Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 30 Novembro |
São Mirocletes
home iconAtualidade
line break icon

Denis Mukwege, o anjo da guarda das mulheres violentadas

© MONUSCO

Corrado Paolucci - publicado em 03/11/14

Prêmio Sacharov, pela liberdade de pensamento, ao ginecologista que devolveu a dignidade a vítimas de estupro e violência

As mulheres africanas o consideram um verdadeiro salvador. E agora também o Parlamento Europeu reconhece publicamente o seu valor. Este á Denis Mukwege, médico de profissão, conhecido também como “o homem que cura as mulheres”. 

Ele acaba de recer o prêmio Sacharov pela liberdade de pensamento, um dos mais importantes reconhecimentos do Parlamento Europeu.

© United Nations Photo 

16 anos curando vítimas de estupro

O doutor Mukwege vive e trabalha em Bukavu, capital da região de Sud Kivu, extremo leste da República Democrática do Congo, divisa com Burundi e Ruanda. Esta região, há vinte anos, é teatro de uma guerra que é superada em número de vítimas apenas pela Segunda Guerra Mundial. As vítimas deste conflito não são apenas os que morreram: as primeiras vítimas são as mulheres. Não apenas estupros, mas torturas indescritíveis, que deixam marcas por toda a vida. Uma violência que destrói o aparato reprodutivo feminino, aniquila a dignidade das mulheres e destrói o tecido social. 

O médico passou sua vida denunciando os estupros de guerra que duraram 16 anos na República Democrática do Congo. Ele tratou milhares mulheres violentadas e que tiveram suas vidas marcadas, além de erguer as suas pobres e fracas vozes perante o mundo. Isso para que todos pudessem ao menos saber da existência delas.

© United Nations Photo 

Ligado à humanidade

O anúncio do prêmio foi feito pelo presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, no encerramento de uma breve reunião entre os líderes. “A humanidade e os presidentes dos grupos políticos decidiram dar o Prêmio Sakharov 2014 a um médico que está à frente da luta pelos direitos das mulheres no continente africano”. Houve consenso imediato (La Stampa, 22 de outubro).

Tags:
liberdadeMulherSaúdeViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
FIRST CENTURY HOUSE AT THE SISTERS OF NAZARETH SITE
John Burger
Arqueólogo diz ter encontrado a casa onde Jes...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia