Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 30 Novembro |
São Mirocletes
home iconAtualidade
line break icon

Todos os tipos de feminismo são prejudiciais?

© Jeff Belmonte

Revista Humanitas - publicado em 29/10/14

Existe um tipo de promoção da mulher absolutamente aceitável e positivo: consiste em que tanto o homem quanto a mulher sejam aceitos em sua identidade

Existe um tipo de promoção da mulher absolutamente aceitável e positivo: consiste em que tanto o homem quanto a mulher sejam aceitos em sua identidade. Mas, por outro lado, há um feminismo radical que teve um papel decisivo na destruição da família tradicional.

É surpreendente que um fato ontológico elementar, como é o caso da possibilidade de ser pai ou mãe e as capacidades que disso derivam, tenha causado tantos extravios. Do ponto de vista cristão, devido à maternidade precisamente, corresponde à mulher uma “precedência específica sobre o homem” (João Paulo II, “Mulieris dignitatem”).

Há pouco tempo, li um artigo no qual, com grande profusão de palavras, pretendia-se explicar por que o feminismo destrói a família. Fiquei um pouco surpresa e comecei a pensar nisso. Será que o feminismo realmente destrói a família? Foi então que recordei algo que me aconteceu no Chile.

Em Santiago do Chile, disseram-me que uma pessoa, conhecida como enérgica feminista, queria discutir comigo sobre o tema da mulher. Era a fundadora e reitora de uma universidade privada. Agendamos uma reunião.

Eu me preparei para uma intensa discussão e, depois de alguns dias, fui à reunião preparada para ficar na ofensiva. Quando entrei na reitoria, fiquei surpresa ao ver um quadro grande de Nossa Senhora. A reitora era uma senhora muito amável e bem arrumada.

“Eu trabalho, com todas as minhas forças, para que as mulheres possam estudar e conseguir bons empregos – contou-me ela. Sonho com um salário para as donas de casa e com a supressão da pornografia. As pessoas me chamam de feminista porque devolvo todas as cartas que recebo dirigidas ao ‘reitor’, porque esta universidade não tem um reitor, mas uma reitora.” E completou: “Não tenho nada contra os homens. Estou casada há muito tempo e amo meu marido hoje mais que há 30 anos”.

É evidente que um feminismo assim não destrói a família. Penso inclusive que seja extremamente favorável para a comunhão dos esposos e para a própria família, já que devolve à mulher a dignidade que, em certas épocas e culturas, e parcialmente na atualidade, lhe foi e é negada.

Sim, isso acontece também hoje, não é ideologia nem exagero. Não precisamos pensar nas mulheres cobertas por um véu, como na Arábia Saudita, nem no povo africano dos Lyélas, que consideram as mulheres como a parte mais importante da herança – por exemplo, uma das fórmulas com as que um homem constitui seu filho mais velho como seu herdeiro diz: “Eu lhe entrego minha terra e minhas mulheres”.

Não podemos tampouco julgar com altivez o rapto das mulheres na aguerrida Esparta, nem lamentar-nos pela obscura Idade Média, que, aliás, não foi uma época tão hostil para a mulher.

Vejamos o exemplo da Europa. Respeita-se a mulher na sociedade, nas famílias? Também hoje em dia, a mulher é considerada, em inúmeros anúncios publicitários, no cinema, nas revistas e nas conversas como um ser não muito capaz intelectualmente, como um elemento de decoração e exibição, como mero objeto de desejo masculino.

Sua dedicação à sua casa e à sua família não é valorizada nem apoiada como deveria ser. Ainda é comum que um filho, por ser homem, depois de um suculento almoço, se sente na frente da televisão junto ao seu pai, enquanto as filhas “desaparecem” junto à sua mãe em direção à cozinha.

Também se vê com frequência que uma jovem mãe, que trabalha fora, tenha de lidar sozinha com as tarefas domésticas, e ainda por cima ser julgada por supostamente não se preocupar suficientemente pelo seu marido e pelos seus filhos, além de ser criticada por não conseguir manter a casa perfeitamente limpa.

Quantas mulheres casadas, que não têm fonte de renda própria, precisam mendigar dos seus maridos um pouco de dinheiro e não têm acesso à conta bancária nem participação nas decisões financeiras da própria família!

Sei que estas questões podem ser superficiais; no entanto, demonstram quanta (ou quão pouca) compreensão e carinho as mulheres recebem, muitas vezes, em uma situação difícil.

Existe, então, uma promoção da mulher que é absolutamente conveniente. Sua finalidade consiste em que os direitos humanos não sejam apenas direitos dos homens, mas que ambos, tanto o homem quanto a mulher, sejam aceitos em sua identidade como pessoa.

(Artigo publicado originalmente pela Revista Humanitas)

Tags:
feminismoMulher
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
FIRST CENTURY HOUSE AT THE SISTERS OF NAZARETH SITE
John Burger
Arqueólogo diz ter encontrado a casa onde Jes...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia