Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

João Paulo II ensina “a educação do amor”

© YOSHIKAZU MIKAMI / AFP
Compartilhar

“Condições indispensáveis para se basear o matrimônio”

O ponto de partida e ao mesmo tempo para onde tendem todos os assuntos relativos ao casamento é a educação do amor. Quem afirmou foi Karol Wojtyla, no artigo intitulado “Educação do amor”, publicado em “Educar e amar. Escritos sobre matrimônio e família”, que possui onze artigos escritos por ele entre os anos 1952 – 1962.

Da educação do amor, explica o futuro papa João Paulo II, “tudo inicia; a afirmação ‘matrimônio por amor’ não significa outra coisa”. Da mesma maneira, “o matrimônio representa sempre uma certa prova de que o amor tem que acontecer, tem que ser confirmado”.

No momento das núpcias o amor é aquilo que os dois cônjuges “conhecem” melhor, “e ao mesmo tempo é a maior incógnita que os aguarda num futuro comum”, “uma incógnita para certos versos ainda maiores do que espera o destino deles”, porque o amor é algo de “muito mais profundo, traz em si a capacidade interior de determinar o próprio destino do casal”. 

“Mesmo que tudo concorra para determinar o destino, como a prosperidade e a felicidade terrena levassem a um êxito decepcionante, mas se o amor permanece, a vida do casal terá alcançado a vitória. Onde, se ao contrário, o amor pudesse desiludir, a vida sofreria uma derrota, mesmo se acompanhada por um destino favorável.”

Celebrando o matrimônio sacramental, afirmava Wojtyla, a mulher e o homem se aproximam de Deus e ao mesmo tempo contam com seu compromisso a favor da sua comunidade. "Em outras palavras, eles contam com a sua graça e a sua ajuda que, de maneira puramente interior, mas não menos real, moldará toda a vida deles em comum. Portanto, eles colocam diante Dele a união deles e a confirmam com juramento; assim o matrimônio adquire uma força particular que os envolve completamente”.

O problema assim definido, acrescentava, pede que o amor entre os dois seja “interiormente maduro e definitivo”, coisa que não pode ser “desde o seu nascimento”, podendo se tornar “só gradualmente”. Este “tornar-se” necessita ser orientado, e por isso se pode falar de educação do amor.

Para quem crê, ressalta o futuro pontífice, educar-se ao amor significa “colaborar com a graça”, conceito que pode parecer “abstrato e inatingível”, mas somente se “se aceita que o amor se reduz apenas a reações e expressões afetivo-sexuais instintivas”. 

Para Wojtyla, “são apenas as vias da graça que permitem a cada amor humano  continuar a unir até o fim”. 

“Como é indiscutível que a educação do amor é a condição indispensável onde se basear o matrimônio, assim é preciso adicionar que o matrimônio-sacramento corresponde somente àquela educação do amor que se desenvolve sobre a base da verdade que ‘Deus é amor’ e ‘o amor vem de Deus.’”

“Realizar estas verdades significa colaborar com a graça do amor.”

Pelos esposos, concluía o futuro João Paulo II, aqui se realiza a maior "colaboração com a graça do sacramento do matrimônio”, colaboração que inclui “tudo aquilo que faz parte do caminho em direção aos valores humanos do matrimônio, não evitando nada”.

Boletim
Receba Aleteia todo dia