Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Todos os santos e festa dos defuntos: o que celebramos exatamente?

Public Domain
Compartilhar

Na festa de Todos os Santos celebramos os méritos de todos os santos, celebramos os dons de Deus

Por Josep Àngel Saiz Meneses

Novembro é um mês que iniciamos com a lembrança da morte e dos nossos fiéis defuntos mesmo que, de fato, inicie não com a comemoração dos fiéis defuntos – dia 2 de novembro -, mas com a alegre celebração de todos os santos, dia 1 de novembro. Isto significa que antecipamos a vida em relação à morte; a vida em Deus, no Céu, de quantos são abertos, na vida e na morte, a sua bondade e a sua misericórdia, na fé, na esperança e no amor.

As duas celebrações nos colocam diante do mistério da morte e nos convidam a renovar a nossa fé e a nossa esperança na vida eterna.

Na festa de Todos os Santos celebramos os méritos de todos os santos, o que significa sobretudo celebrar os dons de Deus, as maravilhas que Deus operou na vida destas pessoas, a resposta deles à graça de Deus, o fato que seguir Cristo com todas as consequências é possível.

Existe uma multidão imensa de santos canonizados e de outros não canonizados. Chegaram à plenitude que Deus quer para todos. Celebramos e lembramos também o chamado universal à santidade que nos faz o Senhor: “Sede perfeitos como é perfeito o vosso Pai que está nos Céu” (Mt 5,48).

Na festa de finados, a Igreja nos convida a rezar por todos os defuntos, não apenas para aqueles da nossa família, ou pelos mais queridos, mas por todos, sobretudo aqueles que ninguém se lembra.

O hábito de rezar para os fiéis defuntos é antigo como a Igreja, mas a festa litúrgica foi instituída dia 2 de novembro de 998, por Sant’Odilone, monge beneditino e quinto abade de Cluny, no sul da França.

Roma adotou esta prática no século XIV, e a festa se difundiu em toda a Igreja. Neste dia comemoramos o mistério da Ressurreição de Cristo que abre a todos a via da ressurreição futura. 

Nestes dias, uma das nossas tradições mais radicais é a visita aos cemitérios para ir encontrar os familiares defuntos. Momento de oração, momento para lembrar as pessoas amadas que nos deixaram, momento de união familiar. 

 

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.