, é visto em foto de arquivo divulgada em 10 de junho de 2014

Compartilhar

A Casa Branca anunciou nesta terça-feira a libertação de Jeffrey Fowle, um dos três americanos detidos na Coreia do Norte, que já está a caminho de seu país.

"Jeffrey Fowle foi autorizado a deixar a Coreia do Norte", declarou Josh Earnest, porta-voz da Presidência americana.

O americano, que viajou à Coreia do Norte em abril, foi detido acusado de ter deixado uma bíblia em um hotel.

Fowle, 56 anos, já foi a avaliado por um médico e se encontra em boas condições de saúde, informou o departamento americano de Estado.

Jeffrey Fowle foi levado de Pyongyang por um avião do Pentágono, que pousou na ilha americana Guam, no Pacífico, relatou a porta-voz adjunta do Departamento de Estado americano, Marie Harf.

A porta-voz comemorou a libertação de Fowle, obtida graças aos "esforços incansáveis" dos diplomatas da embaixada da Suécia em Pyonyang.

Harf destacou que os Estados Unidos seguem "concentrados na libertação de Kenneth Bae e Matthew Miller, e pediram à Coreia do Norte que os solte imediatamente".

A Casa Branca fez diversos apelos pela libertação de Fowle e dos outros dois americanos ainda detidos na Coreia do Norte.

Matthew Miller foi preso em abril e condenado a seis anos de trabalhos forçados. Segundo a Coreia do Norte, ele "cometeu atos hostis" ao entrar em seu território "disfarçado de turista".

Já Kenneth Bae foi preso em novembro de 2012, após ser acusado de ser um ativista cristão com a intenção de derrubar o governo norte-coreano. Ele foi condenado a 15 anos de detenção em um campo de trabalhos forçados.