Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Dezembro |
São Birino de Dorchester
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Lições do sínodo: casos extremos inspiram leis ruins

New Confirmation Program Aims to Transform Catholic Youth Wayne Miller – pt

Wayne Miller

Rachel Lu - publicado em 22/10/14

O que mais falta à nossa juventude é catequese, não compaixão

O Sínodo sobre a Família terminou, pelo menos por enquanto. Ele provocou uma onda de angústia, mas, no fim, o Espírito Santo livrou a Igreja mais uma vez de uma catástrofe. Todas as partes mais perturbadoras do documento preliminar do sínodo foram removidas do documento final. E a vida continua.

Mas será que tiramos alguma conclusão útil sobre o casamento católico e a vida familiar a partir dessas polêmicas?

Talvez sim, embora a maioria delas tenha sido negativa. Alguns membros pensantes da mídia católica mundial, incluindo R.R. Reno, o padre Mark Pilon e Susan Wills, esta última da equipe da Aleteia, já publicaram comentários perspicazes sobre aspectos que não vão ajudar a revitalizar a nossa cultura do casamento católico. Por exemplo, não vai ser de ajuda começar uma “onda de diálogo” voltada a garantir que as pessoas não se sintam mal por passarem por cima dos ensinamentos da Igreja. Não vai ser de ajuda tentar acabar com os dolorosos detalhes de um milhão de situações familiares irregulares mediante diretrizes de cima para baixo que determinem mais "pastoralidade". Não vai ser de ajuda fingir que o casamento cristão pode ser uma coisa fácil, uniforme e agradável.

Escrevendo no “The Guardian”, Austen Ivereigh sugeriu que o sínodo está levando a Igreja a uma direção “mais frutífera” por trazer a linguagem da pastoral às suas deliberações e ensinamentos formais. Como Ivereigh destaca, os bispos e párocos têm andado muito empenhados no dia-a-dia lidando com os detalhes sensíveis de situações pessoais difíceis, oferecendo apoio, aconselhamento e a graça dos sacramentos para quem pode e vai recebê-los. Já no nível institucional, acha ele, Roma parece impassível e pedante, focada na clareza doutrinal e não na compaixão. O papa Francisco, segundo Ivereigh, está ajudando a mudar isso ao engajar a Santa Sé mais diretamente no ministério de atender as almas atribuladas.

Parece que esta é uma interpretação razoável das inclinações do Santo Padre. O papa Francisco tem um zelo óbvio pelos mais aflitos. Enxergamos este zelo refletido na sua já famosa analogia que apresenta a Igreja com um hospital de campanha, onde as pessoas desesperadamente feridas vão à procura de tratamento. A Igreja, na opinião dele, tem que ser esse hospital em que as pessoas sufocadas pelo pecado e pela angústia podem encontrar a cura.

Voltando especificamente à questão da família, encontramo-nos agora diante de uma pergunta: será que é possível fazer isso em nível institucional? Os casos desesperados geralmente demandam uma atenção pessoal significativa. Eles não podem ser tratados em massa pela Santa Sé. E o foco em estender a mão aos caídos já causou ansiedade demais em todo o mundo católico; afinal, como diz a sabedoria popular, os casos extremos inspiram leis ruins. Não seria mais apropriado que os pastores e leigos fizessem o trabalho individual de cuidar das almas aflitas, enquanto Roma lhes fornecesse o suporte necessário para dizer a eles a verdade com toda a devida confiança? No âmbito institucional, talvez deva haver menos foco na triagem e mais foco no desenvolvimento de um plano de bem-estar.

Um plano de bem-estar é extremamente necessário. Nós precisamos fazer um trabalho muito melhor para transmitir a fé aos jovens católicos se quisermos reduzir o risco de eles acabarem como "amputados espirituais".

E é possível fazermos um trabalho melhor, mesmo numa cultura que despreza a doutrina católica sobre sexo e casamento. Eu refleti sobre isso algumas semanas atrás, lembrando o meu desconforto, há 16 anos, quando descobri o catolicismo quando era caloura da Universidade de Notre Dame. Eu era uma jovem mórmon e tinha recebido uma educação sólida no tocante à ética sexual. Tendo ouvido muita coisa a respeito do rigor dos ensinamentos católicos sobre esses assuntos, eu esperava, naturalmente, encontrar colegas que compartilhassem a minha crença sincera de que a fornicação não era correta, de que o sexo deve ser reservado para o casamento e de que o casamento deve ser ordenado à procriação. Alguns dos meus colegas de fato pensavam dessa forma. Mas eu fiquei chocada com a quantidade de outros colegas que rejeitavam esses ensinamentos e até mesmo os ridicularizavam. Se os meus colegas de faculdade representassem um fenômeno amplo, eu diria que os mórmons fizeram um trabalho muito melhor em me preparar para o casamento católico do que muitas paróquias católicas teriam feito no lugar deles.

Isso me parece um problema muito mais grave hoje na Igreja do que qualquer excesso de julgamentos ou qualquer deficiência de compaixão. Dando aulas atualmente em uma universidade católica, eu percebo deficiências semelhantes na formação dos meus alunos. É especialmente preocupante saber que esses jovens católicos são, na maior parte, frequentadores da missa e filhos de famílias intactas, cujos pais fizeram sacrifícios significativos para dar a eles uma educação católica séria. Eles ainda não estão vivendo em situações familiares irregulares (embora alguns dos meus ex-colegas já estejam). Esses jovens deveriam ser as nossas “tropas de choque”, jovens de um zelo apostólico ardente para reconquistar o mundo para Cristo. Mas, em vez disso, muitos deles parecem preguiçosos, mornos, apenas vagamente conscientes dos ensinamentos católicos e sempre prontos para concordar com a cultura dominante, que diz que o evangelho vivido em sua plenitude é uma fonte mais de constrangimentos do que de orgulho.

Se não podemos conquistar os nossos próprios filhos, eu não vejo como a Igreja possa recuperar o ardor missionário que o Santo Padre muito louvavelmente deseja incutir nela. Mas um "plano de bem-estar" eficaz requer instruções claras, juntamente com a expectativa evidente de que os jovens ouçam e obedeçam a elas. Ao nos encontrarmos com os não católicos e com os “católicos caídos”, um toque de maior suavidade pode muitas vezes ser necessário; aliás, existem em todo o mundo várias subculturas católicas que se encontram em tal estado de colapso que deveríamos considerá-las de fato como áreas de missão. Mas nunca devemos tratar os nossos próprios filhos como se a sua plena adesão à fé fosse apenas uma possibilidade exótica. Não queremos que eles sejam hipócritas, mas precisamos que eles tenham orgulho de representar uma fé que, no âmbito cultural, tem que nadar deliberadamente contra a correnteza. Esta é a única maneira de proteger as suas almas de um mundo hostil e de prepará-los para serem soldados de Cristo.

No fim, a catequese eficaz não entra em conflito com os esforços zelosos-mas-compassivos focados em atender os desesperados. Muito pelo contrário: as almas bem formadas são as únicas que podem realizar de verdade o trabalho vital de chegar até os aflitos. Mas, se os pastores e os leigos devem levar adiante este trabalho com o ardor missionário que o Santo Padre obviamente deseja ver neles, eles precisam saber que Roma os sustenta com toda a firmeza. E pode ser que o tipo de "compaixão institucional" que o sínodo andou considerando nas últimas semanas simplesmente não seja compatível com a sustentação doutrinária de que os fiéis continuam precisando.

O mundo está tentando, incansavelmente, rasgar os ensinamentos católicos (especialmente sobre sexo e casamento). Os fiéis precisam ver que os seus líderes estão dispostos a defendê-los desse ataque. Talvez seja melhor, portanto, deixar cada pastor ser pastor, enquanto a Santa Sé vela pela missão vital de manter a barca em seu trajeto de modo inequívoco e bem visível.

Tags:
CasamentoDivórcioFamíliaSínodo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia