Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 05 Dezembro |
São Saba
home iconAtualidade
line break icon

Mulá afegão condenado a 20 anos de prisão por violentar menina

<p>Afegã caminha por estrada da província de Herat no dia 9 de outubro</p>

AFP - publicado em 27/10/14

Um mulá afegão foi condenado, neste fim de semana, a 20 anos de prisão por violentar uma menina de 11 anos, que tinha levado o caso aos tribunais, apesar da oposição de sua família, que ameaçava matá-la por tê-la "desonrado".

A jovem foi estuprada em maio por Mohamed Aminulah Barez, um mulá que ensinava os preceitos da religião muçulmana a meninas no norte do Afeganistão.

A vítima tentou esconder a agressão, mas teve que ser hospitalizada por causa de um sangramento. Os médicos descobriram, então, que tinha sido violentada e as autoridades detiveram o religioso.

Segundo militantes feministas afegãs, a menina teve que fugir da família, que ameaçava matá-la por tê-la "desonrado" e se escondeu em um abrigo para mulheres.

"Depois do estupro, a família da menina queria matá-la, ficou envergonhada demais. Até mesmo as enfermeiras do hospital não queriam cuidar dela enquanto sangrava", contou à AFP Hasina Sarwari, diretora da ONG Women for Afghan Women (WAW), na província de Kunduz (norte).

"Membros de sua família gritavam: você deve morrer porque é uma vergonha para toda a nossa família. Vamos matá-la e vamos jogar seu corpo no rio", relatou Sarwari.

Segundo outro integrante da ONG, o mulá admitiu ter tido relações sexuais com a menina, mas tentou convencer a corte de que as relações foram consentidas para tentar reduzir a pena a 100 chibatadas.

Mas o juiz Sulaiman Rasuli rejeitou o argumento, que poderia ter tornado a menina culpada de adultério, e condenou o mulá a 20 anos de prisão.

Segundo a advogada da vítima, Shaima Qasemi, a menina chorou diante da corte e pediu para que seu agressor fosse enforcado. "Agora, está aliviada por ver que o mulá irá para a prisão", acrescentou.

No começo de outubro, cinco homens foram enforcados em Cabul por ter violentado quatro mulheres, uma medida que as organizações de direitos humanos consideram muito brutal.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
HUG
Dolors Massot
Médico abraça paciente com Covid-19 que chora...
PADRE NO ALTAR DA MISSA
Reportagem local
Missa de Crisma é interrompida por policiais ...
Missa de Crisma
Reportagem local
Arcebispo detona interrupção de Missa: "Ocorr...
BOKO HARAM NIGÉRIA
Francisco Vêneto
Terroristas islâmicos degolam mais de 100 pes...
Bispo brasileiro Dom Antônio Carlos Rossi Keller
Reportagem local
Mais um bispo brasileiro detona: "Autoridades...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia