Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 06 Dezembro |
Bem-aventurado Janos Scheffler
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Papa Francisco está pronto para ir ao Iraque

Pope Francis – General Audience 1 Sabrina Fusco – pt

© Sabrina Fusco / ALETEIA

Chiara Santomiero - publicado em 28/10/14

Patriarca de Bagdá explica a situação dramática provocada pelo extremismo islâmico e fala do comprometimento da Igreja com os que sofrem

Por ocasião do Consistório que o Papa Francisco dedicou sobretudo a dramática situação do Oriente Médio, com particular atenção à Síria e ao Iraque, Aleteia entrevistou o patriarca caldeu de Bagdá, Louis Raphael I Sako, que participou do encontro junto com outros 86 cardeais e patriarcas das Igrejas Católicas Orientais. 

Durante o Consistório, quais pedidos o senhor fez pelo apoio da sua comunidade?

Primeiramente me voltei ao Papa Francisco: ele é o papa de todos os cristãos. Aqueles que têm maior necessidade que ele são o “pequeno rebanho” no Iraque, na Síria. A nossa gente precisa da sua palavra de consolação e de encorajamento. Pedi que escrevesse uma mensagem pessoal, uma pequena carta pastoral, como fazia o apóstolo Paulo com as primeiras comunidades cristãs, para exortar os cristãos a perseverarem. 

O senhor não pediu que ele fosse visitar pessoalmente?

Claro, até mesmo por apenas um dia, uma breve visita. A sua presença nos apoiará diante do governo, diante das autoridades muçulmanas. Até mesmo as pessoas dirão: “os cristãos não estão esquecidos nem isolados”. 

O que o Papa respondeu?

“Estou pronto”. Em todo caso, nestes dias escreverá uma carta. 

Como o senhor descreveu ao Consistório a situação dos cristãos no Iraque e no Oriente Médio?

A presença cristã está ameaçada: corremos risco de desaparecer. Somos oprimidos e forçados ao êxodo. Esta forma de terrorismo do Estado Islâmico atinge todos, especialmente os cristãos. Trata-se de uma ideologia fechada, que se afirma com a violência. O povo vive em pânico, por isso a Igreja, mas também a comunidade internacional deve proteger as minorias e uma presença cristã histórica, que tem a tarefa do diálogo e mediação entre as diferentes comunidades.

No encontro durante o consistório se falou da dificuldade dos bispos, diante de uma situação assim difícil, que coloca em risco a vida, de aconselhar os cristãos a fugir ou permanecer. O que o senhor pensa?

Nós estamos ali há dois mil anos: temos uma missão e uma tarefa e se existe um futuro para a Igreja chamada Igreja caldeia, este não se encontra na diáspora, mas no Iraque. Se todas as famílias forem embora e também os padres, toda a história e o patrimônio cristão caldeu será deletado. Haverá uma ruptura com dois mil anos de história. Existe um futuro, existe um amanhã para os cristãos, mas se permanecerem unidos. Temos a coragem de dizer as coisas com clareza e reivindicar os direitos deles. Nem todos os muçulmanos são jihadistas! Encontro continuamente os responsáveis religiosos e civis, e eles querem nos ajudar. É uma situação muito triste, mas não durará. É preciso ter paciência e perseverança. O que quer dizer esperança cristã se no concreto não a vemos? É preciso ajudar os cristãos a permanecer. Essa “Paixão” passará.

Por isso enviou uma carta chamando os sacerdotes e os religiosos que saíram do Iraque sem autorização dos superiores intimando-os a retornar?

Os sacerdotes que fugiram sem nenhum documento canônico encorajam outros a saírem, até mesmo as famílias. Pediram asilo nos países ocidentais, enquanto outros permaneceram, fiéis ao seu povo. Não existe justiça nisso. Se nós não colocamos um limite, também outros irão embora, a Igreja e o país permanecerão sem cristãos. Nós temos uma vocação. Um sacerdote se doa ao Senhor e ao serviço: não deve buscar sua liberdade, sua segurança. O seu futuro é a fidelidade a Cristo e ao povo, não na América ou na Austrália. Alguns dizem que têm cidadania destes países, mas o que isso tem a ver com o sacerdócio? Como pode um sacerdote deixar seu povo e ir ser pároco nos Estados Unidos sem a permissão do seu superior?

O que acontecerá se eles não retornarem?

Serão suspensos. Nós somos pastores e devemos dar o bom exemplo à nossa gente, devemos servir ao rebanho.

A Turquia decidiu intervir de maneira direta, autorizando a passagem dos peshmerga curdos e sobre o campo tem uma coalizão internacional que opera: o senhor acha que esta é a estrada para resolver os problemas do EI?

Não penso, bombardear não resolverá o problema. Existem discursos mais desanimadores sobre a continuação das operações militares: diz-se que serão necessários dois anos ou cinco. Significa dizer às famílias refugiadas que não podem retornar a suas casas e que devem ir embora. É como dizer ao EI: vocês ainda têm tempo. Ocorrem operações por terra, mas também uma estratégia para desmontar esta ideologia e mudar os programas de educação religiosa e de história, falar de maneira mais aberta e moderada do islamismo. Isto é tarefa dos muçulmanos: cumprir uma nova leitura do islamismo e buscar uma mensagem para o povo de hoje e um sentido para a vida deles. O EI mata também os muçulmanos moderados e um islamismo fechado não tem futuro. É preciso trabalhar junto a um projeto de cidadania que deixe a religião como uma escolha pessoal. Por que colocar a religião na carteira de identidade? Hoje somos avaliados segundo a religião, e alguns são de série “A” e outros de série “B”. Não é justo. Sobre isso, já iniciamos um diálogo com as autoridades muçulmanas. O fundamentalismo é um perigo para os muçulmanos tanto quanto para os cristãos. Um desafio para todos. 

Tags:
CristãosMundoPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia