Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Filme “Ouija”: terror mais ou menos na medida para adolescentes

Universal-Pictures
Compartilhar

Um tanto de mesmice, mas com poucos palavrões, pouco sangue e sem glamourização do mal

Eu assisto a centenas de filmes por ano. É um hábito que desenvolvi bem antes que me pagassem para ver filmes e criticá-los. E eu gostaria muito de dizer a vocês que, dos milhares de filmes que eu vi ao longo das décadas, não houve nenhum do tipo que São João Paulo II mencionou em 1995 ao lamentar as produções do cinema que "distorcem a verdade, oprimem a genuína liberdade ou mostram cenas de sexo e de violência ofensivas à dignidade humana".
 
Infelizmente, eu mentiria se dissesse isso. A triste verdade é que, não tendo levado uma vida cristã desde sempre, eu já vi, sim, muitos filmes desse tipo. Aliás, em questão de poucos minutos, eu provavelmente poderia citar uns dez ou vinte filmes tão moralmente corruptos a ponto de causarem danos relevantes à alma de quem os visse.
O que pode ser surpreendente para muita gente é que quase nenhum desses filmes tão particularmente agressivos é de terror.
 
Menciono isto porque tenho a impressão de que, toda vez que eu publico uma resenha sobre um filme de terror, em especial se for daqueles que contam histórias envolvendo o demoníaco, algum leitor bem-intencionado me pergunta se os cristãos podem ou não podem assistir a esse tipo de filme. É um bom sinal que me perguntem isso. Afinal de contas, todos temos que zelar uns pelos outros. Mas eu repito o que foi dito pelo pe. Gary Thomas, exorcista da diocese californiana de San José, quando perguntado sobre filmes de terror durante uma entrevista concedida a Patti Maguire Armstrong: "Eu não acho que você se abra para o mal só por assistir a um filme. O problema é quando o mal é glorificado, o que é bem diferente de ver um filme que apenas aborda o tema do mal".
 
Embora possa parecer um contrassenso, levando-se em conta os macabros acontecimentos que esses filmes retratam, o fato é que a maioria das histórias de terror raramente glorifica o mal. Tomemos, por exemplo, "Ouija", o novo filme de terror que está chegando às telas dos cinemas. Se você viu as propagandas, com certeza foi apresentado a algumas das imagens nojentas que o filme exibe: cadáveres em decomposição, bocas costuradas, gente morta berrando… Enfim, o mesmo de sempre. Mas o que as propagandas não dizem é que a trama de "Ouija" acaba destacando um princípio moral que nós conhecemos do livro do Deuteronômio: aquele princípio que nos avisa que as pessoas que "consultam fantasmas e espíritos ou procuram os oráculos dos mortos" se arriscam a penetrar num mundo de sofrimento.
 
O filme começa com um curto prólogo em que duas jovens, Debbie e Laine, aparecem brincando com um tabuleiro Ouija. Pode parecer uma situação estranha, mas o fato é que você mesmo pode encontrar esse tipo de coisa com relativa facilidade em muitas lojas de brinquedos, e pagando menos do que custa um jogo de videogame.
 
Seja como for, as meninas discutem as regras básicas do jogo: nunca jogue sozinho, nunca jogue num cemitério, seja sempre educado e diga adeus quando terminar de conversar com os espíritos… Enfim, o mesmo de sempre, de novo. Passam-se alguns anos e vemos Debbie adolescente (Shelley Hennig) tentando queimar um tabuleiro Ouija, por alguma razão desconhecida. Mas o teimoso tabuleiro, infelizmente, se recusa a ser consumido pelo fogo. Perturbada, Debbie é subitamente compelida a acabar com a própria vida.

Laine (Olivia Cooke) fica arrasada com a morte misteriosa da sua amiga da vida toda e, ao encontrar a Ouija no quarto de Debbie, pensa em tentar contato com o espírito dela para conseguir algumas respostas e se despedir. Sarah (Ana Coto), que é irmã de Laine, acha aquilo uma grande perda de tempo, assim como o grupinho de amigos das duas, mas todos acabam participando da ideia na esperança de ajudar Laine a encerrar de uma vez aquele dramático episódio. Os cinco adolescentes se reúnem então na casa de Debbie para jogar a Ouija.

Páginas: 1 2

Boletim
Receba Aleteia todo dia